Home
Djacir Lima de Menezes
Maria do Carmo Gomes de Andrade
Bibliotecária da Fundação Joaquim Nabuco
Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.

O intelectual Djacir Lima de Menezes, filho de Paulo Elpídio de Menezes e Olga Freire Lima de Menezes, foi professor, sociólogo, jurista, economista e filosófico. Nasceu no município de Maranguape, no Ceará, em 16 de outubro de 1907. Concluiu o ginasial (hoje ensino fundamental) no Liceu do Ceará, em 1925.  Iniciou o curso de Direito na Faculdade de Direito do Ceará e o concluiu, em 1930, na Faculdade de Direito da Universidade do Brasil, hoje Universidade Federal do Rio de Janeiro.

De volta ao estado natal, defendeu, em 1932, a tese de doutorado intitulada: Kant e a ideia do Direito, tornando-se, a partir de então, professor catedrático da Faculdade de Direito do Ceará.  Fundou, em 1938, a Faculdade de Ciências Econômicas do Ceará, sendo também o seu primeiro diretor, e foi Inspetor Regional de Ensino e sócio efetivo do Instituto Histórico, Geográfico e Antropológico do Ceará.

Nos anos de 1940, depois de ser aprovado em um concurso na Faculdade de Filosofia e outro na Faculdade de Economia da então Universidade do Brasil, Djacir Menezes mudou-se para o Rio de Janeiro, onde foi professor catedrático da Faculdade de Economia, ensinando Historia e Doutrinas Econômicas. Também exerceu outros cargos administrativos, destacando-se particularmente como reitor da Universidade do Rio de Janeiro, no período de 1969 a 1973. Ao término de sua gestão, tornou-se professor emérito dessa Universidade.

Foi ainda fundador e diretor do Centro de Estudos Brasileiros, em Buenos Aires, e do Centro Cultural Brasil-Bolívia, em La Paz, foi membro do Conselho Nacional do Trabalho, do Conselho Econômico da Confederação Nacional das Indústrias, professor da Universidade Nacional Autônoma do México e, em 1969, tornou-se sócio efetivo do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro.

Djacir Menezes dedicou a vida ao magistério, teve formação humanística passando por várias áreas das Ciências Humanas. Publicou livros de Filosofia, de Critica Social e Estudos Brasileiros. Também produziu obras literárias e livros didáticos. Dentre as dezenas de publicações destacam-se:

Diretrizes da Educação Nacional, 1932; O problema da realidade objetiva, 1932; Teoria cientifica do Direito de Pontes de Miranda, 1934; O outro Nordeste: formação social do Nordeste pastoril, 1937; Evolução do pensamento literário no Brasil, 1954; Tratado de Economia Política, 1955; O Brasil no pensamento brasileiro: antologia, 1957; Temas de Políticas e Filosofia, 1962; Evolucionismo e Positivismo na Critica de Farias Brito, 1962; Introdução à Ciência do Direito, 1964; Proudhon, Hegel e a ditadura, 1966; A redescoberta das oligarquias, 1967; Poesias heréticas e heresias poéticas, 1970; Ideias contra ideologias, 1971; Filosofia do Direito, 1975; Motivos alemães, 1977; Tratado de Filosofia do Direito, 1980, entre outros.

Publicou artigos em vários periódicos, entre eles:

Águia, Fortaleza; Boletim do Conselho Federal de Cultura, Rio de Janeiro; Brasil Açucareiro, Rio de Janeiro; Carta Mensal, Rio de Janeiro; Cultura Política, Rio de Janeiro; Cultura, Rio de Janeiro; Destinos, Fortaleza; Digesto Econômico, São Paulo; Escola Nova, Rio de Janeiro; Jurídica, Rio de Janeiro; Leitura, Rio de Janeiro; Região, Recife; Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Rio de Janeiro; Revista Brasileira de Filosofia, São Paulo; Revista Contemporânea, Rio de Janeiro; Revista da Faculdade de Direito do Ceará; Revista de Ciências Econômicas, São Paulo; Revista de Ciências Sociais, Fortaleza; Revista de Direito Administrativo, Rio de Janeiro; Revista do Direito Elétrico, Rio de Janeiro; Revista Mexicana de Sociologia; Sociologia, São Paulo; Veritas, Porto Alegre.

Djacir Lima de Menezes é detentor de vasta fortuna crítica que pode ser conferida através de publicações como a do Centro de Documentação do Pensamento Brasileiro, Salvador, 1988, realizada em homenagem aos seus 80 anos de idade. Esse homem de “espírito forte e de grande curiosidade cientifica”, como disse Clovis Beviláqua, morreu na cidade do Rio de Janeiro no dia 8 de junho de 1996.

Recife, 5 de junho de 2013.

FONTES CONSULTADAS:

CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO DO PENSAMENTO BRASILEIRO. Djacir Menezes (1907-   ). Bibliografia e Estudos Criticos, Homenagem aos 80 anos. Salvador, 1988.

DJACIR Lima de Menezes (1907-1996). Revista do Instituto do Ceará (Histórico, Geográfico e Antropológico), Fortaleza, v.125, p.38-39, 2011.

PIMENTA, Joaquim. Ensaios sobre Ivan Lins, Djacir Menezes e Alcântara Nougueira. Fortaleza: Iozon, [1963?].

COMO CITAR ESTE TEXTO:
Fonte: ANDRADE, Maria do Carmo. Djacir Lima de Menezes. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/>. Acesso em: dia mês ano. Ex: 6 ago. 2009.
 

Busca "Palavra-chave"

Busca "A a Z"


Copyright © 2019 Fundação Joaquim Nabuco. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido pela Fundação Joaquim Nabuco