Home A
Avenida Conde da Boa Vista

Lúcia Gaspar
Bibliotecária da Fundação Joaquim Nabuco

Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.  

 

 

O local onde hoje se encontra a Avenida Conde da Boa Vista era originalmente um terreno alagado, uma área de mangue, um lamaçal intransitável, que já em 1756, estava sendo aterrado.

Inicialmente chamada de Rua Formosa, denominação dada pela população devido à beleza do local, a atual avenida foi construída em três etapas.

Em 1840, Francisco do Rego Barros, o Conde de Boa Vista, presidente da província de Pernambuco, aterrou o mangue onde hoje existe o bairro da Boa Vista para expandir o centro da cidade, sendo iniciada a construção da sua primeira parte: o trecho entre a Rua da Aurora e a Rua do Hospício, antiga Visconde de Camaragibe.

Posteriormente, foi construído o trecho seguinte, entre a Rua do Hospício e a Gervásio Pires. Somente em 1852, teve início a construção da terceira parte, quando foi iniciado o processo de indenização das terras que pertenciam ao cirurgião Manoel Pereira Teixeira, para a abertura do que se denominou de Caminho Novo. A conclusão desse terceiro e último trecho, que vai até o bairro do Derby, só se concretizou em 1899, quando foram concluídas as indenizações necessárias e a via pode ser aberta.

Em 1870, com a morte do Conde da Boa Vista, a prefeitura mudou o seu nome de Rua Formosa para Rua Conde da Boa Vista.

A Rua Formosa e o Caminho Novo foram alargados na primeira gestão do prefeito do Recife Pelópidas Silveira, em 1946. A futura avenida foi ampliada tomando-se por base as dimensões, de calçada a calçada, da Ponte Duarte Coelho, que havia sido inaugurada, em concreto, no ano de 1943.

A Conde da Boa Vista, no entanto, ficou 42 metros mais larga do que a ponte por causa da necessidade de área para estacionamento de veículos. As obras de alargamento e melhoramento da via, nessa época, foram realizadas até a Rua da Soledade, na esquina do então Colégio Padre Félix.

Só na segunda gestão municipal de Pelópidas Silveira, de 1955-1959, o alargamento foi concluído alcançando o cruzamento com a Rua Dom Bosco, ficando a avenida com o seu traçado atual: da Ponte Duarte Coelho até a Rua Dom Bosco, quando segue em direção ao Derby, tomando o nome de Governador Carlos de Lima Cavalcanti.

No processo de alargamento foram demolidas diversas construções, entre as quais a Igreja Anglicana, conhecida como a Igrejinha dos Ingleses, situada onde hoje se encontra o Edifício Duarte Coelho, em cujo térreo fica o antigo Cinema São Luís, com seu belo painel de Lula Cardoso Ayres.

Nos anos de 1840, os engenheiros franceses Louis Léger Vauthier, autor do projeto do Teatro Santa Isabel e Pierre Victor Bolitreau, responsáveis por várias obras urbanísticas da cidade, residiram em casarões situados na Avenida. Hoje, restam poucos desses antigos casarões da Rua Formosa. Nela existiram belos construções como o Palácio da Soledade, construído em meados do século XIX e a residência do comerciante Eugênio Ramiro Costa, edificada no início do século XX.

Estrategicamente localizada, a Conde da Boa Vista é uma das artérias mais movimentadas da capital pernambucana. Estima-se que seu movimento diário seja de mais de 20 mil veículos e 40 mil pessoas.

Antes, uma área eminentemente residencial, abriga atualmente grande parte do comércio do centro da cidade, além de bancos; instituições de ensino; templos religiosos; um shoppping center; bares; restaurantes.

Segundo o Guia Gay, elaborado pela ONG Os Defensores, o quarteirão entre as  Ruas Gervásio Pires e Jiriquiti  é considerado um pólo GLS (Gays, Lésbicas e Simpatizantes).

Entre 2007 e 2008, a Prefeitura do Recife construiu o chamado Corredor Leste-Oeste, implantando uma faixa exclusiva para ônibus ligando a Conde da Boa Vista à Avenida Caxangá. As calçadas foram reconstruídas e implantadas novas paradas de ônibus, trazendo uma nova concepção urbanística para a área.

Recife, 15 de dezembro de 2008.

(Atualizado em 20 de agosto de 2009).

 

 

 

FONTES CONSULTADAS:

 

ANDRADE, Walmar. Avenida Conde da Boa Vista já viveu dias de formosura. Disponível em: <http://jc.uol.com.br/2005/08/22/not_95369.php>. Acesso em: 3 dez. 2008.

CAVALCANTI, Carlos Bezerra. O Recife e seus bairros. Recife: Câmara Municipal, 1998.

______. O Recife e suas ruas. Recife: Edições Edificantes, 2002.

CORREDOR Leste-Oeste. Disponível em: <http://www.recife.pe.gov.br/modelo.php?id=293&Tipo=D>. Acesso em: 4 dez. 2008.

FRAGOSO, Danilo. Velhas ruas do Recife. Recife: UFPE, Imprensa Universitária, 1971.

FRANCA, Rubem. Monumentos do Recife. Recife: Governo de Pernambuco. Secretaria de Educação e Cultura, 1977.

 

COMO CITAR ESTE TEXTO:

 

Fonte: GASPAR, Lúcia. Avenida Conde da Boa Vista. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar>. Acesso em: dia  mês ano. Ex: 6 ago. 2009.

 

 
Copyright © 2018 Fundação Joaquim Nabuco. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido pela Fundação Joaquim Nabuco