Home
Typhis Pernambucano (jornal)

 

Lúcia Gaspar

Bibliotecária da Fundação Joaquim Nabuco

Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.

            

Typhis Pernambucano, jornal político, fundado e redigido por Frei Caneca, teve seu primeiro número publicado no dia 25 de dezembro de 1823.

            

Respeitando a lei de imprensa vigente, sancionada em 22 de novembro de 1823, Frei Caneca utilizou o jornal para fazer a crítica política do seu tempo e defender a liberdade constitucional.

            

O nome Typhis é uma referência a Tiphis o inventor da navegação e ao piloto do Argos, navio construído para a conquista do velocino de ouro (um carneiro da mitologia grega). Frei Caneca buscava, como o navegador, através do seu jornal, a liberdade constitucional. Usou uma linguagem de argonauta (tripulante lendário da nau mitológica Argos) em todos os números do Typhis Pernambucano.

            

O jornal era publicado semanalmente, às quintas-feiras, em formato de 30 x 21cm e trazia sempre, sob o título, os seguintes versos retirados d´Os Lusíadas, de Luís de Camões:

                                    

                                   “Uma nuvem que os ares escurece,

                                    Sobre nossas cabeças aparece.”

            

É uma importante fonte para os historiadores das idéias políticas de Pernambuco. Todos os números do Typhis Pernambucano podem ser consultados em livros recentes. A Assembléia Legislativa de Pernambuco publicou, em 1972, asObras políticas e literárias, de Frei Joaquim do Amor Divino Caneca (edição facsimilar), organizadas por Antônio Joaquim de Melo e o Senado Federal editou O Typis Pernambucano, organizado por Vamireh Chacon e Leonardo Leite Neto, em 1984.

            

O jornal encerrou sua publicação com o número 29, no dia 12 de agosto de 1824. O jornalista Frei Caneca suspendeu-o para juntar-se às tropas que combatiam o Morgado do Cabo, já derrotadas e a caminho do Ceará. Seu fundador e redator foi preso e conduzido para o Recife, sendo fuzilado em 13 de janeiro de 1825, no Forte das Cinco Pontas.

Recife, 6 de maio de 2004.

(Atualizado em 8 de setembro de 2009).

 

FONTES CONSULTADAS:

 

CANECA, Joaquim do Amor Divino. O Typhis Pernambucano. Direção e organização de Vamireh Chacon e Leonardo Leite. Brasília, DF: Senado Federal, 1984.  304p.

 

NASCIMENTO, Luiz do. História da imprensa de Pernambuco (1821-1954). Recife: Universidade Federal de Pernambuco, 1969. v.4, p.53-61.

 

PEREIRA, Nilo. Frei Caneca e o “Typhis Pernambucano”. In: ____. Tempo mágico. Recife: UFPE. Ed. Universitária, 1975. p.25-35. 

 

COMO CITAR ESTE TEXTO:

Fonte: GASPAR, Lúcia. Thyphis Pernambucano (jornal)Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/>. Acesso em: dia  mês ano. Ex: 6 ago. 2009.

 

Busca "Palavra-chave"

Busca "A a Z"


Copyright © 2019 Fundação Joaquim Nabuco. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido pela Fundação Joaquim Nabuco