Home
Marujada de Bragança
Júlia Morim
Consultora Fundaj/Unesco
Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.

Vou fazer uma canção em louvor ao santo preto
Canta, povo bragantino: bendito, oh! bendito.
Quando chegar dezembro
Qual é o santo que está no andor?
É são Benedito com Nosso Senhor.
Marujada de São Benedito
em louvor ao protetor
vem vestindo azul ou vermelho carmim na festa
no barracão dança xote, mazurca e chorado
nos duzentos anos de louvação
mas fico mesmo encantado
quando dança retumbão
(Marujada de São Benedito, do grupo Arraial do Pavulagem)

A fundação da Irmandade do Glorioso São Benedito de Bragança marca o início da Marujada de Bragança. Em 1798, escravos tiveram a autorização de seus senhores para criar a organização e louvar ao Santo Preto: São Benedito. Em agradecimento, saíram de porta em porta comemorando. Desde então, há mais de duzentos anos, a Marujada acontece no âmbito da Festividade do Glorioso São Benedito, que ocorre de 18 a 26 de dezembro, e envolve os moradores de Bragança, município localizado no nordeste paraense, não apenas durante a festa, mas também nos preparativos que ocorrem ao longo do ano. 

Em maio tem início o período de esmolação, quando uma comitiva sai pela região com a imagem peregrina arrecadando doações para a festa. Em 8 de dezembro, ocorre uma procissão fluvial da localidade de Camutá até o porto de Bragança. Nos dias pares da semana que antecedem à festividade, há ensaios da Marujada no salão da Igreja de São Benedito. No dia 18 de dezembro, começa oficialmente a festividade com a Alvorada, às 5 da manhã, quando se ergue o mastro e marujas e marujos caminham descalços até a Igreja de São Benedito. As apresentações da Marujada seguem até o encerramento da festa, em 26 de dezembro.  

Organizada pela Irmandade, a Marujada é quase unicamente constituída por mulheres que assumem o papel de direção. O cargo mais alto da hierarquia da Marujada, que é vitalício, é o de capitoa, geralmente ocupado pela mais velha do grupo, que desfila carregando um bastão dourado simbolizando sua autoridade. A subcapitoa, escolhida pela capitoa e sua substituta, está em um nível seguinte. Os homens, marujos dirigidos por um capitão, participam como tocadores ou acompanhantes.

Trajando blusa branca, faixa de fita vermelha e uma rosa de tecido, saia rodada comprida vermelha, azul ou branca e um chapéu vistoso enfeitado com fitas (quanto mais antiga, mais fitas) e plumas, as marujas visitam as casas, como na festa primeva, dançando ou andando em duas filas pelas ruas da cidade. À frente das filas, a capitoa e a subcapitoa. Acompanham-nas os marujos, vestidos com calça e camisa brancas, tocando tambor, pandeiro, cavaquinho, cuíca, viola e rabeca. No dia 25 de dezembro, a saia das marujas e a blusa dos marujos são azuis. Já no dia 26, a saia das marujas e a fita amarrada no braço dos marujos são vermelhas. O ritmo predominante da Marujada é o retumbão, mas durante a celebração também há a execução de xote, chorado, mazurca, cada um associado a uma dança específica.

São ainda momentos integrantes da festividade em louvor ao São Benedito a cavalhada, no dia 25, o leilão e a procissão, no dia 26.  Na cavalhada, cavaleiros disputam argolas azuis e vermelhas, vencendo aquele que obtiver o maior número de argolas. O leilão é o momento que os participantes arrematam donativos arrecadados pela Igreja para a realização da festa.  A procissão é um grande momento de devoção, quando o Santo Preto percorre a cidade, terminando com uma missa. A derrubada do mastro marca o fim da celebração religiosa. 

Estima-se que mais de oitenta mil pessoas se dirigem a Bragança para acompanhar a celebração, considerada Patrimônio Cultural do Pará por meio da Lei Estadual n. 7.330, de 17 de novembro de 2009.

Recife, 27 de maio de 2014.

FONTES CONSULTADAS:

CARVALHO, Gisele Maria de Oliveira. A “festa do santo preto”: tradição e percepção da Marujada Bragantina. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Sustentável) – Universidade de Brasília, Brasília, 2010. Disponível em: 
GiseleMariadeOliveiraCarvalho.pdf>. Acesso em: 27 maio 2014.  

SEBRAE. Marujada: Bragança-PA. Disponível em: <http://www.pa.sebrae.com.br/sessoes/servicos/cultura/marujada.asp>. Acesso em: 27 maio 2014.

PARÁ. Secretaria de Estado de Comunicação. Marujada. Disponível em: 
<http://marujada.pa.gov.br/>. Acesso em: 27 maio 2014.

PONTO de Cultura Marujada de Bragança. História: Marujada. Disponível em: <http://www.marujada.com.br/index.php?pagina=conteudo&cat=1&id=2>. Acesso em: 27 maio 2014.

COMO CITAR ESTE TEXTO:
Fonte: MORIM, Júlia. Marujada de Bragança. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: 
<http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/>. Acesso em: dia mês ano. Ex: 6 ago. 2009.
 

Busca "Palavra-chave"

Busca "A a Z"


Copyright © 2019 Fundação Joaquim Nabuco. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido pela Fundação Joaquim Nabuco