Home
Índios Kambiwá

Lúcia Gaspar

Bibliotecária da Fundação Joaquim Nabuco

Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.

 

 

Os Kambiwá, com uma população de cerca de 1.100 índios, vivem aldeados pela Fundação Nacional do Índio (Funai), numa área de 2.700 hectares, localizada nos municípios de Ibimirim, Inajá e Floresta, na região do Moxotó, em Pernambuco.

 

A reserva, criada em 1971, reuniu cerca de cem famílias que se encontravam vagando pela região, devido às perseguições dos grande proprietários de terra.

 

A comunidade Kambiwá tem na agricultura o seu principal meio de subsistência, apesar da má qualidade do solo, da carência de água e das condições climáticas, com constantes períodos de seca.

 

Eles plantam milho, feijão, mandioca e mamona. A produção é pequena sendo a sua maior parte destinada ao consumo. O pouco que sobra é comercializado na feira livre de Ibimirim.

 

A plantação de mandioca destina-se ao fabrico de farinha, alimento básico na dieta dos indígenas, produzida na casa de farinha da reserva.

 

Praticam também a caça como atividade complementar de subsistência e se dedicam à extração do mel de abelhas.

 

O artesanato, produzido em pequena escala, constitui-se de peças para os trajes rituais e de aiós (bolsas para caça), confeccionados com a palha do ouricuri e a fibra do caroá.

 

Suas manifestações culturais refletem a longa história de perseguições que sofreram.

 

Ainda que assumam os costumes e comportamento dos não-índios, conservam alguns traços da sua antiga cultura, como rituais, danças, o artesanato próprio e as figuras do cacique e do pajé.

 

toré, dançado durante as festas da comunidade, reúne homens, mulheres e crianças que, conduzidos pelos mais velhos e ao som de maracás de cabaças, entoam cânticos em português, misturados com algumas palavras da sua antiga língua de origem, que já não existe mais.

 

A religião católica tem um papel importante na vida dos Kambiwá. Missas, casamentos, batizados e celebração de festas como a de São José, fazem parte dos seus costumes.

 

 Recife, 19 de agosto de 2003.

(Atualizado em 28 de agosto de 2009).

 

FONTES CONSULTADAS:

 

AS COMUNIDADES indígenas de Pernambuco. Recife: Instituto de Desenvolvimento de Pernambuco-Condepe, 1981.

 

SÁ, Marilena Araújo de. "Yaathe" é a resistência dos Fulni-ô. Revista do Conselho Estadual de Cultura, Recife, Ed. especial, p.48-54, 2002.

 

 

COMO CITAR ESTE TEXTO:

 

Fonte: GASPAR, Lúcia. Índios Kambiwá. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/>. Acesso em: dia  mês ano. Ex: 6 ago. 2009.

 

Busca "Palavra-chave"

Busca "A a Z"


Copyright © 2019 Fundação Joaquim Nabuco. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido pela Fundação Joaquim Nabuco