Home
Teca Calazans (cantora e compositora)

Cláudia Verardi
Bibliotecária da Fundação Joaquim Nabuco
Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.

 

 

A cantora e compositora Teresinha João Calazans, embora filha de recifenses, nasceu em Vitória do Espírito Santo em 20/10/1940.Depois de alguns anos morou também em Belo Horizonte e depois em Salvador.

Passou uma parte da juventude em Recife onde aprendeu a tocar violão e começou a se interessar pela música local (cirandas, cocos, xangôs e Banda de Pífaros de Caruaru).

Na verdade Teca desde cedo começou a se interessar por música,  pois, segundo declarou a própria compositora, na família de sua mãe todos tocavam um instrumento e aos onze anos ela  ganhou um violão de presente dos pais e a mãe ensinou os primeiros acordes.

Cresceu escutando Caymmi, Noel Rosa cantado por Aracy e Marília Batista e o Trio de Ouro.Também ouvia na  Rádio Nacional: Ângela Maria, Orlando Silva, Luiz Gonzaga, Marlene e Emilinha.

Foi na escola que cantei em público pela primeira vez. Eu tinha sete anos, era a festa dos dias das mães. A professora perguntou quem sabia cantar uma música para homenagear as mães, eu levantei a mão e fui cantar "Marina" do Caymmi. A professora me disse: "Você tem uma voz bonitinha, mas esta música não é uma música para o dia das mães"… Depois disso eu nunca mais parei de cantar. (TECA, 2006, p. 1).

Teca começou a estudar arte dramática e iniciou sua carreira como atriz no Movimento de Cultura Popular. Em 1964, fundou o “Grupo Construção” (que apresentava música e teatro) com Geraldo Azevedo, Naná Vasconcelos e outros atores e músicos.

Em 1967, gravou seu primeiro disco, um compacto de 45 rotações pela gravadora Rozenblit (selo Mocambo) com uma seleção de "Cirandas" (pesquisa e adaptação de Teca Calazans que tornou popular a cirandeira Lia de Itamaracá), e "Aquela rosa" (Geraldo Azevedo e Carlos Fernando).

No ano seguinte, em 1968, foi para o Rio de Janeiro e lá trabalhou como atriz no Teatro Opinião e em programas da TV Globo.

Na década de 70, viajou para a França, onde conheceu Ricardo Villas, e formou a dupla Teca & Ricardo. A parceria rendeu bons frutos, a dupla gravou cinco LPs:


1- Musiques et chantes du Brésil (1974)

2- Caminho das águas (1975)

3- Cadê o povo? (1976)

4- Teca e Ricardo - desafio de viola (1978)

5- Jardin exotique (1979).
 

Em 1979, de volta ao Brasil, a dupla gravou dois LPs pela EMI: "Povo daqui" (1980) e "Eu não sou dois" (1981).

Um show de quatro semanas no Olympia fez a dupla se tornar conhecida e obter sucesso tanto na França como no Brasil que teve como resultado dois Lps gravados pela EMI/ODEOM.

Teca retomou a “carreira solo” após a dissolução da dupla e teve algumas de suas músicas gravadas por Gal Costa, Nara Leão, Milton Nascimento, e outros.

Em 1982 gravou o LP "Teca Calazans" e no ano seguinte, segundo TECA (2017) participou do projeto idealizado pela Funarte, em memória dos 80 anos de Mário de Andrade, que resultou no LP "Mário 300, 350", interpretando repertório folclórico.

O LP "Mina do mar" foi lançado em 1984.

Teca participou, em 1988, do projeto "100 anos de Heitor Villa-Lobos", que lançou nos mercados norte-americano e europeu o disco: "Villa-Lobos - Serestas e Canções - Intérprete: Teca Calazans".

O disco independente"Intuição" que teve direção musical de Maurício Carrilho, foi lançado em 1988 no Brasil e na Europa em 1993.

Durante o tempo que permaneceu no Brasil, Teca gravou ao todo cinco discos e apresentou durante dois anos, um programa chamado "Forró" na TV Educativa.

Em 1989 voltou a morar definitivamente na França.

De acordo com TECA (201?, p. 1) Teca Calazans desejava paralelamente à sua carreira artística, mostrar ao público europeu, tão acostumado a associar o samba ao Brasil, outra face da música brasileira: o da cultura popular nordestina.

Para o selo Buda Musique produziu discos sobre a música do Nordeste: "Musique du Nordeste" (Menção Choc du Monde de la Musique), "Cantadores Repentistas" - com os poetas Oliveira de Panelas e Daudeth Bandeira, "Cavalo Marinho - fête de rue du Nordeste" e, "Aboio & Embolada do Nordeste".

Realizou também algumas antologias para a gravadora Frémeaux & Associés:“Brésil, le chant du Nordeste, 1928-1950" , "La guitare brésilienne contemporaine Label Kuarup 1977-2004", “De Bahia aux sertões, Brésil - les chants de la mer et de la terre 1939-1955".

A artista lançou vários CDs interpretando tanto obras de sua autoria como de compositores clássicos:


• 1990: lançou os CDs "Pizindim - 100 Anos de Pixinguinha" em que a artista interpreta a obra de Pixinguinha e "O Samba dos Bambas" com O Trio  (interpretando obras de compositores clássicos do samba);

• 1996: lançou  "Firoliu" (predominantemente com obras de sua autoria);

• 1998: lançou o CD "Intuição";

• 1999: lançou o CD "De Cara Nova";

• 2000: lançou o CD "Alma de Tupi;

• 2002: lançou o disco "Cantoria Brasileira" ao lado de Elomar, Xangai, Pena Branca e Renato Teixeira;

• 2003: Lançou o disco Teca Calazans & Heraldo do Monte - voz e viola, produzido pela Kuarup (indicado em 2005  para o premio "TIM da Musica Brasileira" na categoria "Melhor disco de MPB");

• 2007: lançou o CD "Impressões Sobre Maurício Carrilho & Meira".


Com voz expressiva e repertório de bom gosto Teca conquistou um importante espaço na música tanto no Brasil como na Europa participando de shows importantes como: Festival da "Música Tradicional Brasileira" em Genebra, Suíça (2000); Festival do "Avante" em  Lisboa, Portugal (2000); Tournée no Japão (2000); "Show Alma de Tupi" no Teatro Santa Isabel, Recife, Brasil (2003); "Salão de Música", La Comédie de Reims, França (2005) e Show no Teatro Teodoro de Macéió e no Teatro de Santa Isabel em Recife (2007), entre outros. 

Em algumas de suas canções Teca demonstra sua enorme sensibilidade e a saudade do Brasil. Em “Côco Verde” e em “Minha saudade” a saudade vem misturada com a lembrança do sol, do mar e da beleza da natureza.

 

Côco Verde


Coco verde, melancia, Catolé da Barra Grande
Eu vou me embora da Ilha com uma saudade tão grande
Meu amor não fique triste
Pegue as coisas e vamos embora
A mesma barca que leva é a mesma barca que volta
Senhor dono da casa
Dê licença para dançar um baião neste salão
Peço a todos presentes paciência
E à platéia muita compreensão
A saudade, ela queima como o sol
A saudade ela é grande como o mar
A saudade, ela é forte como o vento
Ela abre um caminho pra voltar
Se eu falei foi somente por falar
mas é fácil dançar este baião
Quem souber, tira um verso para ajudar
e puder nem entrar na confusão
A saudade, ela queima como o sol
A saudade,, ela é grande como o mar
A saudade, ela é forte como o vento
Ela abre um caminho pra voltar.

 

Minha Saudade


Sinto uma saudade de você,
E do rancho de sapê.
Minha viola não mais geme,
Que maldade!
Choro tristemente esta saudade.
Meu Deus, quero a minha liberdade,
Estou farta da cidade,
Quero a lua e o meu sapê.
Quero conviver com a natureza,
Quero frente tal beleza,
Ser menor que não sei que...
Quero rever minha jangada,
Meu cavalo pela estrada,
Meu sonoro violão.
E o caboclo que eu amo,
E não esqueço,
Então darei descanso ao coração.

 

Para finalizar, registramos que Teca Calazans é uma artista de grande importância na história da música brasileira, cujo trabalho já obteve diversas críticas elogiosas e continua influenciando muitos artistas no cenário musical.

 


CURIOSIDADES:

 

1. Na França, Teca Calazans lançou Um CD de cantigas de roda e parlendas para crianças intitulado: "Écoute le Brésil, chants et comptines pour enfants";

 

2. Discografia da artista:


• Impressões sobre Mauricio Carrilho & Meira, CPC-UMES, 2007, Brasil.

•  Écoute le Brésil, chants et comptines pour enfant, (Cantigas de roda para crianças) Frémeaux & Associés, 2003, França.

•  Teca Calazans & Heraldo Do Monte, Kuarup Discos, 2003, Brasil e Buda Musique, 2005, França.
Indicado para o premio "TIM da Música Brasileira" em 2003, na categoria "Melhor disco de MPB".

• Cantoria Brasileira, Kuarup Discos, 2002, Brasil.CD live do show  "Cantoria Brasileira" que foi indicado para o "Grammy Latino" em 2003.

•  Alma de Tupi, Buda Musique, 1999, França.

•  Forró de Cara Nova, Ingazeira Discos, 1998, Brasil.

•  Firoliu, Buda Musique, 1996, França.
Baden Powell, em pessoa acompanhou a cantora em "Santa Voz", uma de suas composições com o letrista Paulo César Pinheiro.

•  Best of Teca & Ricardo, Declic, 1996, França.
Coletânea dos dois primeiros discos de Teca e Ricardo na França.
• 
•  O Samba dos Bambas, Buda Musique, 1994, França, Kuarup Discos, Brasil..

•  Intuiçao, Iris Musique, 1993, França.

•  Pizindim, Buda Musique, 1991, França. Atração Produções Artísticas, Brasil
(homenagem a Pixinguinha, grande gênio do choro).

•  Teca Calazans chante Villa-Lobos, Kuarup Discos, 1990, Brasil.
Pela primeira vez as melodias de Villa-Lobos surgem na voz de uma cantora popular.

• Mina Do Mar, Eldorado, 1985, Brasil

•  Jardin Exotique
Teca & Ricardo com Barney Willen.
Gravado en 1978, lançamento Musidisque em 1983, França.

•  Mário Trezentos, 350, Continental 1983.
Atração Produção Fonográfica, Acervo Funarte, Brasil.

• Teca Calazans, EMI Odeon, 1982, Brasil.
Primeiro disco de Teca depois da Dupla.

• Eu Nao Sou Dois, EMI Odeon, 1981, Brasil.
Teca & Ricardo

•  Povo Daqui, EMI Odeon, 1980, Brasil.
Teca & Ricardo

•  Desafio de viola, Sonopresse, 1978, França.
Teca & Ricardo

•  Cade O Povo, RCA, 1975, França.
Teca & Ricardo

• Caminho Das Águas, Moshe Naim, 1975, França.
Teca & Ricardo - Reeditado em CD (1995).

•  Musiques et chants du Brésil, Moshe Naim, 1974, França.
Teca & Ricardo - reeditado em CD (1995).

• Têca, Sêlo Mocambo, Discos Rozemblit, 1967, Brasil.
Primeiro disco de Teca, com uma seleção de cirandas recolhidas e adaptadas por Teca.

 


Recife, 6 de setembro de 2017.

 

 

FONTES CONSULTADAS:

 

 

TECA Calazans (Teresinha João Calazans). 201? Disponível em: <http://www.cantorasdobrasil.com.br/cantoras/teca_calazans.htm>. Acesso em: 6 set. 2017.

TECA Calazans [Foto neste texto]. Disponível em: <http://elizabethdiariodamusica.blogspot.com.br/2011/11/teca-calazans.html>. Acesso em: 6 set. 2017.

TECA Calazans: biographie. 2006. Disponível em: <http://www.tecacalazans.com/bresil/html/biographie.htm>. Acesso em: 6 set. 2017.

TECA Calazans: músicas. Disponível em: <https://www.letras.mus.br/teca-calazans/475803/>. Acesso em: 6 set. 2017.

 

 

 

COMO CITAR ESTE TEXTO:

 

 

Fonte: VERARDI, Cláudia Albuquerque. Teca Calazans (Cantora e compositora brasileira). Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em:<http://basilio.fundaj.gov.br//>. Acesso em:dia mês ano. Ex: 6 ago. 2009.

 

Busca "Palavra-chave"

Busca "A a Z"


Copyright © 2019 Fundação Joaquim Nabuco. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido pela Fundação Joaquim Nabuco