Home
Dois Irmãos (Bairro, Recife)

Semira Adler Vainsencher

Pesquisadora da Fundação Joaquim Nabuco

Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.

 

 

Como grande parte dos bairros do Recife, Dois Irmãos foi também um engenho importante. Na primeira metade do século XIX, essas terras pertenciam ao engenho Apipucos, cujos proprietários eram os irmãos Antônio Lins Caldas e Tomás Lins Caldas, apelidados, respectivamente de Capitão Coló e Seu Toné. Como eles demonstravam muito amor um pelo outro, e viviam sempre em harmonia, chamavam a propriedade de Engenho dos Dois Irmãos. Era um engenho bem moderno, movido pela força hidráulica das águas do rio Apipucos.

O último elo da existência desse engenho advém das notícias da Revolução Praieira: o sexto batalhão de caçadores, que acampou a 30 de novembro de 1848, sob o comando do major João Guilherme de Bruce; e desalojou a força dos revolucionários liberais ou praieiros, que se refugiara no engenho dos Dois Irmãos. Não podendo a força revolucionária resistir ao choque da tropa cede o campo e bate em retirada, tomando a direção de Pedra Mole.

O trecho denominado Pedra Mole é o mesmo que, atualmente, se conhece como Horto Florestal de Dois Irmãos ou Jardim Zoo-Botânico de Dois Irmãos. Há alguns séculos, porém, havia na localidade uma reduzida povoação e um lago volumoso, conhecido como Lago da Prata.

Por que o lago possuía esse nome?

Registra a história que, no final do século XVI, uma rica senhora de engenho (das terras de Camaragibe e, também, de Apipucos chamada Branca Dias, foi denunciada por crime de judaísmo, perante o Tribunal do Santo Ofício. Intimada com ordem de prisão, Branca Dias atirou toda a sua rica baixela de prata no açude (ou lago) das proximidades. A baixela era tão preciosa, dizia a lenda corrente, que fizeram as águas do açude mudar de cor: elas ficaram claras e límpidas como a prata. Daí, o nome atribuído ao lago.

Cabe explicar, agora, a parte verossímil dessa história. A senhora Branca Dias realmente viveu no Recife e era uma senhora de engenho muito rica. Acusada de seguir a religião judaica, ela foi presa pelos inquisidores, levada para Portugal, condenada pelo Tribunal do Santo Ofício, e queimada viva na fogueira da Santa Inquisição.

Por ter recebido uma condenação tão cruel, Branca Dias caiu na piedade popular e o açude situado em seu engenho ficou conhecido como Lago de Prata ou Riacho da Prata.

No ano de 1847, começou a funcionar em Dois Irmãos a Companhia do Beberibe (já extinta). Aproveitando o manancial do rio Apipucos e do Lago da Prata, a Companhia passou a fornecer água potável e encanada para toda a cidade. Ela funcionava nas duas residências dos seus antigos proprietários (os irmãos Lins Caldas), que foram reformadas para a instalação da usina.

Em Dois Irmãos, encontra-se o jardim da Praça Farias Neves, com várias palmeiras, jambeiros, pés de mulungu, pau-brasil, gramado, arbustos e outras árvores, e que foi projetado pelo paisagista Burle Marx.

Existe um prédio na praça, construído em 1887, onde funciona a atual Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa). Nesse mesmo lugar, em 1838, funcionou a Companhia Beberibe (de abastecimento de água).

Perto da praça encontra-se, também, uma importante empresa, responsável pela fabricação de uma extensa variedade de produtos e remédios e emprego de mão-de-obra local: o Laboratório Farmacêutico do Estado de Pernambuco (Lafepe).

Mais adiante, na rua Dom Manuel de Medeiros, observa-se uma construção moderna, em forma de arco, tendo à sua frente um campo de futebol: é a Universidade Federal Rural de Pernambuco. As suas Faculdades de Agronomia e Veterinária foram fundadas em 1913, bem como os cursos de Engenharia de Pesca, Zootecnia, e outros. Entre os pavilhões dessa Universidade, bem como atrás deles, encontram-se blocos de cimento, contendo placas de bronze, onde os formandos homenageiam algumas espécies de árvores:

Prosopis justiflora (algaroba) Engenheiros Agrônomos, 1965;

Cocos nucifera L. (coqueiro) Engenheiros Agrônomos, 1966;

Licania rígida (oiticica) Engenheiros Agrônomos, 1969;

Anacardium occidentale L. (cajueiro) Engenheiros Agrônomos, 1969;

Durante o governo do general Dantas Barreto, em 1916, o Jardim Zoo-Botânico de Dois Irmãos foi inaugurado em plena Mata Atlântica, nas terras de Pedra Mole e do Riacho da Prata. Próximo à entrada do Horto, inaugurou-se, em 1973, o Museu de Ciências Naturais, que contém mais de 2.000 peças sobre os mamíferos, répteis, artrópodes, insetos, aves, conchas, minerais e fósseis.

À esquerda de quem entra no Jardim, passando o Museu de Ciências Naturais, é possível observar uma estátua imponente: o vendedor de pirulitos, feita em 1957 pelo escultor pernambucano Abelardo da Hora

.

 

Além de várias espécies de mamíferos, aves e répteis, no Jardim Zoo-Botânico de Dois Irmãos encontram-se "pedalinhos" (para as pessoas se locomoverem pelo açude), charretes (puxadas a jumento) e um trenzinho, para levar crianças e adultos por todo o Horto, bem como restaurante e lanchonetes.

Presentemente, o Jardim representa um dos importantes pontos turísticos da cidade do Recife, e sua gestão está entregue à Empresa Pernambucana de Turismo – Empetur (Empetur).

         Recife, 25 de julho de 2003.

        (Texto atualizado em 22 de novembro de 2007).

FONTES CONSULTADAS:

CAVALCANTI, Carlos Bezerra. O Recife e seus bairros. Recife: Câmara Municipal do Recife, 1998.

COSTA, F. A. Pereira da. Arredores do Recife. Recife: Fundação de Cultura Cidade do Recife, 1981.

FRANCA, Rubem. Monumentos do Recife: estátuas e bustos, igrejas e prédios, lápides, placas e inscrições históricas do RecifeRecife: Secretaria de Educação e Cultura, 1977.

GALVÃO, Sebastião de Vasconcellos. Diccionario chorografico, histórico e estatístico de Pernambuco. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1908. 4 v.

GUERRA, Flávio. Velhas igrejas e subúrbios históricos. Recife: Fundação Guararapes, 1970.

COMO CITAR ESTE TEXTO:

 

Fonte: VAINSENCHER, Semira Adler. Dois Irmãos (bairro, Recife). Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/>. Acesso em: dia  mês ano. Ex: 6 ago. 2009.

 

Busca "Palavra-chave"

Busca "A a Z"


Copyright © 2019 Fundação Joaquim Nabuco. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido pela Fundação Joaquim Nabuco