Home A
Aloísio Magalhães

Dados pessoais

      ·         Brasileiro.

      ·         Nascido no dia 5 de novembro de 1927, em Pernambuco.

      ·         Vem a falecer em 13 de junho de 1982, na Itália.

Formação

      ·         Direito, Faculdade de Direito da Universidade do Recife.

     ·         Bolsa de estudos do governo francês, através da qual freqüentou o Atelier 17, do gravador S. W. Hayter, e aulas de Museologia da Escola do Louvre, Paris, 1951-53.

Atividades profissionais

               ·         1946-51: cenógrafo do Teatro do Estudante de Pernambuco; durante esse período dirigiu também o Departamento de Teatro de Bonecos do mesmo conjunto.

·         1953-60: iniciando-se principalmente na pintura, desenvolveu atividades de pesquisa no domínio da tipografia e artes gráficas.

·         1954: fundou o Gráfico Amador, no Recife, com Gastão de Holanda, Orlando da Costa Ferreira e José Laurenio de Melo.

·         1960: dedicou-se intensamente à comunicação visual e manteve, no Rio de Janeiro, um dos maiores escritórios de artes visuais do País.

·         1963: colaborou na organização da Escola Superior de Desenho Industrial.

·         1968: convidado como um dos representantes do Brasil para a 1ª Bienal Internacional de Desenho Industrial, no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro.

·         1970-72: participou de bienais.

·         1971: convidado como representante do Brasil na 1ª Bienal de Desenho, Gravura e Desenho Industrial em Cali, Colômbia.

                           Membro da Associação Brasileira de Desenho Industrial (ABDI).

·         1975-80: coordenador do projeto do Centro Nacional de Referência Cultural (CNRC).

·         1976-80: membro do Conselho de Cultura do Distrito Federal.

·         1979: nomeado diretor do então Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

·         1979: presidente da Fundação Nacional Pró-Memória.

·         1980: presidente do Conselho Administrativo da Fundação Raymundo Ottoni de Castro Maya.

·         1981: vice-presidente do Comitê do Patrimônio Mundial da Unesco, em Sidney.

·         1981-82: membro do Bureau do Comitê do Patrimônio Mundial da Unesco.

·         1981-82: membro do Conselho Superior da Fundação Brasileira para Conservação da Natureza.

·         1981: secretário da Cultura do MEC.

Atividades didáticas

·         Professor de Cenografia do Curso de Teatro da Escola de Belas Artes, da Universidade do Recife.

·         Professor da Escola Superior de Desenho Industrial.

·         Professor convidado do Philadelphia Museum School of Art.

·         Conferências na Yale University e no Pratt Institute, Nova York.

·         Seminário na Technische Hochschule da Universidade de Stuttgart.

·         Conferência no Hornsey College of Art, Londres.

·         Seminário sobre Política Cultural Interamericana na Organização dos Estados Americanos (OEA), no Aspen Institute of Humanistic Studies.

·         Seminário sobre Centros de Pesquisas de Desenvolvimento Cultural, Unesco, Berlim.

·         Design Conference (Elliot Moyes Fellow) no Aspen Institute of Humanistic Studies.

Trabalhos publicados

·         Aniki Babó. Recife: Ed. 0 Gráfico Amador, 1958. Trabalho gráfico 'ilustrado' por textos de João Cabral de Mello Neto.

·         Doorway to Portuguese, em colaboração com Eugene Feldman. Philadelphia: The Falcon Press, 1957.

·         Doorway to Brasília em colaboração com Eugene Feldman. Philadelphia: The Falcon Press, 1959.

·         1/8/16 A informação esquartejada. Rio de Janeiro: Ed. do Autor, 1971.

·         Viva I. Rio de Janeiro: Ed. do Autor, 1972.

·         A topographic analysis of a printed surface. Hilversum, Holanda: Steendrukkerij de Jong, 1974 (Série Quadrat Print).

Trabalhos realizados

·         Banco Central do Brasil - Padrão Monetário Brasileiro, 1967.

·         Criação, desenvolvimento e gravação dos originais para produção das cédulas em Milão e Londres.

·         Desenho e assessoria à produção das moedas de ouro, prata e níquel, comemorativas do Sesquicentenário da Independência.

·         Desenho e assessoria à produção da moeda comemorativa dos 10 anos do Banco Central do Brasil.

·         Coordenador do grupo de trabalho Banco Central/Casa da Moeda, para elaboração do novo padrão monetário, 1967.

·         Assessoria permanente junto à Casa da Moeda para produção do novo padrão monetário brasileiro.

·         Projetos de identidade visual para Banco Nacional, União de Bancos Brasileiros, Banco do Estado de São Paulo, Grupo Brascan, Companhia Souza Cruz, Light, Secretaria de Turismo do Estado da Guanabara, Fundação Bienal de São Paulo, International Coffee Organization, ltaipu Binacional, Universidade de Brasília, entre outros.

·         Símbolo do IV Centenário do Rio de Janeiro.

·         Símbolo comemorativo do Sesquicentenário da Independência.

·         Landseer: livro editado por Cândido Guinle de Paula Machado.

·         Programa de identidade visual da Petrobrás Distribuidora.

·         Museu do Açúcar, Recife: roteiro, projeto e assessoria à produção, onde organizou a sala “0 açúcar e o homem".

·         Cartema, mural para a American Telegraph and Telephone Company, Nova York.

Prêmios

·         3 Medalhas de Ouro do Art Directors Club of Philadelphia.

·         1º Prêmio do concurso para o símbolo do IV Centenário do Rio de Janeiro.

·         1º Prêmio para a escolha do símbolo da Fundação Bienal de São Paulo.

·         1º Prêmio no concurso para adoção de nova linha de cédula do Meio Circulante Cruzeiro Novo.

·         1º Prêmio no concurso para adoção de novo símbolo para a Light.

·         Menção honrosa como participante no concurso para projeto integrado arquitetura/design para o pavilhão brasileiro em Osaka, Japão.

·         Seleção do livro Landseer, entre as dez melhores obras editadas no biênio 1971/72, na Bienal do Livro de Arte/Museu de Jerusalém.

Exposições individuais

·         Departamento de Documentação e Cultura, Recife, 1953.

·         Museu de Arte Moderna de São Paulo, 1954 e 1956.

·         Pan American Union, Washington DC, 1956.

·         Roland de Aenile Gallery, Nova York, 1957.

·         Galeria Oxumaré, Bahia, 1958.

·         Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, 1958.

·         The Print Club of Philadelphia, 1959.

·         Roland de Aenile Gallery, Nova York, 1959.

·         Petite Galerie, Rio de Janeiro, 1961.

·         Exposição sobre o símbolo do IV Centenário do Rio de Janeiro na Technische Hochschule da Universidade de Stuttgart, 1966.

·         Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (cartemas), 1972.

·         Museu do Açúcar (cartemas), Recife, 1972.

·         Reitoria da UFMG (cartemas), Belo Horizonte, 1972.

·         Museu de Arte Moderna de São Paulo (cartemas), 1973.

·         Galeria Lotus (aquarelas e litografias), Recife, 1973.

·         Galeria da Praça (litografias, aquarelas e cartemas), Rio de Janeiro, 1974.

·         Salão Anual de Pernambuco, Recife, 1974.

·         Museu de Arte Moderna de São Paulo, 1974.

·         Ministério da Educação, Rio de Janeiro, 1974.

·         Fischback Gallery (cartemas), Nova York,1977.

Exposições coletivas

·         II Bienal Museu de Arte Moderna de São Paulo, 1953.

·         Salão Anual de Pernambuco, Recife, 1954.

·         Salão Anual da Bahia, Salvador, 1955.

·         III Bienal Museu de Arte Moderna de São Paulo, 1955.

·         Salão Nacional de Arte Moderna, Rio de Janeiro, 1955.

·         150 Anos de Paisagem Brasileira, São Paulo, 1956.

·         Museum of Modern Art (Recent acquisitions of the collection), Nova York, 1958.

·         V Bienal Internacional de Litografia Contemporânea em Cor - The Cincinnati Art Museum, Cincinnati, 1958.

·         XXX Bienal de Veneza, 1960.

Recife, 1º de julho de 2003.

 (Texto atualizado em 6 de setembro de 2007).

COMO CITAR ESTE TEXTO:

Fonte: ALOÍSIO Magalhães. Pesquisa Escolar On-line, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: 
<http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/>. Acesso em: dia  mês ano. Ex: 6 ago. 2009.

 
Copyright © 2018 Fundação Joaquim Nabuco. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido pela Fundação Joaquim Nabuco