Home G
O Gráfico Amador

Lúcia Gaspar

Bibliotecária da Fundação Joaquim Nabuco

Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.

O Gráfico Amador foi fundado em maio de 1954, por um grupo de intelectuais criativos formado por Aloísio Magalhães, Gastão de Holanda, José Laurênio de Melo e Orlando da Costa Ferreira, com o objetivo de publicar pequenos textos literários, principalmente poesia, em tiragens artesanais limitadas.

Era uma oficina experimental de artes gráficas, que se iniciou com uma antiga prensa manual e uma velha fonte de tipos, adquiridos por seus fundadores pela quantia de dez mil cruzeiros.

Funcionava na Rua Amélia, n.415, no bairro do Espinheiro, no Recife e, para conseguir manter-se atuante, contava com a colaboração de sócios (chegou a ter 57), entre artistas e intelectuais pernambucanos, que contribuíam com uma cota mensal e recebiam alguns livros por ano.

Contou também com o estímulo da Le Corbusier Graphique, de Paris, e da Curwen Press, de Londres.

Suas edições revelam uma acentuada preocupação artística, quanto à escolha dos tipos, o aproveitamento dos espaços em branco, a composição e a apresentação.

Em 1959, suas publicações foram apresentadas em uma exposição realizada pela Biblioteca Nacional no Rio de Janeiro.

Encerrou suas atividades em 1961, quando os seus quatro fundadores mudaram-se do Recife para a cidade do Rio de Janeiro.

 

EDIÇÕES DO GRÁFICO AMADOR

As conversações noturnas: poemas, José Laurênio de Melo, 1954 (100 exemplares numerados).

 .OdeAriano Suassuna, 1955 (25 exemplares).

Macaco Branco: fortuna e pena deste personagem no reino do futebol, Gastão de Holanda (100 exemplares).

. O Gráfico Amador. Noticiário n.1. Linoleogravura de Aloísio Magalhães, 1955.

Memórias do Boi SerapiãoCarlos Pena Filho, 1955 (140 exemplares numerados e assinados).

. Pregão turístico do Recife, João Cabral de Melo Neto, 1955 (20 exemplares).

. Mãe da Lua, José de Moraes Pinho. Peça para bonecas. Música deCapiba, 1956. (150 exemplares numerados e assinados).

. A tecelãMauro Mota, 1956 (120 exemplares numerados e assinados).

. Ciclo, Carlos Drummond de Andrade, 1957 (96 exemplares numerados e assinados )

. Rumeur & Vision 1. 12 poemas de Baudelaire, Mallarmé, Verlaine, Rimbaud, 1957 (200 exemplares numerados).

Vários poemas vários, João Cabral de Melo Neto. Um exemplar original, inédito, 1957.

. Cadernos de Arte do Nordeste: Capela de Nossa Senhora da Conceição da JaqueiraPara os amigos do D.P.A.N., 1957.

. Improvisação gráfica (experiências tipográficas), Aloísio Magalhães, 1958 (70 exemplares numerados e assinados).

. Mundo guardado, Luiz Delgado, 1958 (200 exemplares numerados e assinados).

. História de um TatuetêHermilo Borba Filho, 1958.

. Aniki Bobó, João Cabral de Melo Neto, 1958 (30 exemplares numerados e assinados).

. Cadernos de Arte do Nordeste: Azulejos holandeses no Convento de Santo Antônio do Recife. Para os amigos do I.P.H.A.N., 1959.

. Dez sonetos sem matéria, Sebastião Uchoa Leite, 1960 (250 exemplares numerados e assinados).

. Gesta e outros poemas, Jorge Wanderley, 1960 (200 exemplares numerados e assinados).

. A rosa jacente, Geraldo Valença, 1960. Realizado na Gráfica Editora do Recife para O Gráfico Amador. (300 exemplares numerados e assinados).

. Recife-Olinda, Eugênia Miller Brajnikov. Álbum com dez litografias, 1960 (120 exemplares numerados e assinados).

. Romance de Dom Beltrão, Lélia Coêlho Frota. Composto, impresso e ilustrado a mão, 1960 (30 exemplares numerados e assinados).

. O burro de ouro, Gastão de Holanda, 1960 (Editora Igarassu, 2.400 exemplares).

. Dois poemas incidentes, Orlando da Costa Ferreira, 1961 (140 exemplares numerados e rubricados com vinhetas do autor).

. Heredianos: sonetos traduzidos, Severino Montenegro, 1961 (realizado na Gráfica Editora do Recife para O Gráfico Amador).

. O Gráfico Amador n. 2, 1961.

. Arte pernambucana 1: Francisco Brennand. Texto de Flávio Mota e 10 reproduções de telas e painés de cerâmica, 1961 (800 exemplares impressos para o DECA).

. Elegias, Ovídio. Tradução, projeto e ilustrações de Gastão de Holanda, 1961 (70 exemplares).

Recife, 27 de agosto de 2003.

(Atualizado em 28 de agosto de 2009).

 

 

FONTES CONSULTADAS:

 

O GRÁFICO Amador. Suplemento Cultural D.O. PE, Recife, Ed. especial, p. 9, jun. 1997.

 

HOUAISS, Antônio. O Gráfico Amador. Disponível em:  <http://www.fundaj.gov.br/docs/aloisio/alo1.html>.Acesso em: 27 ago. 2003. 

 

 

COMO CITAR ESTE TEXTO:

 

Fonte: GASPAR, Lúcia. O Gráfico Amador. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/>. Acesso em: dia  mês ano. Ex: 6 ago. 2009.

 
Copyright © 2018 Fundação Joaquim Nabuco. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido pela Fundação Joaquim Nabuco