Home
Macambira

Semira Adler Vainsencher

Pesquisadora da Fundação Joaquim Nabuco

Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.


         


A macambira está presente nas caatingas do Nordeste do Brasil
, da Bahia ao Piauí. A planta herbácea, da família das Bromeliáceas, que cresce debaixo das árvores ou em clareiras, possui raízes finas e superficiais, folhas que podem atingir mais de um metro de comprimento por vinte centímetros de largura, espinhos duros, e um rizoma que fornece uma forragem de ótima qualidade.        

Em se tratando de cor, a macambira pode ser verde-claro, verde mais escuro, verde cinza, violácea ou amarela, dependendo, entre outros fatores, da umidade do ar e do solo. Em locais mais abertos e expostos ao sol, a face ventral das folhas pode-se apresentar violácea ou roxo-escuro.

       

O vegetal simples, de raízes superficiais, desenvolve-se nas terras mais áridas dos trópicos, se alimenta de ar atmosférico e possui umidade suficiente para resistir às duras secas. Os frutos, amarelos quando maduros, exalam um odor ativo e característico, assemelhando-se a um cacho de bananas pequenas. E suas bagas medem de três a cinco centímetros de comprimento, e têm um diâmetro que varia de dez a vinte milímetros.

        

Do limbo das folhas da macambira, os sertanejos retiram as fibras aproveitáveis. Com golpes precisos de facão, os espinhos são retirados e, depois, juntam-se as folhas em grandes feixes, que ficam macerando durante vários dias. Quando amolecem as partes fermentáveis, as folhas são retiradas da maceração, batidas, espremidas, lavadas e colocadas em jiraus para secar ao sol. Todo esse processo exala um forte mau cheiro, tendo que ser feito bem longe das casas. Caso seja realizado às margens de rios, os pequenos peixes morrem embebedados.

         

Existe, ainda, outro processo para se extrair as fibras da macambira. Trata-se de um método árduo, através do qual a folha é arrastada sobre o arame de um aparelho conhecido por tiralinho; depois é esmagada e passada entre os dentes de um pente metálico, para se retirar toda a parte mole. A partir daí, as fibras descobertas são lavadas, penteadas, e colocadas para secar.

        

Utilizam-se as folhas da macambira, inclusive, para cobrir casas, sendo essas amarradas em molhos e, durante uma semana, colocadas para murchar. Em fase posterior, os molhos são colocados uns juntos ao outros, fortemente atados com cipós (ou batidos com pregos). Em seguida, da biqueira da casa até a cumieira, os molhos são dispostos em camadas superpostas, o que deixa os telhados com ótima aparência.

 

Uma outra operação, bastante ingrata, é a extração da massa da base dilatada das folhas (capas). O sertanejo corta algumas folhas, no ponto em que começam a se alargar, para alcançar a cabeça da macambira. Várias cabeçassão amarradas umas às outras, formando-se atilhos que os burros transportam em suas cangalhas; ou os próprios caboclos carregam nos ombros, quando não dispõem dos animais. O trabalho de apara é bem árduo: há que retirar os espinhos, recortar as bordas, e fazer a despela, ato que consiste em levantar a epiderme, guarnecida de forte cutícula, com a ponta de uma faca. E as capassão piladas visando separar a fécula das fibras.

 

A massa bruta é batida, espremida e lavada em água, várias vezes, para retirar o máximo possível do fortume. Isto tudo deixa as pessoas com os dedos muito feridos, devido à ação corrosiva daquela substância. Após a decantação, a massa, de cor branca, é envolvida em um pano, passada em uma prensa rudimentar para escorrer o restante de água, e colocada ao sol para secar.

 

Com a massa, em uma cuscuzeira, os sertanejos fazem um pão semelhante ao de milho. Costuma-se adicionar um pouco de farinha de mandioca à massa, para aumentar a liga e diminuir o travo no gosto. A massa também é comida em forma de pirão, com leite, ou carnes, que advêm da caça de animais presentes nas caatingas: cotia, gambá, tatu, teju, veado-catingueiro, preá e aves (pombaasa-branca, quenquém e juriti). A massa pode ser estocada de um ano para outro. Em tempos de penúria extrema, a macambira auxilia a sobrevivência do sertanejo e dos rebanhos.

 

Dizem que, em períodos de secas prolongadas, se ingerida somente com água e sal, a massa faz inchar. Por essa razão, ouve-se com freqüência a expressão: “inchado de tanto comer macambira”.

 

A farinha da macambira é composta, em sua maior proporção (63,1%), de amido, uma substância química parecida à da farinha de mandioca, porém com um teor protéico bem mais elevado, próximo das farinhas de milho e arroz. Ainda é rica em cálcio, quinze vezes mais alto que o leite, e três vezes mais elevado que o queijo, sendo uma das farinhas mais nutritivas do mundo. Em se tratando dos rebanhos, é importante registrar que, comendo um quilo desse alimento, os animais podem acumular, até, 248 gramas de gordura. Os vaqueiros ressaltam, além disso, uma outra vantagem: o gado que come as flores e os frutos da macambira não sente necessidade de ir ao bebedouro atrás de água.

 

Por sua vez, com o farelo do caule da macambira - uma parte bastante nutritiva da planta - os sertanejos alimentam seus animais domésticos, tais como galináceos e suínos.

 

As caatingas têm sofrido muitas agressões ambientais ao longo dos séculos - desmatamentos, queimadas, substituição de espécies vegetais nativas - o que causa sérios problemas à fauna, à presença e qualidade da água, ao equilíbrio do solo e do clima, e acarreta em estiagens cada vez mais prolongadas, desertificação e degradação ambiental.   

 

Nos sertões nordestinos, aquela bromélia possibilita que seres humanos e rebanhos deixem de sucumbir diante da escassez crônica de água. É uma das poucas plantas que pode ser aproveitada, praticamente, em sua totalidade. A macambira representa uma tábua de salvação para as áreas de sequeiro e, portanto, precisa ser pesquisada e preservada.

 

 

Recife, 16 de janeiro de 2009.

 

 

 

FONTES CONSULTADAS:

 

 

 

BARBOSA, Maria Regina de V.; AGRA, Maria de Fátima; LIMA, Rita Baltazar de. Flora da Paraíba. Disponível em: <http://www.uefs.br/ppbio/cd/portugues/capitulo8.htm>. Acesso em: 7 nov. 2008.

BESSA, Manuel Negreiros. A macambira (bromélia forrageira). [Natal]: Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte, 1982.

 

GUERRA, José Maria Gonçalves. A pesca no rio Mossoró e outros estudos. [Natal]: Assembléia Legislativa, Centro de Estudos e Debates Presidente

 

Café Filho; Mossoró: Fundação Guimarães Duque, Escola Superior de Agricultura, 1982. (Coleção mossoroense, v. 202).

 

MACAMBIRA. Pernambuco de A/Z. Disponível em: <http://www.pe-az.com.br/rural/macambira.htm>. Acesso em: 7 nov. 2008.

 

RECATINGAMENTO. Disponível em: <http://www.irpaa.org/br/index.php?option=com_content&task=view&id=98>. Acesso em: 8 nov. 2008.

 

 

 

COMO CITAR ESTE TEXTO:

 

 

 

Fonte: VAINSENCHER, Semira Adler. Macambira. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/index.php>. Acesso em: dia  mês ano. Ex: 6 ago. 2009.


 

 

 

Busca "Palavra-chave"

Busca "A a Z"


Copyright © 2019 Fundação Joaquim Nabuco. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido pela Fundação Joaquim Nabuco