Home
Livro 7, uma livraria do Recife
Lúcia Gaspar
Bibliotecária da Fundação Joaquim Nabuco
Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.

[...] A Livro 7 transcendeu a carismática figura de Tarcísio Pereira, a hegemonia de um bloco de esquerda, e tornou-se orgulho de todo o pernambucano. [...] passou a ser uma espécie de Academia Pernambucana de Letras, na qual ter o seu retrato acima das estantes significava um reconhecimento e uma certa imortalidade para a sociedade literária pernambucana. Não foram poucos os intelectuais, escritores e poetas que doaram os seus retratos para ali ficarem expostos: Gilberto FreyreAriano SuassunaCésar LealJoão Cabral de Mello Neto [...] (D’MORAIS, 2008).

A Livro 7 teve a sua origem em uma pequena loja (pouco mais de vinte metros quadrados), na Rua Sete de Setembro – uma transversal da Av. Conde da Boa Vista, no bairro da Boa Vista. Foi inaugurada no dia 27 de julho de 1970.  

Localizada próxima à Faculdade de Direito do Recife, ao Parque 13 de Maio, ao então Cinema Veneza e ao Teatro do Parque, era um ponto de encontro para estudantes, artistas, intelectuais e amantes dos livros em geral, tornando-se um marco para as gerações literárias de Pernambuco. 

Em 1978, mudou-se para um grande galpão, na mesma Rua Sete de Setembro, com o objetivo de ser a maior livraria pernambucana. Com os seus cavaletes e estantes, ocupando um espaço de 1.200 m2, tornou-se, nos anos 1970 e 1980 (por cinco anos seguidos), a maior livraria do Brasil, em número de títulos (60 mil) e extensão de prateleiras, segundo o Guiness Book.

A partir da sua expansão, passou a ser, além de uma referência para a intelectualidade pernambucana, um ponto turístico da cidade. Muitas pessoas iam à livraria só para conhecê-la e serem fotografadas junto ao seu acervo.  O escritor  Fernando Sabino a chamou de Maracanã do Livro.  

[...] Em torno da Livro 7, cresceu mais uma geração pernambucana, com os seus escritores, músicos, artistas plásticos e cineastas. As suas sessões de música, de cinema e de artes traziam interessados em obras que certamente não seriam encontradas em outros lugares. E tudo ficava à mostra, acessível, com uma praça no meio para leitura, sem ser necessário adquirir o exemplar. Muitos estudantes usaram a Livro 7 como uma biblioteca pública [...] (D’MORAIS, 2008)

Mesmo na época em que era pequena, já se destacava na mídia pela realização de vários eventos, como tardes/noites de autógrafos, recitais, debates, projeções de filmes em super-8, exposições/performances e até torneios de xadrez, onde foi pioneira. 

Hermilo Borba Filho, Antonio Torres, Nagib Jorge Neto, José Mário Rodrigues e Joaquim Cardozo foram os primeiros autores a fazer seus lançamentos na livraria.

Além de consagrados escritores pernambucanos, aí incluídos ainda Gilberto Freyre e João Cabral de Melo Neto, a partir de 1979, em parceria com a Edições Pirata, a Livro 7 realizou diversos lançamentos coletivos. Uma das suas marcas registradas  era o acervo de autores pernambucanos. Em algumas das estantes só eram exibidos títulos publicados pela Pirata.

Ponto de reunião para os integrantes da Geração 65 – movimento literário pernambucano – a livraria tornou-se um marco na vida cultural do Recife.  

Segundo Tarcísio Pereira (1997, p. 144-145), ex-proprietário da livraria, a Geração 65 tem uma importância enorme para a poesia, incluindo-se no seu bojo, artistas de diversas áreas.   

A Livro 7 foi pioneira em conceitos atualmente utilizados por grande livrarias, como espaços amplos, cadeiras para leitura, além de diversos eventos culturais e noites de autógrafos. 

Chegou a ter filiais nos estados da Paraíba, Alagoas e no Ceará. 
 
Seu maior e complexo lançamento foi o do escritor americano Sidney Sheldon. Na ocasião, foram vendidos 940 livros em duas horas e meia de autógrafos. Ao conhecer o agente literário do romancista, na Feira do Livro de Frankfurt,  Alemanha, Tarcisio Pereira por meio de várias negociações conseguiu a realização da noite de autógrafos  do famoso autor na sua livraria recifense.

Apesar de todo o prestígio e reconhecimento do público e da mídia, por uma série de motivos, o empreendimento entrou em crise financeira e fechou suas portas em 1998.

Numa época de recessão, em que os salários dos professores, maiores clientes da livraria, tinham sido reduzidos; e que a degradação do bairro da Boa Vista era nítida, a livraria, depois de 28 anos de atividades, fechou as portas em 1998. [...] 

Com seu encerramento, perdeu-se não só o espaço de referência para os mais novos escritores pernambucanos, que podiam interagir com aqueles que já publicavam, como um próprio símbolo da Cidade do Recife – um ponto de identidade. Quantos intelectuais de fora do Estado ou mesmo estrangeiros tinham na Livro 7 um ponto de interesse! Quanto orgulho causava aquela livraria! [D’MORAIS, 2008).

Recife, 21 de agosto de 2013.

FONTES CONSULTADAS:

ARAÚJO, Ronilson. Todas as estradas culturais do Recife levavam à Livro 7. 2008.  Disponível em: <http://abelhudos.wordpress.com/2008/07/06/todas-as-estradas-culturais-do-recife-levavam-a-livro-7/>. Acesso em: 19 ago. 2013.

D’ MORAIS, Marcos. O Livro & e a Geração 65. 2008. Disponível em: <http://interpoetica.com/site/index.php?option=com_content&view=article&id=703&catid=0>.  Acesso em: 20 jun. 2013.

LIVRO 7: um flash-back da maior livraria do Brasil. Disponível em: <http://www.recantodasletras.com.br/artigos/697521> . Acesso em: 15 ago. 2013.

PEREIRA, Tarcísio. A livraria Livro 7 e a Geração 65. In: BEZERRA, Jaci (Org.). Geração 65: o livro dos trinta anos. Recife: Fundarpe, 1997.  p. 140-1454. 

COMO CITAR ESTE TEXTO:
Fonte: GASPAR, Lúcia. Livro 7, uma livraria do Recife. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/>. Acesso em: dia mês ano. Ex: 6 ago. 2009.
 

Busca "Palavra-chave"

Busca "A a Z"


Copyright © 2019 Fundação Joaquim Nabuco. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido pela Fundação Joaquim Nabuco