Home
Símbolos da Páscoa

 

Maria do Carmo Andrade

Bibliotecária da Fundação Joaquim Nabuco

Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.

A páscoa é a principal festa do ano litúrgico cristão, comemorativa da ressurreição de Jesus Cristo, no terceiro dia após a crucificação. É também a época que os judeus comemoram a libertação do seu povo do jugo egípcio. A festividade da páscoa foi fixada pelo Concílio de Nicéia (325 d.c.) no primeiro domingo após a lua cheia que se seguir ou anteceder o dia 21 de março. Se a lua cheia cai em 20 de março, a seguinte será então a de 18 de abril (29 dias após). Se este dia for um domingo, a Páscoa, será então a 25 de abril. Assim, a festa da Páscoa oscila entre 22 de março e 25 de abril, e de sua data dependem as datas de todas as outras festas móveis: Paixão, Ramos, Ascensão, Pentecostes, Trindade e a festa de Deus (corpo de Deus ou do Santíssimo Sacramento).

Suas origens remontam aos primeiros tempos do cristianismo e é provavelmente, a mais antiga comemoração cristã que celebra a ressurreição de Jesus Cristo. O nome Páscoa vem do aramaico pasha, em hebraico pesah. O seu significado etimológico é incerto. Alguns procuram-no em raiz egípcia que significa “golpe” ou “ferida”. Há quem prefira ligar a palavra ao siríaco, que significaria “ser feliz”. Entretanto o significado geralmente aceito é o que adquiriu no hebraico bíblico: “saltar”, “passar adiante”. No livro de êxodo a palavra relaciona-se à noite em que Javé feriu os primogênitos do Egito e “poupou” ou “saltou” as casas dos israelitas cujas traves das portas estavam pintadas com o sangue do cordeiro pascal.

        COSTUMES DA LITURGIA PASCAL

Como a paixão e a morte de Jesus coincidiram com a Páscoa judaica, vários costumes e símbolos dessa festa foram incorporados às tradições cristãs. Alguns costumes da liturgia pascal, como o de acender o primeiro fogo do domingo, desapareceram com a perda de seu sentido simbólico na civilização ocidental. Outros costumes permaneceram apenas no Oriente. Nos paises ibéricos e em suas ex-colônias ainda persiste a “malhação do Judas”, hábito condenado pela Igreja, que consiste em linchar simbolicamente, no sábado de aleluia, o apóstolo que traiu Cristo.

A Igreja Católica nos preparativos para a vigília pascal obedece a um esquema no qual todos os temas e simbolismos são gradativamente apresentados. Em novembro, inicia-se a preparação com instruções sobre os sacramentos. A Quaresma é a preparação prática, por meio de penitência. No domingo de Ramos, celebra-se a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém, sob os aplausos da mesma multidão que o verá crucificado no final da semana.

O sacrifício de Cristo é lembrado na sexta-feira da paixão. Por ordem do papa Pio XII, desde 1951 a missa do sábado de aleluia é celebrada à meia-noite, na passagem para o domingo. Nas igrejas protestantes, as celebrações do sábado de Páscoa são o ponto culminante de uma série de serviços religiosos realizados durante a Semana Santa, que começa no domingo de Ramos.

OS SÍMBOLOS DA PÁSCOA

O Peixe – Os cristãos são reconhecidos pelo símbolo do peixe há muitos anos. A relação com a Páscoa está no fato de as aparições de Jesus, após a ressurreição, estarem sempre ligadas à presença de peixe.

Os Ramos - a Semana Santa já tem o seu inicio no domingo anterior, quando é relembrada a entrada de Jesus em Jerusalém. O povo o recebia agitando ramos de palmeira. Até hoje esse ritual é respeitado.

O Cordeiro - significa Cristo sacrificado em favor do seu rebanho.

A Cruz - que mistifica todo o significado da Páscoa, a ressurreição e também o sofrimento de Cristo. No Concílio de Nicéia (325 d.c), Constantim decretou a cruz como símbolo oficial do cristianismo, não somente um símbolo de Páscoa, mas o símbolo primordial da fé católica.

O Pão e o Vinho - simbolizam a vida eterna, o corpo e o sangue de Jesus, oferecidos aos seus discípulos na última ceia, para celebrar a vida eterna.

O Círio Pascal - a grande vela que se acende na aleluia. Quer dizer: “Cristo, a luz dos povos”. As letras gregas, alfa e Omega nela gravadas querem dizer: “Deus é o princípio e o fim de tudo”.

O Coelho da Páscoa - por ser animal com capacidade de gerar grandes ninhadas, a imagem do coelho simboliza a fertilidade e a capacidade da Igreja de produzir novos discípulos constantemente.

O Ovo de Páscoa - simboliza o nascimento, o começo de uma vida nova. O costume de presentear as pessoas na época da Páscoa com ovos ornamentados e coloridos começou na antiguidade. Os cristãos primitivos da Mesopotâmia foram os primeiros a usar ovos coloridos. Em alguns países europeus, os ovos são coloridos para representar a alegria da ressurreição. Na Grã-Bretanha, costumava-se escrever mensagens e datas nos ovos que eram dados às crianças com outros presentes. Na Armênia decoravam ovos ocos com retratos de Cristo e da Virgem Maria e de outras imagens religiosas.

Na França, no século XIII, estudantes da Universidade de Paris, saiam em procissão, para recolher presentes pascais, principalmente ovos, para depois distribuí-los aos amigos, colegas, parentes e vizinhos. O rei da França distribuía cestas de ovos dourados nessa ocasião. Nos séculos XVII e XVIII, os ovos de Páscoa serviam de motivos artísticos, alguns eram verdadeiras obras de arte. O costume é comum a todos os paises católicos. Vale salientar que os ovos não eram comestíveis, pelo menos como se conhece agora.

No Brasil, a moda começou depois de 1920, especialmente nas grandes cidades do Sul, onde os ovos de Páscoa vinham de Paris, trazidos como lembranças para os amigos. Popularizou-se lentamente e nas confeitarias surgiram os ovos de chocolate e massa doce. Hoje as fábricas de chocolates se mobilizam com meses de antecedência para conseguir atender a demanda.

Há ovos de toda procedência, desde os de pequenas fabricações caseiras até os de grandes fábricas nacionais e multinacionais. A variedade de ovos de páscoa também é muito grande, no que diz respeito aos sabores e tamanhos. O domingo de Páscoa é o dia de se oferecer os ovos.

Recife, 30 de março de 2007.

(Atualizado em 14 de setembro de 2009).

FONTES CONSULTADAS:

CÂMARA Cascudo, Luís da. Dicionário do folclore brasileiro. 4.ed. São Paulo: Edições Melhoramentos/INL/MEC, 1979.

GRANDE Enciclopédia Barsa. 3. ed. São Paulo: Barsa Planeta Internacional, 2005.

PEQUENO dicionário enciclopédico Koagan LarousseDireção de Antonio Houaiss. Rio de Janeiro: Ed. Larousse do Brasil, 1979.

OS SÍMBOLOS da Páscoa. Disponível em: <http://www.guiadasemana.com.br/noticias.asp?ID=23&cd_news=24724&cd_city=1>. Acesso em: 16 mar. 2007.

VERBO enciclopédia luso-brasileira de cultura. Lisboa: Editorial Verbo, 1963.

COMO CITAR ESTE TEXTO:

Fonte: ANDRADE, Maria do Carmo. Símbolos da PáscoaPesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <

http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/

>. Acesso em: dia  mês ano. Ex: 6 ago. 2009.

 

Busca "Palavra-chave"

Busca "A a Z"


Copyright © 2019 Fundação Joaquim Nabuco. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido pela Fundação Joaquim Nabuco