Home
Dirceu Pessoa

Lúcia Gaspar

Bibliotecária da Fundação Joaquim Nabuco

Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.

 

 

 

Dirceu Murilo Pessoa nasceu no Recife, no dia 24 de agosto de 1937, filho de João Baudel Pessoa e Antônia de Andrade Pessoa.

          

Bacharel em Filosofia pelo Institut Catholique de Paris, em 1958, licenciado em Ciências Sociais pelo Institut de Sciences Sociales, também de Paris, em 1960, graduou-se em Economia pela Faculdade de Ciências Econômicas, da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), no Recife, em 1965.

 

Em 1968, diplomou-se em Programação Global do Desenvolvimento pela Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe/Instituto Latinoamericano e do Caribe de Planejamento Econômico e Social (CEPAL/ILPES).

 

No período de 1960 a 1970, foi funcionário da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) onde exerceu diversas funções de assessoria e direção, entre as quais podem ser destacadas a coordenação do Grupo de Aproveitamento de Terras Públicas (1962); as chefias da Divisão de Organização Agrária (1963/1964) e da Seção de Economia do Grupo do Vale do Jaguaribe (1966/1968).

 

De 1971 a 1976, foi professor da cadeira de Economia dos Recursos Naturais, no Programa de Mestrado em Economia da UFPE.

 

Casou-se com a professora de Literatura Brasileira e Francesa da UFPE, Maria Nilda de Miranda Pessoa, com quem teve quatro filhos, Fernando Antonio (falecido em um acidente de trânsito, em 1975),Carlos André, Luís Henrique e João Paulo.

 

Em 1981, obteve o título de doutor em Economia pela École des Hautes Études en Sciences Sociales, de Paris, com a tese Reflexions sur le devéloppement rural du Nord-Est du Brésil, sobre a pobreza rural e a questão fundiária no Nordeste brasileiro.

 

Fundou e dirigiu a Serviços Integrados de Assessoria e Consultoria (Sirac) no período de 1970-1982 e, em outubro de 1982, assumiu o Departamento de Economia do Instituto de Pesquisas Sociais, da Fundação Joaquim Nabuco, dirigindo-o até agosto de 1987, quando – convidado peloentão ministro da Reforma e Desenvolvimento Agrário, senador Marcos Freire – assumiu a Secretaria Geral do Ministério da Reforma Agrária e do Desenvolvimento Agrário, em Brasília, Distrito Federal.

 

Seus estudos e pesquisas foram sempre direta ou indiretamente ligados à questão da terra. Mesmo quando estudava a seca e o semiárido no Nordestebrasileiro, avaliava os impactos sociais e repercussões que a estiagem tinha sobre os trabalhadores sem terra e os minifundiários.

 

Publicou diversos trabalhos entre os quais podem ser destacados:

 

·         Reforma agrária e desenvolvimento rural [Recife: Sudene, 1964];

·         Colonização e reforma agrária: subsídios para uma política de colonização agrícola para o Nordeste, em colaboração com Jorge Coelho [Recife: Sudene, 1965];

·         Vale do Moxotó: análise sócioeconômica de uma bacia de açude público, em colaboração com Clóvis Cavalcanti [Recife: IJNPS, DNOCS, 1970];

·         Estatuto da terra: uma avaliação [Boletim de Agricultura, Recife, v.3, n.1, p. 217-238, jan./jun. 1979];

·         Da pobreza rural no Nordeste do Brasil [Revista de Economia Rural, Brasília, v.19, n.3, p.377-399, jul./set. 1981];

·         Estratificação social e vulnerabilidade: a seca. [Boletim sobre População Emprego e Renda no Nordeste, Recife, v. 2, n. 1, p. 125-138, jan./abr. 1983];

·         Pobreza da terra, pobreza de terra, pobreza dos sem terra. [Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza, v. 15, p. 699-716, out./dez. 1984];

·         Transposição de águas do São Francisco: alcance e limites de uma proposta [Cadernos de Estudos Sociais, Recife, v.1, n.1, n.37-52, jan./jun. 1985];

·         Sequias em El Nordeste Del Brasil: de La catástrofe natural a La fragilidad social [In: CAPUTO, M.G.; HARDOY, J.E.; HERZER, H. M.Desastres naturales y sociedad em América Latina. BuenosAyres: CLACSO/GEL, 1985];

·         Northeast Brazil agricultural marketing Project: sucess but confined impact, em colaboração com Stahis Panagides e Donald Larson [AID Project Impact Evoluation Repport, September 1985];

·         Reforma agrária em debate: conferências, comentários e debates sobre a proposta de reforma agrária da Nova República(Organizador) [Recife: Fundaj, Ed. Massangana, 1986];

·         Drought in Northeast Brazil: impact and government response.[In: Drought: crediction, defection, impact assessment and response, Boulder, Col; Westview Press, 1987];

·         Transposição do Rio São Francisco: a dimensão socioeconômica(Coordenador) [Recife: Fundaj, Ed. Massangana, 1989];

·         Espaço rural e pobreza no Nordeste do Brasil [Recife: Fundaj, Ed. Massangana, 1990];

·         Política fundiária no Nordeste: caminhos e descaminhos(Coordenador) [Recife: Fundaj, Ed. Massangana, 1990]. 

 

Além de renomado economista, sociólogo e filósofo, Dirceu também era poeta. Sempre preocupado com o que pudesse resultar em melhor qualidade de vida para a população carente, especificamente o homem do campo e os pequenos produtores rurais, era solidário com os excluídos, como pode ser visto numa das suas poesias: 

Do monte silencioso,

Das horas estudiosas,

Da inspiração coletiva,

Três segredos

Três momentos

Três votos:

O melhor que queres fazer

O que de melhor fazer,

Fazer melhor o que fazes

 

São chamados flagelados,

Tantas sagradas famílias,

Sem lugar na hospedaria:

Retirantes à procura

De uma terra prometida

Onde fossem assentados

Gostava da boa leitura tanto quanto gostava de escrever. Carnavalesco, começava a se preparar para a festa seis meses antes. Era apaixonado pelo Galo da Madrugada, Bloco da Saudade e pela Flor de Lira. Segundo um depoimento do sua irmã Valderez: 

– Ele não perdia tempo com nada. Toda a sua atividade tinha sempre um resultado positivo, era muito prático no emprego de seu tempo, porém com naturalidade. Era um dom muito seu. Daí, sua grande e variada produção literária, da poesia à pesquisa de campo, em publicações feitas em português, francês, inglês e espanhol, idiomas que ele dominava bem.

Em 1986, no dia 24 de agosto, reuniu familiares e amigos para comemorar os seus 50 anos, anunciando que aquele seria o maior aniversário da sua vida, por isso queria todos juntos.

 

No ano seguinte, no dia 8 de setembro, Dirceu Pessoa morreu num trágico acidente aéreo, quando o jatinho em que viajava com o então ministro Marcos Freire e assessores explodiu logo após a decolagem.

 

 

 

Recife, 30 de abril de 2009.

Atualizado em 3 de janeiro de 2011.
Atualizado em 14 de agosto de 2017.

 

 

 

 

FONTES CONSULTADAS:

 

 

 

 

COELHO, Jorge. Dirceu (Murilo) Pessoa (1937-1987): um amigo fraterno. Ciência & Trópico, Recife, v. 25, n. 1, p. 107-111, jan./jun. 1997.

 

FERNANDES, Nair Pessoa Ferraz. Informações por e-mail, em 31 de dezembro de 2010.

 

GUIMARÃES NETO, Leonardo. Dirceu Pessoa. O Economista, Recife, ano 2, n. 3, [s.p.], out. 1987.

 

HISTÓRIA e dedicação. O Economista, Recife, ano 2, n. 3, [s.p.], out. 1987.

 

SAMPAIO, Inaldo. 20 anos sem Marcos Freire. Jornal do Commmercio, Recife, 9 set. 2007.

 

 

 

 

 

COMO CITAR ESTE TEXTO:

 

 

 

 

Fonte: GASPAR, Lúcia. Dirceu Pessoa. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/index.php>. Acesso em: dia  mês ano. Ex: 6 ago. 2009.

 

 

 

Busca "Palavra-chave"

Busca "A a Z"


Copyright © 2019 Fundação Joaquim Nabuco. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido pela Fundação Joaquim Nabuco