Home
Glauber Rocha

Maria do Carmo Andrade

Bibliotecária da Fundação Joaquim Nabuco

Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.

 

 

 

 

Glauber de Andrade Rocha, cineasta brasileiro, um dos líderes do cinema novo, do movimento vanguardista, foi o responsável por uma grande renovação do cinema brasileiro, na década de 1960. Um dos mais polêmicos criadores do cinema nacional, tanto pela originalidade de suas obras, como por suas declarações à imprensa.

 

Nasceu no dia 14 de março de 1939, em Vitória da Conquista, Bahia. Primeiro filho de Adamastor Bráulio da Silva Rocha e Lúcia Mendes de Andrade Rocha. O nome Glauber, dado pela mãe, foi inspirado no cientista alemão Johann Rudolf Glauber (1603-1668), que descobriu o sulfato de sódio ou sal de Glauber.

Foi batizado na Igreja Presbiteriana, teve três irmãs, Ana Marcelina de Andrade Rocha (1940-1952), Anecy (1942) e Ana Lúcia (1952), a mais nova, que seria sua confidente por toda vida. Aos sete anos de idade, já alfabetizado pela mãe, Glauber é matriculado num colégio católico em Vitória da Conquista, para cursar o primário, hoje ensino fundamental.

Glauber costumava acompanhar o pai, que era comerciante e foi também construtor de estradas de ferro e de rodagem, nas viagens que fazia pelo sertão da Bahia. E foi em decorrência do trabalho do pai, que em agosto de 1947, afamília mudou-se para Salvador.

Em Salvador, Glauber passa a freqüentar o Colégio Presbiteriano Dois de Julho. Já aos nove anos, escreve em espanhol, a peça El Hijito de Oro, que é encenada no colégio pelo professor de francês Josué de Castro. O papel masculino principal é interpretado pelo próprio Glauber.

Por esse tempo, seu pai abre no centro da cidade a loja, O Adamastor. Engenheiro de estradas de rodagem, sofre um acidente que deixa graves seqüelas, o que faz com que sua mãe, aos 29 anos, assumisse os negócios e a chefia da família.

Foi em Salvador que Glauber iniciou seus trabalhos como crítico de cinema e documentarista. Começou sua carreira de diretor, com os curtas-metragens O pátio, 1959 e Uma cruz na praça, 1960. Tornou-se famoso a partir de 1962, quando realizou seu primeiro longa-metragem, Barravento, premiado no Festival de Karlovy Vary, na antiga Tchecoslováquia.

Em 1963, editou o livro Revisão crítica do cinema brasileiro, uma coletânea de artigos de sua autoria, publicados na imprensa de Salvador. Mas foi com Deus e o diabo na terra do sol, 1964, filme premiado na Itália e no México, que Glauber se consagrou como um dos mais importantes nomes do cinema novo. Um filme considerado a um só tempo, fantástico e político que reinventa a literatura de cordel.

Terra em transe, em 1967, foi considerado pela crítica, como sua obra-prima. Recebeu o Prêmio Internacional da crítica no Festival de Cannes. Com O dragão da maldade contra o santo guerreiro em 1969,  recebeu o prêmio de melhor diretor.

Para os críticos fica evidente que a intenção de Glauber, em todos esses filmes, era fazer valer uma linguagem descontínua, não linear, que ele julgava exprimir mais sua visão histórica brasileira. Recusava assim a estrutura simétrica da linguagem hollywoodiana, que considerava colonizadora e alienante.

Em 1970, dirigiu Der Leon hás sept cabezas, filmado no Zaire, atual República Democrática do Congo, e Cabezas cortadas, filmado na Espanha e, somente em 1979, liberado pela censura do Brasil, onde não obteve sucesso de público.

Realizou ainda os curtas-metragens: 
Maranhão e Amazonas, Amazonas, 1966; Câncer, 1972; Brasil 68 (1974, inacabado); História do Brasil, 1974; Claro, 1975 e entre 1971 e 1974 realizou Leiticia; Mossa no Marrocos; Super Paloma e Viagem com Juliet Berto.

Realizou também o documentário Di Cavalcanti, 1977, publicou o romance Riverão Suassuna, 1978 e dirigiu seu último longa metragem, A Idade da Terra, 1980, outro fracasso comercial.

Glauber Rocha morreu na cidade do Rio de Janeiro,
  em 22 de agosto de 1981.
 
 
 
Recife, 31 de maio de 2007.
Atualizado em 9 de setembro de 2009.
 
 
 
 
FONTES CONSULTADAS:
 
 
 
 
BENTES, Ivana. Cartas ao mundo Glauber Rocha. Acervo Tempo Glauber. Disponível em: <http://www.tempoglauber.com.br/glauber/Biografia/vida.htm>. Acesso em: 21 maio 2007.
 
ENCICLOPÉDIA Mirador Internacional. São Paulo: Encyclopaedia Britannica do Brasil, 1995.
 
GRANDE Enciclopédia Barsa. 3. ed. São Paulo: Barsa Planeta Internacional, 2005.
 
GLAUBER Rocha [Foto neste texto]. O Cruzeiro, Rio de Janeiro, ano 40, n. 27, p. 96-97, 6 jul. 1968.
 
 
 
 
 
 
COMO CITAR ESTE TEXTO:
 
 
 
 
Fonte: ANDRADE, Maria do Carmo. Glauber Rocha. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <http://basilio.fundaj.gov.br//>. Acesso em: dia  mês ano. Ex: 6 ago. 2009.


 

 
Copyright © 2019 Fundação Joaquim Nabuco. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido pela Fundação Joaquim Nabuco