Home
Manoel Bandeira (pintor)

Semira Adler Vainsencher

Pesquisadora da Fundação Joaquim Nabuco

Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.

 


O pintor Manoel Bandeira nasceu no engenho Limoeirinho, no município de Escada, Estado de Pernambuco, no dia 2 de maio de 1900. Ele assinava o seu nome como M. Bandeira ou Manoel com a letra o, no sentido de marcar a pequena diferença em relação ao nome do poeta, também pernambucano, Manuel Bandeira. Era um indivíduo humilde, prudente e simples, extremamente ligado às raízes recifenses. Sobre si mesmo, ele dizia:

"Não tive mestres. Aprendi a pintar assim como o aprendiz de barbeiro aprende a cortar cabelo: vendo o mestre trabalhar. A pintura - a aquarela, por exemplo - comecei a fazê-la olhando os quadros, bem como o bico-de-pena. Apesar de não seguir escolas, tenho grande admiração pelos pintores espanhóis, de Grieco até Ignácio Juruaja".

Manoel Bandeira começou a pintar em 1912, no Liceu de Artes e Ofícios. Em se tratando de técnica, ele costumava desenhar com bico-de-pena e tinta nanquim ou estilete - no caso dos trabalhos sobre papel gessado -, além de elaborar pinturas com aquarela, guache e óleo. O artista plástico elaborou também um rico acervo sobre a arquitetura do Brasil Colonial: reproduziu sobrados, telhados, portões das chácaras, grades, janelas, ruas, casas, sótãos, praças, lampiões a gás, mocambos, carruagens, cais, pessoas com seus trajes da época, vendedores ambulantes, enfim, uma paisagem cultural, todo um documentário sociológico e histórico de uma região e de seus habitantes, em distintos momentos de sua evolução.

 

Bandeira desenhou uma série de personalidades:Joaquim Nabuco , Maurício de Nassau, Vidal de Negreiros, Dom Pedro I, Dom Pedro II, Felipe Camarão, Dom João VI, Frei CanecaHenrique Dias, o Conde dos Arcos, Estácio Coimbra,Gervásio Pires FerreiraOliveira Lima, Barreto de Menezes, João Fernandes Vieira, entre tantas outras.

 

Documentou inúmeros municípios nordestinos, também, através dos seus trabalhos: Recife, Olinda, Goiana, Paulista, Cabo, Jaboatão, Abreu e Lima, Camaragibe, Moreno, São Lourenço da Mata, Palmares, Ribeirão, Goiana. Neste sentido, Manoel Bandeira desenhou em bico-de-pena o Palácio Episcopal de Olinda, as ruínas do Forte de Gaibu, o Forte de Pau Amarelo, o Convento do Carmo, em Goiana, a Matriz da Boa Vista, a Igreja de Santa Cruz, no Recife, as igrejas Nossa Senhora de Boa Hora, São Sebastião, a Basílica do Carmo, o Mosteiro de São Bento e o Seminário, em Olinda, as ruínas da Fortaleza de Tamandaré, os municípios de Serinhaém e Itamaracá no período da dominação holandesa e a Igreja de São Pedro dos Clérigos, no Recife.

 

O artista desenhou ainda uma série de ilustrações do folclore nordestino para o livro Lobishomem da porteira velha, do folclorista Jayme Griz; as cidades Ouro Preto, Congonhas, Vila Rica, Sabará e São João d'El Rei, no Estado de Minas Gerais; o Castelo de São Jorge, Alfama e Mouraria, o Elevador de Santa Justa e a Torre de Belém, em Lisboa; vinhetas em miniatura representando cabeças de anjos, igrejas, janelas, lampiões, cadeiras, bem como capitulares, iniciais, entre outros.

 

O poeta Manuel Bandeira, grande fã do Manoel Bandeira pintor, assim escreveu sobre ele no jornal Diario de Pernambuco: "Xará, o batuta é você". Pouco ambicioso do ponto de vista material, o artista era empregado da Pernambuco Tramways, hoje Celpe, e viveu apenas com o salário que recebia como desenhista profissional, e de algumas ilustrações que fazia para livros e jornais.

 

Quando uma vez lhe perguntaram por que não se mudava para o Sul do País, para poder triunfar na arte e ter uma vida melhor, o pintor respondeu de imediato: "porque não posso levar meu Recife e sem ele não posso viver".

 

Manoel Bandeira faleceu no dia 3 de março de 1964. Devido ao Golpe Militar ocorrido neste mesmo ano, a imprensa registrou muito pouco a sua morte. Os seus trabalhos foram publicados em 1967, pelo Arquivo Público Estadual de Pernambuco, três anos após o seu falecimento. Com o intuito de perpetuar o artista plástico, evitando que ele caísse no esquecimento, o Governo do Estado de Pernambuco, a pedido do antropólogo Waldemar Valente, destinou uma rua e um grupo escolar com o nome Manoel Bandeira.

 


Recife, 18 de julho de 2003.

(Texto atualizado em 8 de outubro de 2008).

 

 

 


FONTES CONSULTADAS:

 

 

 


PERNAMBUCO. Secretaria de Turismo, Cultura e Esportes. Desenhos de Manoel Bandeira; originais do Arquivo Público Jordão Emerenciano. Recife, 1983.

VALENTE, Waldemar. Bandeira, o pintor. Recife: FJN, Instituto de Pesquisas Sociais, 1984. (Trabalhos para Discussão, 17).

 

 

 

 

COMO CITAR ESTE TEXTO:

 

 

 


Fonte:
VAINSENCHER, Semira Adler. Manoel Bandeira (pintor). Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <
http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/>. Acesso em:dia  mês ano. Ex: 6 ago. 2009. 

 

 

Busca "Palavra-chave"

Busca "A a Z"


Copyright © 2019 Fundação Joaquim Nabuco. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido pela Fundação Joaquim Nabuco