Home
Uirapuru

Semira Adler Vainsencher

Pesquisadora da Fundação Joaquim Nabuco

Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.

 

         

O Uirapuru é um pássaro irrequieto e pequeno: mede somente uns 12,5cm de comprimento. O seu nome científico é Cyphorhinus aradus e ele pertence à família das Troglodytidae. Alimenta-se basicamente de frutas e insetos e o seu habitat natural são as matas e florestas da Amazônia. O visual do Uirapuru não é atraente: ele possui uma plumagem pardo-avermelhada, ou verde-oliva com a cauda avermelhada, um bico forte e pés grandes. Os índios chamam-no Irapuru ou Guirapuru, que significa pássaro ornado, pássaro emprestado, ou pássaro que não é pássaro, e cuja missão é a de presidir o destino dos outros pássaros. O seu canto é extremamente belo e quando ele emite sons musicais, todas as outras aves, como que enfeitiçadas, se calam para ouvi-lo.

 

Câmara Cascudo ressaltou que o primeiro estrangeiro a ouvir o canto do Uirapuru e a registrar sua melodia foi o botânico Richard Spruce, em uma excursão ao rio Trombetas, na metade do século XIX. Segundo esse pesquisador, o Uirapuru cantava para todo o mundo como uma caixa de música:

eram inconfundíveis os claros sons metálicos, exatamente modulados como por um instrumento musical. As frases eram curtas, mas cada uma incluía todas as notas do diapasão, e depois de repetir a mesma frase umas vinte vezes, passava subitamente para outra, de quando em vez com a mudança de clave de uma quinta-maior, e prosseguia por igual espaço. Normalmente fazia uma breve pausa, antes de mudar de tema. Eu já o escutava, há bastante tempo, quando me ocorreu a idéia de fazer a transcrição musical... Simples como é, esta música era vinda de um músico invisível no fundo da mata selvagem, de uma magia que me encantou quase uma hora. Então, bruscamente, parou, para recomeçar tão longe que mal pude percebê-la a extinguir-se (p. 888). 

No Norte do Brasil, existem várias lendas sobre o Uirapuru. Uma delas salienta que um jovem guerreiro se apaixonou pela esposa de um cacique. E, como não podia se aproximar dela, solicitou ao deus Tupã que o transformasse em pássaro. Tupã prontamente atendeu ao seu pedido. Notando, porém, que havia um determinado pássaro cantando todas as noites para a sua amada, o cacique passou a persegui-lo, com a intenção de prendê-lo. O pássaro, no entanto, voou para dentro da floresta, e o cacique não conseguiu acompanhá-lo. Todas as noites, então, o Uirapuru retorna e canta para a esposa do cacique, desejando que ela o descubra através do seu belo canto.

 

Uma outra lenda corrente ressalta que, em uma tribo, havia duas índias apaixonadas pelo mesmo cacique. Sabendo disto, ele prometeu casar com a que tivesse a melhor pontaria na flecha. E assim ocorreu. Acontece que a índia perdedora - Oribici - chorou tanto que suas lágrimas chegaram a formar uma fonte e um córrego. Por outro lado, ela percebeu que o cacique amava muito a sua esposa. Daí, ela decidiu se resignar com a falta de sorte e não disputar mais aquele amor. O grande deus Tupã, entretanto, compadecido com o pesar deOribici, transformou-a em um pássaro, para que, do alto, ela pudesse sempre ver o seu amado. Além disso, deu-lhe também um canto belíssimo, capaz de enfeitiçar todos os outros pássaros da floresta, compensando-a assim pelo amor que ela não pôde ter.

Uma terceira lenda destaca que a flecha de uma donzela apaixonada atingiu um pássaro de plumas vermelhas e de canto perfeito, transformando-o em um guerreiro forte e belo. Havia, porém, um feiticeiro - aleijado e muito feio - que amava aquela donzela e sentia ciúmes do guerreiro. Sendo assim, ele tocou uma determinada música, com sua flauta encantada, e fez com que o guerreiro desaparecesse para sempre. A partir desse dia, só restou o lindo canto do guerreiro nas matas e florestas da Amazônia. Segundo a lenda, trata-se do próprio Uirapuru.

 

Em relação a esse pássaro, portanto, o real e o lendário parecem se confundir. Os pesquisadores afirmam que ele nunca repete as mesmas frases musicais e, por essa razão, é considerado pelos nativos como um ente sobrenatural. Depois de morto, não somente o seu corpo, mas algumas partes dele, ou do seu ninho, são considerados talismãs, sendo muito procurados no mercado. Para os índios tupis, em verdade, o Uirapuru representa um deus que adquiriu a forma de pássaro. E, no estabelecimento comercial que tiver seu amuleto, muitas pessoas serão atraídas. Acreditam, também, que ele proporciona felicidade: o homem que carregar uma simples pena dele tornar-se-á irresistível para as mulheres e terá muita sorte nos negócios. Por sua vez, a mulher que conseguir um pedaço do seu ninho conseguirá viver com o homem amado, e este se manterá fiel e apaixonado para todo o sempre. Além disso, quem puder ouvir o canto desse pássaro deverá, imediatamente, fazer um pedido porque ele será realizado.

Cascudo registrou que “não há no Pará, no Maranhão e Amazonas muitos taverneiros que não tenham na soleira da porta enterrado um Guirapuru, a quem atribuem a virtude de conduzir fregueses à sua taverna. Um Guirapuru, por este motivo, custa caro...  Muitos comerciantes compram tais amuletos apenas para deixá-lo em uma gaveta do estabelecimento, ou mesmo enterrá-lo na soleira da porta, acreditando que o mesmo atrairá fregueses. Vale informar, porém, que é dificílimo se adquirir uma pena do Uirapuru, porque os outros pássaros sempre o avisam da presença de predadores e ele voa para bem longe. Só se adquire as penas velhas, quando estas se soltam naturalmente do seu corpo e caem ao chão.

Ainda de acordo com o folclorista, a posição em que cai o uirapuru, ao ser abatido, indica o sexo que o deve utilizar como amuleto: caindo ressupino[de costas], será para a mulher; e, ficando de bruços, deverá pertencer a um homem. Isto, depois de ser preparado convenientemente por um pajé. Para os indígenas, o amuleto trará felicidade e fortuna a quem o possuir.

O Uirapuru também inspirou a elaboração de algumas músicas populares. Uma delas foi composta por Jacobina e Murilo Latini, e interpretada por Pena Branca e Xavantinho. A letra é a seguinte:

 



UIRAPURU

 

Uirapuru, Uirapuru,

Seresteiro cantador do meu sertão;

Uirapuru, Uirapuru,

Ele canta as mágoas do meu coração.

A mata inteira fica muda ao teu cantar,

Tudo se cala para ouvir tua canção,

Que vai ao céu numa sentida melodia,

E vai a Deus em forma triste de oração.

Uirapuru, Uirapuru,

Seresteiro cantador do meu sertão;

Uirapuru, Uirapuru,

Ele canta as mágoas do meu coração.

Se Deus ouvisse o que te sai do coração,

Entenderia que é de dor tua canção,

Que nos seus olhos anda o pranto em moradia,

Que daria para salvar o meu sertão.

Uirapuru, Uirapuru,

Seresteiro cantador do meu sertão;

Uirapuru, Uirapuru,

Ele canta as mágoas do meu coração.

 

 

A melodia dessa canção pode ser apreciada nos sites:

 

http://br.geocities.com/geprudauirapuru/cancao.htm e http://www.boemio.com.br/uirapuru.htm.

 

Uma outra canção foi composta por Waldemar Henrique em 1934. Eis a sua letra:

 

 

UIRAPURU

Certa vez de montaria,

Eu descia o Paraná,

E o caboclo que remava,

Não parava de falar,

Oh, oh, não parava de falar,

Oh, oh, que caboclo falador!

 

Me contou do lobisomem,

Da Mãe-D’água e do Tajá,

Disse do Jurutahy,

Que se ri pro luar,

Oh, oh, que se ri pro luar,

Oh, oh, que caboclo falador!

 

Que mangava de visagem,

Que matou surucucu,

E jurou com pabulagem,

Que pegou o Uirapuru,

Oh, oh, que pegou o Uirapuru,

Oh, oh, que caboclo tentador!

 

Caboclinho, meu amor,

Arranja um pra mim,

Ando roxo pra pegar unzinho assim...

O diabo foi-se embora,

E não quis me dar,

Vou juntar meu dinheirinho,

Pra poder comprar...

 

Mas no dia em que eu comprar,

O caboclo vai sofrer,

Eu vou desassossegar,

O seu bem-querer,

Oh, oh, o seu bem-querer,

Oh, oh, ora deixe ele pra lá!

 

 

As lendas relativas ao Uirapuru inspiraram, inclusive, vários artistas. Em 1917, o maestro Heitor Villa-Lobos compôs um poema sinfônico baseado em material folclórico coletado em viagens pela Região Norte. Nesse material, havia a narrativa de uma lenda bem simples: uma jovem, ao ouvir o canto do Uirapuru (considerado como o rei do amor), atirou uma flecha em seu coração. E, com o transpassar da flecha, o pássaro se transformou em um belo jovem. Cabe registrar que, em 1935, o maestro Villa-Lobos fez algumas correções na partitura da música, para a sua estréia em Buenos Aires.

 

Por sua vez, no Pará, foi montado um espetáculo teatral onde foram utilizados materiais regionais e bonecos gigantes, inspirados nos bonecosLicocós, dos índios Carajás. No ano 2000, esse espetáculo foi premiado pelo edital de teatro da Prefeitura de Belém. 

 

São bastante raras, contudo, as pessoas que conseguem ouvir (ou ouviram) o Uirapuru cantar. Isto se deve a alguns aspectos importantes: 1. esse pássaro canta nos galhos mais altos das matas e florestas amazônicas; 2. o canto visa atrair a fêmea para o acasalamento; 3. ele dura, somente, de dez a quinze minutos; 4. ele ocorre, apenas, ao amanhecer e ao anoitecer; 5. ele canta, unicamente, durante a construção do seu ninho (cerca de quinze dias por ano). Além disso, há que se levar em conta a caça predatória, em busca de amuletos, que vem contribuindo, sobremaneira, para o extermínio da espécie.

 

Por fim, cabe salientar que o Uirapuru - um pássaro tão pequeno quanto um pardal - veio enriquecer o folclore brasileiro através de lendas, mitos, crenças em seus poderes sobrenaturais, melodias, canções, sinfonias compostas em seu nome, e amuletos comercializados. Não há canto mais belo que o dele. Quando o Uirapuru se pronuncia, todos os pássaros parecem ficar enfeitiçados e param de cantar. Tudo indica que eles jamais ousariam interromper o mais raro, melodioso e sagrado dos mestres canoros.

 

 

Recife, 22 de dezembro de 2006.

 

 

       

FONTES CONSULTADAS:

 

 

 

ARAÚJO, Alceu Maynard. Brasil folclore: histórias, costumes e lendas. São Paulo: Editora Três, 1982.

 

CANÇÃO do uirapuru. Disponível em: <http://www.boemio.com.br/uirapuru.htm>.   Acesso em: 21 ago. 2006.

 

CASCUDO, Luís da Câmara. Dicionário do folclore brasileiro. 4. ed. São Paulo: Melhoramentos; [Brasília]: INL, 1979.

 

______. Lendas brasileiras: 21 histórias criadas pela imaginação do nosso povo.  Rio de Janeiro: Edições de Ouro, s.d.

 

HORTA, Carlos Felipe de Melo Marques (Org.). O grande livro do folclore. Belo Horizonte: Editora Leitura, 2000.

 

MAGALHÃES, Basílio de. O folclore no Brasil. 3. ed. Rio de Janeiro: Edições O Cruzeiro, 1960.

 

NERY, F. J. de Santa-Anna. Folclore Brasileiro. Recife: Fundaj, Ed. Massangana, 1992.

 

O uirapuru – 2001. Disponível em:<goo.gl/4leP2L>  Acesso em: 13 ago. 2006.

 

O uirapuru. Disponível em: <goo.gl/fqJVdP>  Acesso: em 20 ago. 2006.

 

RIBEIRO, José. Brasil no folclore. Rio de Janeiro: Gráfica Editora Aurora, 1970.

 

UIRAPURU. Disponível em:<http://br.geocities.com/geprudauirapuru/cancao.htm>  Acesso em: 22 ago.   2006.

 

UIRAPURU – pássaro. Disponível em:<http://laurabmartins03.blogs.sapo.pt/arquivo/391147.html > Acesso em: 13 ago. 2006.

 

UIRAPURU. Disponível em:<goo.gl/TGwjzH>  Acesso em: 20 de junho de 2006.

 

UIRAPURU-Verdadeiro. Disponível em:<http://www.saudeanimal.com.br/uirapuru.htm>  Acesso em: 20 de junho de 2006.

 

VALENTE, Waldemar. Folclore brasileiro. Rio de Janeiro: FUNARTE, 1979.

 

 

 

 

COMO CITAR ESTE TEXTO:

 

 

 

Fonte: VAINSENCHER, Semira Adler. Uirapuru. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/index.php>. Acesso em: dia  mês ano. Ex: 6 ago. 2009.

 

 

 

 

Busca "Palavra-chave"

Busca "A a Z"


Copyright © 2019 Fundação Joaquim Nabuco. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido pela Fundação Joaquim Nabuco