Home
Siriri

Semira Adler Vainsencher

Pesquisadora da Fundação Joaquim Nabuco

Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.


A música popular nordestina deriva de processos técnicos muito simples e, em geral, não está vinculada a qualquer espécie de teorização. Seu nascimento, difusão e duração estão ligados, intrinsecamente, às atividades e interesses da população e, caso possua aceitação social, a música vai se propagando com o passar do tempo. Ela representa, em verdade, os sentimentos, os desejos, os medos, os preconceitos e a bagagem cultural das pessoas.


siririDe acordo com estudiosos do assunto, a música popular provém de criação anônima, mas é usada de forma coletiva. Em outras palavras, os autores não são conhecidos e, portanto, ninguém pode exigir o pagamento de direitos autorais ao cantá-las e/ou difundi-las. Ela é transmitida de geração em geração por meios práticos - normalmente, por via oral - e, é a memória, seu principal canal de difusão e conservação


siriri - uma música ligeira de autoria desconhecida - é também uma dança de roda infantil no Nordeste. O termo deriva do vocábulo Osiriri, que pertence ao dialeto tupi e significa foge, corre. A música é composta do refrão abaixo:

 

 Ô siriri, ô meu bem, ô cirirá,

roubaro (roubaram) o meu amor

e me deixaro (deixaram) sem amar,

eu agora arranjei outro

e quero vê (ver) você tomar


Após se cantar o refrão, canta-se uma trova, com a mesma melodia do refrão. Retorna-se depois ao refrão, a seguir canta-se uma trova diferente e continua-se, dessa maneira, até o cansaço vencer a brincadeira.

Cabe esclarecer que a trova - uma composição lírica – origina-se da quadra popular dos colonizadores lusos, e representa o único gênero literário exclusivo da língua portuguesa. Ela pode ser definida como um pequeno poema de quatro versos, com rima e sentido completo.

 

 

PARTITURA DO SIRIRI

 

 

 

As trovas mais populares do siriri são as seguintes

Minha mãe chama-se Caca,                                 Da tua casa pra minha

Minha avó Caca Maria,                                        corre um riacho no meio,

Em casa, tudo era caco,                                      tu de lá dá um suspiro,

sou filho da cacaria.                                           e eu de cá suspiro e meio.


A folha da bananeira                                          As estrelas no céu correm

de tão verde amarelou,                                      correm tudo em carreirinha,

a boquinha de meu bem                                     mesmo assim corre um beijinho

de tão doce açucarou.                                        da tua boca pra minha.


Minha mãe me chamou feia                                Açucena dentro d’água

me chamou mal-amanhada,                               a durar quarenta dias,

eu então chamei a ela                                        um amor longe do outro

velha da cara engelhada.                                    chora de noite e de dia.


Cajueiro pequenino                                            Lá detrás da minha casa

carregado de fulô (flor)                                       tem um pé de papaconha,

eu também sou pequenina                                 quem quiser tirar um galho,

carregadinha de amor.                                       é descarado e sem-vergonha.


Sete e sete são catorze                                      As flores também se mudam

com mais sete, vinte e um,                                 do jardim para o deserto,

tenho sete namorados                                        de longe também se ama

e não me caso com nenhum.                              quem não pode amar de perto.


Quem me dera dera dera,                                   Menina dos olhos verdes,

Quem me dera dera só,                                      sobrancelhas de veludo,

me deitar em tua cama,                                     o teu pai não tem dinheiro,

me cobrir com teu lençó (lençol).                         mas teus olhos valem tudo.


Menina se quer ir vamos,                                    Por debaixo d’água passa,

não te ponhas a maginar (imaginar),                   duas tesouras de ouro,

quem magina (imagina) cria medo                       uma pra cortar ciúme

quem tem medo não vai lá.                                 e outra pra cortar namoro. 


Caco caco caco caco,                                           Sete e sete são catorze,

caco de torrar café,                                             com mais sete, vinte e um,

tu inda (ainda) fala comigo,                                 teu pai é ladrão de bode

cara de porco baé.                                              tua mãe de jerimum.


Lá detrás da minha casa,                                    Um sabonete cruzado,

tem um  de mororó,                                        na mala quem tem sou eu,

quem quiser “mangar” de mim,                           aproveite, desgraçado,

vá “mangar” de sua avó.                                     um amor que já foi teu.


Se tiver raiva de mim,                                        Bananeira bota cacho,

E não puder se vingar,                                        e também bota um galhinho,

meta o dente na parede                                     um rapaz pra ser bonito

coma terra até inchar.                                        tem que usar um bigodinho.


Nunca vi carrapateira,                                         A laranja de madura,

botar cacho atravessado,                                    caiu n’água e foi ao fundo,

nunca vi quem é solteiro                                     triste de quem é solteiro

namorar quem é casado.                                    e casa c’um (com um) vagabundo.


Lá vem a lua saindo,                                          Lá detrás da minha casa,

por detrás do leque-leque,                                  passa boi passa boiada,

filho de branco é menino,                                    e também passa amarelo,

filho de preto é moleque.                                    Do bucho de panelada.


Cajueiro abaixa o galho,                                     Tô (estou) chorando, tô chorando,

deixa o meu gado passar,                                   tô chorando por você,

ele vem de lá de longe,                                       se você não acredita,

do sertão do Ceará.                                            vou chorar pra você ver.


Minha mãe me chamou feia,                               Lá vem o carro apitando,

de bonita que ela é,                                           cheio de cana crioula,

ela é o pé da rosa                                              esses rapazim (rapazinhos) de hoje,

e eu sou a rosa do pé.                                       vestem calça sem ceroula.


Meu amor não era esse,                                     Minha mãe me deu uma surra,

nem a esse quero bem,                                      com molambo de rudía (rodilha),

tô (estou) enganando esse besta                         eu achava tanta graça,

enquanto meu querido vem.                               Quando o molambo assubia (subia).


A alma de muita gente                                       Minha mãe tá (está) me chamando,

é como um rio profundo:                                    diga a ela que eu já vou,

tanta beleza por cima,                                        tô (estou) tirando a gravatinha,

mas quanto lodo no fundo.                                 de um moreno que chegou.


Eu queria ver agora,                                           A lua já vem saindo,

quem eu vi ontem ao mei-dia (meio dia),             redonda que nem vintém,

se eu não visse a pessoa,                                   não é lua, nem é nada,

o retrato me asservia (servia).                             são os óio (olhos) do meu bem.  


Meu amor tá (está) mal comigo,                          Esta vai por despedida,

eu não sei por qual razão,                                   por despedida esta vai,

se for falta de carinho,                                        minha mãe ficou sem dente

eu lhe dou meu coração.                                     De tanto morder meu pai.

 


siriri necessita da produção de trovas, a mais popular das formas poéticas, para poder existir. E, mesmo sem intenção, os trovadores, ao ria-las, expressam suas filosofias de vida, preconceitos, dúvidas, certezas, alegria e bom humor, ressaltando os valores que estão incrustados na cultura popular nordestina.

 

 

Recife, 3 de janeiro de 2007.

(Texto atualizado em 19 de outubro de 2007).

 

 


FONTES CONSULTADAS:

 


ALVARENGA, Oneyda. Danças, recreação, música. In: MAYNARD, Alceu Araújo. Folclore Nacional. São Paulo: Melhoramentos, 1967. v. 2.

CASCUDO, Luís da Câmara. Dicionário do folclore brasileiro. 9. ed. Rio de Janeiro: Edições de Ouro, 1954.

 

 


COMO CITAR ESTE TEXTO:

 


Fonte
: VAINSENCHER, Semira Adler. Siriri. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/index.php>. Acesso em: dia  mês ano. Ex: 6 ago. 2009.

 

Busca "Palavra-chave"

Busca "A a Z"


Copyright © 2019 Fundação Joaquim Nabuco. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido pela Fundação Joaquim Nabuco