Home
Anísio Teixeira

 

              
Cronologia

 

C R O N O L O G I A

 

1900 

Anísio Spínola Teixeira nasce em Caetité, no sertão da Bahia, no dia 12 de julho, filho de Deocleciano Pires Teixeira e de Ánna Spínola Teixeira.

 

1912  

Matriculado no Instituto São Luiz Gonzaga, colégio jesuíta, em Caetité, onde inicia o ginásio.

 

1914  

Transferido para o Colégio Antônio Vieira, também jesuíta, em Salvador.

 

1922  

Bacharel em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade do Rio de Janeiro.

 

1924  

Nomeado em 9 de abril para o cargo de inspetor-geral do ensino na Bahia, a convite do governador Francisco Marques de Góes Calmon.

 

1925  

Parte para a Europa, em viagem de observação educacional à França e à Bélgica, em companhia do arcebispo-primaz da Bahia, dom Augusto Álvaro da Silva.

 

1927

Viaja aos Estados Unidos para estudos sobre organização escolar e entra em contato com as idéias do filósofo John Dewey.

 

1928

Demite-se do cargo de inspetor-geral do ensino por incompatibilidade com o novo governador baiano, Vital Henrique Batista Soares. É nomeado docente da Escola Normal de Salvador para lecionar filosofia e história da educação. Viaja novamente aos Estados Unidos. Publica Aspectos americanos da educação, em que analisa o funcionamento das instituições de ensino norte-americanas e as idéias de John Dewey.

 

1929

Obtém o título de Master of Arts após freqüentar como bolsista, durante dez meses, o Teachers College da Universidade de Columbia. Retorna ao Brasil.

 

1930  

Elabora novos programas para as disciplinas das escolas primárias e fundamentais da Bahia. Passa a lecionar filosofia da educação na Escola Nacional de Educação de Salvador. Escreve o artigo Por que Escola Nova? No cenário político, eclode em 3 de outubro a revolução no Rio Grande do Sul, em Minas e nos estados do Nordeste. Em 24 de outubro, Washington Luís é deposto da presidência da República, e em 3 de novembro Getúlio Vargas é empossado na chefia do Governo Provisório.

 

1931  

A convite de Pedro Ernesto Batista, então interventor no Distrito Federal, é nomeado diretor-geral de Instrução Pública no Rio de Janeiro. Integra uma comissão do Ministério da Educação e Saúde, criado pelo novo governo, na qual é responsável pelo estudo da reorganização do ensino secundário nacional.

 

1932  

Em março, cria, no Rio de Janeiro, o Instituto de Educação, integrando à antiga Escola Normal, em um único estabelecimento, um jardim de infância e os cursos primário e secundário. Torna-se professor de filosofia da educação desta instituição e assume a presidência da Associação Brasileira de Educação. É um dos signatários do Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova. Publica Educação progressiva: uma introdução à filosofia da educação. Casa-se com Emília Telles Ferreira, com quem terá quatro filhos.

 

1933  

Nomeado diretor do recém criado Departamento de Educação do Distrito Federal.

 

1934  

Publica Em marcha para a democracia.

 

1935  

Indicado secretário-geral de Educação e Cultura da capital federal, é responsável pela criação da Universidade do Distrito Federal. Após a revolta comunista de novembro e a prisão do prefeito Pedro Ernesto, sob a acusação de envolvimento com a Aliança Nacional Libertadora (ANL), é destituído de suas funções, em 1º de dezembro.

 

1936  

Publica Educação para a democracia: introdução à administração escolar.

 

1937-1945   

Durante a ditadura do Estado Novo, afasta-se das atividades educacionais. Dedica-se à exploração e à exportação de manganês, calcário e cimento, à comercialização de automóveis e à tradução de livros para a Companhia Editora Nacional.

 

1938  

Extinção da Universidade do Distrito Federal.

 

1945  

Em 2 de dezembro realizam-se eleições para a presidência da República e para a Assembléia Nacional Constituinte.

 

1946  

Deixa a Bahia ao tornar-se conselheiro de educação superior da recém criada Unesco, órgão das Nações Unidas voltado para educação, ciência e cultura, passando a residir inicialmente em Londres e depois em Paris.

 

1947  

Assume a Secretaria de Educação e Saúde, da Bahia, no governo de Otávio Mangabeira.

 

1950  

Inaugurado em outubro, segundo projeto de sua autoria, o Centro Educacional Carneiro Ribeiro, conhecido como Escola Parque, no bairro popular da Liberdade, em Salvador.

 

1951  

Nomeado secretário-geral da Campanha Nacional de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), fundada em 11 de julho. Diretor do Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos (INEP).

 

1955  

Como diretor do INEP, cria o Centro Brasileiro de Pesquisas Educacionais.

 

1956  

Publica A educação e a crise brasileira.

 

1957  

Publica Educação não é privilégio.

 

1961  

Participa da discussão da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Criação da Universidade de Brasília (UnB), projeto do qual foi um dos idealizadores.

 

1962  

Nomeado membro do Conselho Federal de Educação.

 

1963  

Ocupa a presidência da Comissão Nacional do Ensino Primário. Assume interinamente a reitoria da Universidade de Brasília (UnB), substituindo Darcy Ribeiro.

 

1964  

Após a deposição do presidente João Goulart por um golpe militar no dia 31 de março, é incluído no processo instaurado para a apuração de irregularidades administrativas na UnB. Aposentado compulsoriamente, viaja para os Estados Unidos a convite da Universidade de Columbia para integrar seu corpo docente na qualidade de visiting scholar.

 

1965  

É convidado a lecionar na Universidade de Nova York.

 

1966

Ministra aulas na Universidade da Califórnia. Volta para o Brasil e torna-se consultor da Fundação Getúlio Vargas.

 

1967  

Publica Educação é um direito.

 

1969  

Publica Educação no Brasil e Educação e o mundo moderno.

 

1970  

Recebe o título de professor emérito da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

 

1971  


Em 11 de março aparece morto no poço do elevador do edifício em que residia seu amigo Aurélio Buarque de Holanda, no Rio de Janeiro, a quem iria visitar, para obter apoio à sua candidatura à Academia Brasileira de Letras.

 


Recife, 29 de março de 2010.
Atualizado em 12 de março de 2018.

 

 

 

FONTE CONSULTADA:

 

 


ANÍSIO Teixeira. [Foto neste texto]. Disponível em: <
http://educacao.uol.com.br/biografias/anisio-teixeira.jhtm>. Acesso em: 6 jul. 2012.

 

 

 

 

COMO CITAR ESTE TEXTO:

 


Fonte: ANÍSIO Teixeira. Pesquisa Escolar On-line, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/>. Acesso em: dia  mês ano. Ex: 6 ago. 2009.

 

Busca "Palavra-chave"

Busca "A a Z"


Copyright © 2019 Fundação Joaquim Nabuco. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido pela Fundação Joaquim Nabuco