Home
Madalena (Bairro, Recife)
As terras do bairro da Madalena pertenceram originalmente a Jerônimo de Albuquerque, como parte da doação feita por seu cunhado Duarte Coelho.

No final do século XVI, as terras passaram para os seus filhos que as foram vendendo a várias pessoas. O trecho onde fica o bairro hoje, foi vendido a Pedro Afonso Duro, casado com Madalena Gonçalves, que fundou no local um engenho de açúcar, vendido depois a João de Mendonça, que já era seu proprietário, em 1630. Ficou conhecido pela denominação deEngenho Madalena ou Engenho do Mendonça.

O bairro foi no passado uma das melhores zonas produtoras de açúcar.

O engenho ficava situado no largo onde hoje está a Praça João Alfredo. A casa-grande onde viviam os proprietários ficou conhecida durante muito tempo como o Sobrado Grande da Madalena.

Esse casarão, depois de muitas reformas, foi por muito tempo a residência do conselheiro João Alfredo Correia de Oliveira, na época do Império. Hoje é ocupado pelo 1º Distrito do IPHAN - Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional e o Museu da Abolição.

No bairro fica o conhecido Mercado da Madalena, inaugurado no dia 19 de outubro de 1925 e construído próximo ao local onde existia antes uma feira livre. Era chamado inicialmente deMercado Bacurau (pássaro madrugador) porque funcionava à noite.

Ao lado do Mercado, funciona, ainda hoje, a tradicional feira de passarinhos, muito freqüentada aos domingos pelos recifenses.

Próximo ao Mercado encontra-se também a sede do Clube de Engenharia de Pernambuco e por trás dele o Sítio Sabiá, da família Valença, de compositores e músicos como os conhecidos Irmãos Valença.

O Barão e depois Conde da Boa Vista residiu no bairro da Madalena até 1841, quando passou a ocupar o palacete da rua da Aurora, onde morreu, em 1870.


Recife,  18 de julho de 2003.

(Atualizado em 31 de agosto de 2009).

 

 

  

FONTES CONSULTADAS:

BRAGA, João. Trilhas do Recife: guia turístico, histórico e cultural. [S.l. : s. n., 2000]. p.148.

GUERRA, Flávio. Velhas igrejas e subúrbios históricos. Recife: Prefeitura Municipal, [s.d.] p. 191-195.


PEREIRA DA COSTA, Francisco Augusto. Arredores do Recife. 2.ed. autônoma. Apresentação e organização de Leonardo Dantas Silva. Recife: Fundaj, Ed. Massangana, 2001. p. 114-119.

 

 

 

COMO CITAR ESTE TEXTO: 

Fonte: GASPAR, Lúcia. Madalena (bairro, Recife). Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar>. Acesso em: dia  mês ano. Ex: 6 ago. 2009.

 

Busca "Palavra-chave"

Busca "A a Z"


Copyright © 2017 Fundação Joaquim Nabuco. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido pela Fundação Joaquim Nabuco