Home
Personalidades da memória do carnaval

Claudia M. de Assis Rocha Lima

Pesquisadora da Fundação Joaquim Nabuco 

Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.

 

 

PERSONALIDADES DA MEMÓRIA DO CARNAVAL: 

 

NELSON FERREIRA - Compositor e maestro, era natural de Bonito-PE., nasceu em 09.12.1902 e morreu em 21.12.1976, no Recife. Como profissional, começou a tocar em 1917, e em 1921, compôs a marcha Borboleta não é ave, que marcou o início de sua trajetória como compositor. Sua carreira de campeão dos carnavais iniciou-se com o frevo Não puxa, Maroca, com Samuel Campelo. Organizou várias orquestras entre as quais Orquestra de Frevo Nelson Ferreira e compôs muitos frevos, entre eles: Veneza AmericanaQuarta-feira IngrataSabe lá o que é isso?Evocação. Este último com tanto sucesso que gerou a série Evocação em sete LPs. Ao longo de sua vida recebeu diversas condecorações por sua contribuição à música brasileira.

 

ANTONIO MARIA ARAÚJO DE MORAES - Nasceu no Recife em 17.03.1921 e morreu em 15.10.1964. Foi cronista, poeta, letrista e iniciou sua vida artística na Rádio Clube de Pernambuco. Foi parceiro, dentre muitos, de Vinícius de Moraes e Luís Bonfá. Autor de vários sucessos da música popular: Ninguém me amaO amor e a rosaManhã de carnavalFrevos n° 1, 2 e 3 do Recife, etc.

 

JOÃO SANTIAGO DOS REIS - Nasceu no Recife em 1928 e morreu em 1985. Compositor e pesquisador do carnaval pernambucano, foi fundador da Secção de Pernambuco da Ordem dos Músicos do Brasil e da Comissão Pernambucana de Folclore. Compositor de mais de 50 marchas de blocos e frevos, participou de diversas agremiações carnavalescas entre as quais Batutas de São José, Inocentes do Rosarinho e Flor da Lira.

 

MÚCIO CATÃO - Maquiador, nasceu no Rio Grande do Norte em 19.03.1923 e morreu na mesma data do seu nascimento, em 1985. Detentor de mais de 30 prêmios nas passarelas dos bailes de carnaval dos clubes Internacional e Português, entre muitos. Fundador dos Concursos de Fantasias do Recife, foi considerado hors concurs dentre todos os seus concorrentes. Possuidor de extrema sensibilidade, tinha em suas criações carnavalescas a simplicidade de um grande artista, utilizando sempre materiais de baixo custo e uma grande dosagem de criatividade. Sua característica marcante foi a caracterização de personagens da história como: Gandhi e Santos Dumont.

 

VALDEMAR DE OLIVEIRA - Médico, advogado, professor, compositor, pianista, regente, musicólogo, nasceu em 02.05.1900, e morreu em 18.04.1977. Começou a compor em 1925 e compôs músicas de carnaval com o pseudônimo de José Capibaribe.

 

IRMÃOS VALENÇA - João Vitor do Rego Valença e Raul do Rego Valença, nascidos a 1890 e 1894, respectivamente. A família Valença cultivava a tradição de fazer representações de Presépio de Natal. Irmãos Valença, como ficaram conhecidos, publicaram cerca de trinta obras, além de outras inéditas. Em 1924, formaram com os primos e amigos, uma sociedade teatral, o Grêmio Familiar Madalenense. Em 1930, compuseram sua primeira música de carnaval, a marcha Mulata, na qual, dois anos depois, Lamartine Babo, introduziu algumas modificações, principalmente na letra, transformando-a em Teu cabelo não nega. Foram três vezes campeões do carnaval do Recife, com o maracatu Ô, já vou; as marchas Nós Dois e Foi Você. Outras composições: Um sonho que durou três diasPisa baianaCocorocó, tendo feito marchas e frevos para os clubes Lenhadores e Vassourinhas.

 

DONA SANTA - Maria Júlia do Nascimento, nasceu a 05.03.1877, no Pátio da Santa Cruz, na Boa Vista. Iniciou-se como Rainha do Maracatu da Nação Leão Coroado, onde casou-se com João Vitorino. Quando seu marido foi escolhido como Rei da Nação Elefante, ela abdicou de seu trono, para segui-lo. Foi coroada somente, em 27.02.1947. Filha e neta de africanos, Dona Santa tinha em seu sangue o ritmo do "baque-virado", da zabumba e do gonguê.

 

BADIA - Maria de Lourdes Silva, nasceu em 1915 e morreu em 1991. Neta de africanos, nasceu na Rua Augusta, no bairro de São José e mudou-se ainda criança para a casa do Pátio do Terço, de onde fez seu quartel general das folias carnavalescas, e da sua religiosidade. Em sua casa foi fundada a agremiação Clube Carnavalesco as Coroas de São José, em 1977, que sai na quinta-feira da semana pré-carnavalesca, continuando a tradição. Políticos, jornalistas, advogados, foliões e carnavalescos frequentavam sua casa. Foi homenageada por inúmeras agremiações: Vassourinhas - 1986; Lenhadores - 1990; Bloco Saberé - 1986, entre outros. A primeira dama do Carnaval do Pátio do Terço, recebeu grande homenagem como carnavalesca no Carnaval de 1985, quando a Prefeitura da Cidade do Recife lhe consagrou como tema: Carnaval Badia - 1985.

 


Veja também CAPIBA 

 

 

Recife, 22 de julho de 2003.

Atualizado em 21 de junho de 2017. 

Atualizado em 9 de setembro de 2019.



COMO CITAR ESTE TEXTO:

  

Fonte: LIMA, Claudia M. de Assis Rocha. Personalidades da memória do carnaval. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em:<http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/index.php>. Acesso em: dia mês ano. Ex.: 6 ago. 2009.

 

Busca "Palavra-chave"

Busca "A a Z"


Copyright © 2019 Fundação Joaquim Nabuco. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido pela Fundação Joaquim Nabuco