Home
Correia Picanço

Virgínia Barbosa

Bibliotecária da Fundação Joaquim Nabuco

Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.

 

 

 

 

José Correia Picanço nasceu na então vila de Goiana, província de Pernambuco, no dia 10 de novembro de 1745, filho do cirurgião-barbeiro Francisco Correia Picanço e de Joana do Rosário das Neves.


Os estudos primários foram concluídos na sua cidade natal quando já era adolescente. Sua família mudou-se para o Recife e Correia Picanço passou a se dedicar ao aprendizado da profissão do seu pai. Assimilou-a e praticou-a tão bem que chamou a atenção do então governador da província de Pernambuco (1763-1768), Antonio de Souza Manoel de Menezes, Conde de Vila Flor, que o nomeou, em 1766, Cirurgião do Corpo Avulso de Ofício de Ordenança de Entradas e Reformados.

 

Mas, a meta profissional de Correia Picanço era ir além dessa nomeação. Na época, o título do cirurgião-barbeiro era importante, mas atribuído apenas às pessoas que sabiam ler e escrever e as suas atividades eram baseadas em parcos conhecimentos médicos que se limitavam ao tratamento de fraturas e luxações, a cura de feridas, a aplicação de ventosas, injeção e sanguessugas, a abrir abscessos, extrair dentes e, também, para justificar o título, cortar cabelo e fazer a  barba.

 

Sendo assim, e por sua dedicação à arte de curar, o governador o enviou para Lisboa, onde Correia Picanço recebeu o título de Licenciado em Cirurgia, após o curso regular na Escola Cirúrgica do Hospital S. José. Em seguida, de Lisboa  ele foi para Paris e lá conquistou o grau de “Officier de Santè” (Oficial de Saúde). Na capital da França, fixou residência e consultório, e casou com Catarina Brochot, filha de um de seus mestres, o Dr. Claude Sabatier Brochot. Dessa união nasceram Manoel, Filipe, José, Antônio Correia Picanço e Izabel Brochot Picanço da Costa.

 

Em 1771, regressou a Lisboa, reinstalou seu consultório e foi nomeado, pelo Marquês de Pombal (Sebastião José de Carvalho e Melo), professor da Cadeira de Anatomia da Universidade de Coimbra. Entretanto, como não tinha o grau de Doutor em Medicina, foi desprestigiado pelos colegas de ensino. Este fato foi mais um incentivo para Correia Picanço retornar a Paris, matricular-se na Universidade de Montpellier, e obter o cobiçado título de Doutor em Medicina. Dessa forma, retornou a Coimbra e reassumiu a Cadeira de Anatomia, que professou durante dezoito anos. Inovou nos métodos didáticos quando introduziu o ensino da anatomia sobre o cadáver humano. Anteriormente, os estudantes utilizavam animais no aprendizado.

 

Na década de 1790, de volta para Lisboa, exerceu cargos públicos relevantes: Primeiro Cirurgião da Real Câmara, cirurgião-mor do Reino e Deputado e membro nato da Real Junta do Protomedicato (junta de médicos que fazia inspeções sanitárias e fiscalizava as farmácias, chamadas àquela época de boticas).

 

Em 1807, devido à invasão napoleônica, D. João VI transfere-se com a família para o Brasil e José Correia Picanço, Primeiro Cirurgião da Real Câmara, o acompanha. Chegaram ao Brasil, na Bahia, em 1808. Com sua experiência profissional reconhecida e percebendo a carência de médicos formados no território brasileiro, Correia Picanço preocupou-se em incentivar o Príncipe a solucionar esse problema. Em Carta Régia de 18 de fevereiro de 1808, foi autorizada a criação, na Bahia, da Escola de Cirurgia no Real Hospital Militar de Salvador. Surge, dessa forma, no Brasil, o primeiro estabelecimento de ensino médico.

 

Em março de 1808, com a mudança da família real para o Rio de Janeiro, e também atendendo proposta de José Correia Picanço, D. João criou, através do  decreto de 5 de novembro de 1808, a Escola de Anatomia Cirúrgica e Médica.

 

Além de sua valiosa participação nesses dois fatos relevantes para a história do ensino médico no Brasil, tem-se registro de que José Correia Picanço acompanhou, no Rio de Janeiro, o parto da primeira imperatriz do Brasil, a D. Maria Carolina Leopoldina que dera à luz a D. Maria da Glória, Princesa da Beira, e depois rainha de Portugal; também foi atribuída a ele a realização, em 1817, da primeira operação cesariana do Brasil, ocorrida na província de Pernambuco, em uma mulher negra.

 

Como última homenagem em vida, recebeu o título de Barão de Goiana concedido pelo Imperador D. Pedro I, em 26 de março de 1821.

 

José Correia Picanço morreu no dia 23 de janeiro de 1823, aos 78 anos, com os seguintes títulos adquiridos ao longo de uma vida dedicada ao ensino médico e à medicina: Licenciado em Cirurgia (Paris);professor de Anatomia (Coimbra); 1º Cirurgião da Real Câmara; Cirurgião-Mor do Reino; Deputado à Real Junta da Protomedicato; Membro da Real Academia de Ciências de Lisboa; Fidalgo da Casa Real; do Conselho de Sua Majestade; Cavaleiro e Professo Comendador da Ordem de Cristo; Cavaleiro e Comendador Honorário da Torre e Espada; Primeiro Barão de Goiana; Nobre do Império; e fundador do ensino médico no Brasil.

 

Em sua memória foram realizadas diversas homenagens por todo Brasil. No bairro da Tamarineira, cidade do Recife, o governo inaugurou um hospital com o seu nome e, em 1958, Correia Picanço foi aclamado Patriarca da Medicina Pernambucana no I Congresso Pan-americano de História da Medicina e no II Congresso Brasileiro de História da Medicina.

       

Deixou apenas uma publicação: Ensaios sobre os perigos das sepulturas dentro das cidades e nos seus contornos, Rio de Janeiro, 1812.

 

 

 

 

Recife, 28 de julho de 2008.

Atualizado em 14 de setembro de 2009.

Atualizado em 20 de novembro de 2017. 

 

 

 

 

 

FONTES CONSULTADAS:

 

 

 

 

 

CATARINA Brochot. Disponível em: <http://www.geneall.net/F/per_page.php?id=172627>. Acesso em: 24 jul. 2008.


CORREIA Picanço. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/Correia_Pican%C3%A7o>. Acesso em: 22 jul. 2008.

 

CORREIA Picanço [Foto neste texto]. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Jos%C3%A9_Correia_Pican%C3%A7o.jpg>. Acesso em: 1º nov. 2012.


ESCOLA de Cirurgia da Bahia. Disponível em: <http://www.dichistoriasaude.coc.fiocruz.br/iah/P/verbetes/escirba.htm>. Acesso em: 22 jul. 2008.


GUIMARÃES, Mário V. Primeiras cesarianas no Brasil e em Pernambuco. Disponível em: <http://www.sbhm.org.br/index.asp?p=noticias&codigo=134>. Acesso em: 22 jul. 2008.


______. Ensino médico no Brasil: 200 anos. Disponível em: <http://www.sbhm.org.br/index.asp?p=noticias&codigo=133>. Acesso em 22 jul. 2008.


MELLO, Antonio Joaquim de. Biographias de Joaquim Ignacio de Lima, Luiz Alves Pinto e José Correia Picanço. Recife: Typ. de Manoel Figueiroa de Faria & Filhos, 1895.


REGIS, Edmir. História da medicina pernambucana. Disponível em:<http://revista.cremepe.org.br/09/historia_da_medicina_pernambucana.php>. Acesso em: 22 jul. 2008. Imagem de José Correia Picanço.

 

ROCHA, Leduar de Assis. O goianense José Correia Picanço, fundador do Ensino Médico no Brasil. Revista do Museu do Açúcar, Recife, ano 3, v. 1, n. 4, p. 53-39, 1970.

 

 

 

 

 

 

COMO CITAR ESTE TEXTO:

 

 

 

 

 

Fonte: BARBOSA, Virgínia. Correia Picanço. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/>. Acesso em: dia  mês ano. Ex: 6 ago. 2009

 

 

Busca "Palavra-chave"

Busca "A a Z"


Copyright © 2018 Fundação Joaquim Nabuco. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido pela Fundação Joaquim Nabuco