Home
Tobias Barreto

 

Lúcia Gaspar

Bibliotecária da Fundação Joaquim Nabuco

Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.


Tobias Barreto de Meneses nasceu em Campos, Sergipe, no dia 7 de junho de 1839, filho de Pedro Barreto de Meneses, escrivão de órfãos e ausentes da localidade e Emerenciana de Meneses.

 

Em 1846, matriculou-se na escola primária do professor Manuel Joaquim de Oliveira Campos, na cidade onde nasceu e, em 1851, foi levado à cidade de Estância para aprender latim com o padre Domingos Quirino. Dedicou-se tanto e teve tão bom aproveitamento que, em 1857, foi designado para a cadeira de latim da vila de Itabaiana.

Entre 1854 e 1865 foi professor particular de diversas matérias. Prestou concurso para a cadeira de latim do Ginásio Pernambucano, no Recife, mas não conseguiu ser nomeado.

tobiasEm 1861, viajou à Bahia para seguir a carreira eclesiástica, mas não suportando sua rígida disciplina e sem vocação firme, abandonou o seminário.

Fez os exames preparatórios necessários à matricula no ensino superior, em Salvador.

Mudou-se para o Recife e em 1864, matriculou-se na Faculdade de Direito do Recife, onde foi uma das figuras mais importantes do movimento intelectual conhecido como a Escola do Recife, formando-se em 1869.

Durante o seu período na Faculdade colaborou com os jornais O Acadêmico (1865); A Luta (1867); A Regeneração (1868); O Vesúvio (1869); Correio Pernambucano (1869), onde foram publicados artigos de filosofia. O Diario de Pernambuco também publicou várias de suas poesias e o Jornal do RecifeA ProvínciaCorreio do Norte, artigos de várias naturezas.

Casou-se, em 1868, com a filha de um coronel, proprietário de engenhos no município de Escada, Pernambuco, e antes de concluir o curso de Direito já estava com um filho de poucos meses.

Durante o ano de 1870 morou no Recife, onde redigiu o jornal O Americano e, em 1871, radicou-se na cidade de Escada, em Pernambuco, onde exerceu a advocacia e dedicou-se ao estudo da língua alemã, sendo um autodidata.

Como dono de uma pequena tipografia em Escada publicou os seguintes periódicos: Um Sinal dos Tempos (dez números, 1874); A Comarca da Escada (cinco números, 1875); Desabuso (cinco números, 1875); Aqui pra Nós (dois números, 1875); O Povo da Escada (três números, 1876); A Igualdade (um número, 1877) e Contra a Hipocrisia (dezesseis números, 1879)

Redigiu e publicou em alemão o jornal Deutscher Kaempfer, (O lutador alemão), Brasilien wie est ist (1876) e Ein Brief na diedeutsche Presse (1878).

No campo da poesia competiu com o poeta baiano Antônio de Castro Alves, a quem superou do ponto de vista cultural.

Aos 43 anos mudou-se de Escada para o Recife, onde, em 1882, através de concurso, conseguiu uma cátedra na Faculdade de Direito do Recife. Desde então dedicou-se exclusivamente a ensinar Direito e a estudar Filosofia.

Problemas de saúde e financeiros acabaram por impedi-lo de sair de casa. Tentou uma viagem à Europa para tratar da saúde, mas não conseguiu por falta de condições financeiras.

Morreu no Recife, no dia 26 de julho de 1889, com cinqüenta anos de idade. Seus ossos foram transportados para a cidade de Aracaju, Sergipe, e colocados em uma urna de bronze, embaixo de uma estátua erigida em sua homenagem.

Suas obras completas, publicadas pelo Instituto Nacional do Livro, incluem os seguintes títulos: Ensaios e estudos de filosofia e crítica, 1975; Brasilien, wie es ist, 1876; Ensaio de pré-história da literatura alemã, Filosofia e críticaEstudos alemãs, 1879; Dias e noites, 1881; Menores e loucos, 1884;Discursos, 1887 e Polêmicas, 1901.

Recife, 17 de julho de 2003.
(Atualizado em 8 de setembro de 2009).

FONTES CONSULTADAS:


ACADEMIA Brasileira de Letras. Disponível em:<http://www.academia.org.br/cads/38/tobias.htm >. Acesso em: 18 jun. 2002.


BEVILAQUA, Clovis. História da Faculdade de Direito do Recife. 2.ed. Brasília: INL; Conselho Federal de Cultura, 1977. p. 348-349.


FRANCOVICH, Guillermo. Filósofos brasileiros. Rio de Janeiro: Presença, 1979. p.39-51.


MONT’ALEGRE, Omer. Tobias Barreto. Rio de Janeiro: Vecchi, 1939.

TOBIAS Barreto. [Foto neste texto]. Acervo nda Fundação Joaquim Nabuco.


COMO CITAR ESTE TEXTO
:


Fonte
: GASPAR, Lúcia. Tobias BarretoPesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar>. Acesso em: dia  mês ano. Ex: 6 ago. 2009.

 

Busca "Palavra-chave"

Busca "A a Z"


Copyright © 2018 Fundação Joaquim Nabuco. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido pela Fundação Joaquim Nabuco