Home C
Ex-votos

Lúcia Gaspar

Bibliotecária da Fundação Joaquim Nabuco

Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.

O ex-voto é a designação erudita onde podem ser enquadrados nossosmilagres e promessas. São oferendas feitas aos santos de particular devoção ou especialmente indicados por alguém que obteve uma graça ou milagre implorados, como um testemunho público de gratidão.

Eram muito utilizados na antigüidade greco-romana.
Embora sua origem seja desconhecida, sabe-se que foi difundido por volta do ano 2000 a. C.

O ex-voto é colocado em local público ou de acesso coletivo e apresenta uma série de formas testemunhais: 

• representação iconográfica (pintura ou fotografia) da graça ou milagre obtidos, como ameaça de morte, doenças curadas, perigos evitados, milagres que salvam propriedades de incêndios, secas, enchentes, pragas, dívidas. O bem recuperado é retratado colocando-se numa legenda a narrativa do milagre e a identificação do agraciado e do agraciador;
• representação em forma de escultura retratando normalmente uma doença curada; 
• inscrições em tábuas, mármores ou outro material "nobre" do testemunho ou gratidão pela graça alcançada; 
• bens como jóias, dinheiro, objetos preciosos de uso litúrgico e até capelas construídas em agradecimento, como é o caso da Nossa Senhora do Ó, em Sabará, Minas Gerais; 
• elementos simbólicos como velas e flores; 
• cruzes usadas em peregrinações; 
• representações de casas, edifícios e chaves de carros, acompanhadas de bilhetes referindo-se a aquisição do bem ou sobrevivência em desastres ou acidentes; 
• carteiras de cigarros e garrafas de bebidas agradecendo o abandono do vício; 
• representação de várias espécies de animais narrando a gratidão do proprietário pela cura do animal ou proteção de grave perigo.

Em Portugal, era comum pagar promessas feitas em momentos decisivos da nacionalidade, erigindo monumentos de grande beleza como o mosteiro de Alcobaça, construído por Afonso Henriques depois da tomada de Santarém aos sarracenos; o mosteiro da Batalha, como símbolo de gratidão a Santa Maria da Vitória pelo sucesso contra a Espanha e muitos outros, como a Torre de Belém, o convento de Mafra, a igreja de Nossa Senhora dos Mártires, em Tavira.

O hábito de oferecer ex-votos continua vivo para grande número de fiéis nas diversas camadas da população. Com o advento da fotografia e do ex-voto de cera semi-industrializada, desapareceu a preocupação de apresentar uma obra estética. O ex-voto perdeu em valor artístico, mas não deixou de ter um grande significado como forma de expressão da religiosidade, fé e esperança do povo brasileiro.

 Recife, 9 de julho de 2003.
(Atualizado em 28 de agosto de 2009). 


 
FONTES CONSULTADAS:

ARAÚJO, Iaperí. Elementos da arte popular. Natal: UFRN. Ed. Universitária, 1985.

CASTRO, Márcia de Moura. O ex-voto em Minas Gerais e suas origens. Cultura, Brasília, a.8, n.31, p.106-112, jan./mar. 1979.

SILVA, Maria Augusta Machado da. Ex-votos e orantes no Brasil: leitura museológica. Rio de Janeiro: Museu Histórico Nacional, 1981.

COMO CITAR ESTE TEXTO:

 

Fonte: GASPAR, Lúcia. Ex-votos. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/index.php>. Acesso em: dia  mês ano. Ex: 6 ago. 2009.

 
Copyright © 2019 Fundação Joaquim Nabuco. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido pela Fundação Joaquim Nabuco