Home N
Nelson Ferreira

por Renato Phaelante

nel09

PEQUENA HISTÓRIA

Nelson Heráclito Alves Ferreira, o "Moreno Bom", como era carinhosamente apelidado, nasceu no município pernambucano de Bonito, a 9 de dezembro de 1902 e tornou-se, ao lado de Lourenço da Fonseca Barbosa, o "Capiba", o mais popular compositor de que o Nordeste tem notícia.

nel02Seu primeiro contato com a produção musical se deu aos 14 anos, compondo, a pedido da Companhia de Seguros Vitalícia Pernambucana, a valsa "Victória". Daí em diante, Nelson só parou quando lhe pararam o coração e o pensamento. Fez valsas, foxes, tangos, canções as mais diversas, vindo a especializar-se no gênero frevo, o ritmo brasileiro mais contagiante e popular.

Nelson Ferreira teve uma passagem tão atuante quanto brilhante no panorama musical de Pernambuco. Ainda jovem, tocou em pensões alegres, cafés, saraus e nos famosos cinemas Pathé, Moderno e Parque do Recife. Foi o pianista mais ouvido na época do cinema mudo.

nel03

Foi, um homem do disco, tornando-se diretor artístico da Fábrica Rozenblit, instalada em Pernambuco, cuja contribuição foi marcante nessa área. Criou também, a partir dos anos 40, uma orquestra de frevo que não só ficou famosa em sua trajetória local, mas também extrapolou as fronteiras de nossa região, conseguindo sucesso a nível nacional.

Seu sorriso aberto e franco, sua bondade, seu espírito nativo e criativo, valeram-lhe muitos amigos nos mais variados segmentos da sociedade. Alguns, tornaram-se seus parceiros musicais, como Sebastião Lopes, "O Bom Sebastião", no dizer de Getúlio Cavalcanti; Ziul Matos, Aldemar Paiva e tantos outros nomes famosos da radiofonia pernambucana.

 Compôs sete evocações musicais, famosas em todo o Brasil, homenageando a carnavalesco, jornalistas, velhos companheiros e a outros, verdadeiros imortais da poesia e da música, como Manuel Bandeira, Ascenso Ferreira, Athaulfo Alves, Lamartine Babo e Francisco Alves.

Várias gerações, ao som da Orquestra de Nelson Ferreira e sob sua batuta, brincaram carnavais inesquecíveis. Seu frevo é eterno pela força criativa e pelo conteúdo popular. Seus amigos surgiam de todos os lados, oriundos de todas as camadas sociais, sem preconceitos, como o ferver do ritmo que o tornou imortal.

nel04

Nelson é um dos nordestinos que possui o maior número de músicas gravadas na história da discografia brasileira, embora grande parte de suas criações seja desconhecida do resto do Brasil. Sua produção, ao lado da de outros pernambucanos como Raul e Edgar Morais, Zumba, Levino Ferreira, Irmãos Valença,Luiz Gonzaga e Capiba, entre alguns outros, é de uma importância enorme no estudo das manifestações músico-sócio-culturais de nossa região.

Inicia-se na discografia nacional a partir de 1924 com a música "Borboleta não é ave", em ritmo de samba, gravada pelo Grupo do Pimentel, em disco Odeon de no 12.2381, lançada no carnaval brasileiro daquele ano. Depois, vieram as marchas pernambucanas, as valsas, os frevos, a incursão no rádio, veículo onde pode aprimorar e divulgar o seu talento, aproximando-se, o compositor, cada vez mais, pela sua popularidade na região, das fábricas de disco e dos maiores intérpretes do seu cast.

Participavam, então, desse cast, nomes como o de Francisco Alves, Almirante, Aracy de Almeida, Carlos Galhardo, Joel e Gaúcho, Valdi Azevedo, Inezita Barroso, Augusto Calheiros, Minona Carneiro, Dircinha Batista, Nelson Gonçalves, uma infinidade de orquestras, além de intérpretes pernambucanos do maior valor, como Claudionor Germano e Expedito Baracho. E todos eles, sem exceção, foram veículos da imortalização da música do grande maestro.

nel11

 

Sua importância como compositor popular, parece evidente, apenas, na produção de frevos. Nas primeiras décadas do século, no entanto, Nelson Ferreira compôs valsas que marcaram época nos cinemas, nos bailes dos clubes sociais de todo o Nordeste, nas reuniões familiares. Valsas tão aplaudidas na região quanto as mais populares vienenses. Tão marcantes, essas valsas, que valeu, certa vez, do escritor Nilo Pereira, sobre elas: "Nelson Ferreira, feiticeiro do piano, fixador dum tempo que as suas valsas revivem como se estivessem falando. Se meia hora antes de sair o meu enterro, tocarem as valsas de Nelson, velhas valsas tão íntimas do meu mundo, irei em paz, sonhando."

Sua projeção musical, em termos de Brasil, evidenciou-se de forma efetiva em 1957, quando tornou, definitivamente popular, o frevo de bloco, através de sua "Evocação no 1", sucesso no carnaval de todo o país, onde ele resgata, com saudade, momentos inesquecíveis do carnaval do Recife.

 "Felinto, Pedro Salgado

Guilherme, Fenelon,

Cadê seus blocos famosos?

Bloco das Flores, Andaluza,

Pirilampos, Apos-Fum,

Dos carnavais saudosos" (...)

nel01Em 1973 a Fábrica de Discos Rozenblit resgatou em quatro Lps, uma produção de 50 anos de música do querido maestro, abrangendo valsas e frevos de rua, de bloco e canção, numa coletânea documental que não apenas revela o talento e a criatividade de Nelson Ferreira, mas que é um retrato de nossa própria história sócio-cultural, feito através da música, atingindo às camadas mais distintas da sociedade por diversas gerações.

Nelson destacou essa história, não apenas revivendo pessoas e nomes famosos, mas também homenageando a cidade através de suas ruas. Muitas delas, hoje, não existem mais. O progresso, com todas as suas conseqüências, fez o seu trabalho, destruindo-as e, com elas, parte da história da cidade do Recife ou dando-lhe novos nomes, o saudoso maestro, no entanto, preservou-as, plenas de vida em seus versos.



 

"Ruas de minha infância

Quantas lembranças deixaram em mim

Augusta... Hortas... Alecrim..." (...)

Fez também adivinhações, brincou de "Boca de Forno", de "Coelho sai"; fez evocações, falou de sua "Veneza Americana" e de seus tipos populares; da Revolução de 30, da II Guerra Mundial, dos momentos românticos, alegres e tristes; disse da natureza humana, da tradição e dos costumes de sua gente.

Antes de morrer, fez questão de demonstrar a enorme gratidão pela cidade que o fez seu cidadão:

"Olhar o meu Recife,

Amar a sua gente

Que a graça da bondade

Sempre me concedeu.

Vivendo um mundo assim

De ternura e de beleza

Quanto é bom envelhecer

Assim como eu." (...)

Ainda em vida foi homenageado por prefeitos, governadores, clubes e entidades, tendo recebido das mãos do Presidente Médici, a condecoração como Oficial da Ordem Rio Branco.

O maestro Vicenti Fittipaldi declarou, em depoimento para um livro sobre Nelson Ferreira, ao médico, ator e compositor Valter de Oliveira: "Ele era como Mário Melo, Ascenso Ferreira, Valdemar de Oliveira, uma das instituições da cidade. Era, com sua música, aquilo que Garrincha foi com o seu futebol, a "alegria do povo". Tenho plena convicção de que daqui há duzentos anos, "Gostosão" e a "Evocação", serão tocados e cantados pela gente do Recife: não serão mais de Nelson Ferreira, serão folclore; como são "Casinha Pequenina", "Prenda Minha" e o "Meu Limão, meu Limoeiro" que, sem dúvida, também tiveram um autor."

nelsonCasado desde 1926 com Dona Aurora, que durante toda sua vida lhe serviu de musa inspiradora, além de companheira, amante a amiga, Nelson confessava sempre aos amigos que os maiores orgulhos de sua vida era ser pernambucano e poder despertar para Aurora. Foram anos e anos de doce felicidade com o filho e depois os netos, no antigo casarão da Av. Mário Melo, onde hoje se encontra a Praça Nelson Ferreira, na qual, em sua homenagem, lhe foi erigido o busto.

Nelson Ferreira, veio a falecer no dia 21 de dezembro de 1976, no Hospital Português do Recife e seu corpo foi transportado para o "hall" da Câmara Municipal, onde foi velado. O itinerário, em direção à sua última morada, ele o fez nos braços do povo ao som dos seus frevos e evocações.

Quando seus olhos se cerraram pela última vez, escreveu Gilberto Freyre no Diário de Pernambuco: "O vazio que deixa é o que nos faz ver como era grande pela sua música, pelo seu sorriso, pela sua fidalguia de pernambucano."

Renato Phaelante da Câmara

Discografia

Acervo da FJN • discos e partituras

Partituras para download


COMO CITAR ESTE TEXTO:
Fonte:
CÂMARA, Renato Phaelante. Nelson Ferreira. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/>. Acesso em: dia mês ano. Ex.: 6 ago. 2003.

 
Copyright © 2019 Fundação Joaquim Nabuco. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido pela Fundação Joaquim Nabuco