Home
José Costa Leite

Lúcia Gaspar

Bibliotecária da Fundação Joaquim Nabuco

Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.

 

 

 

 

Considerado um dos nomes mais conhecidos da literatura de cordel do Nordeste brasileiro, José Costa Leite nasceu em Sapé, no estado da Paraíba, no dia 27 de julho de 1927.

 

Mora, há bastante tempo, em Condado, município da Zona da Mata de Pernambuco.

 

É um dos mais importantes e conceituados xilógrafos ou gravuristas do Brasil, dono de uma técnica apurada e de estilo muito pessoal.

 

Utilizando a sua quicé ou caxirenguengue (uma faca velha, imprestável e/ou sem cabo) na madeira do cajá – árvore da família das Anacardiáceas (Spondias lútea L), de textura mole, fácil de ser trabalhada e abundante na região nordestina - cria inúmeras xilogravuras, que ilustram as capas dos seus folhetos.

 

O antigo Instituto do Açúcar e do Álcool publicou, em 1972, um álbum com 21 xilogravuras de sua autoria, coletadas pelo folclorista Evandro Rabello, alusivas aos mais variados meios de transporte usados na zona canavieira do Nordeste, no passado e no presente: o carro de boi, a charrete, o caminhão, o trem, o cabriolé (espécie de carruagem) que antigamente conduzia a família do senhor de engenho, a rede, o cavalo, o trator.

 

José Costa Leite começou a escrever poesia popular aos 20 anos, possuindo atualmente mais de 500 folhetos. Sua arte, além de ter sido exposta em diversos estados brasileiros, é também conhecida internacionalmente, através de exposições realizadas em Nova Iorque, nos Estados Unidos e em Santiago, no Chile.

 

Em dezembro de 2006, José Costa Leite recebeu o título de Patrimônio Vivo de Pernambuco, junto com o Clube de Alegoria e Crítica O Homem da Meia-Noite e a artista circense Índia Morena (Margarida Pereira de Alcântara).

Biblioteca Central Blanche Knopf, da Fundação Joaquim Nabuco, possui no seu acervo uma grande coleção de folhetos de sua autoria.

A seguir uma relação alfabética de alguns de seus folhetos de cordel:

 

. ABC do cachaceiro  

             . Bandeira sempre ao alto, presença de Pernambuco 

. Beijo de mulher bonita e carinho de mulher feia 

             . A Boa vida do rico e a triste vida do pobre  

             . O Boi do pé da cajarana  

             . O Boiadeiro do sertão e a filha do fazendeiro 

             . A briga de A. Silvino com Lampião no inferno

             . A carta misteriosa do Padre Cícero Romão

             . O casamento de Camões com a filha do rei

             . O conselho da mocidade

             . Os dez Mandamentos, o Pai Nosso e o credo dos cachaceiros

             . O Diabo e o camponês

             . O dicionário do amor

             . Discussão de um fiscal com um matuto 

             . Discussão de Rodolfo Cavalcante com José Costa Leite 

             . O encontro de Lampião com a negra dum peito só

             . A filha que matou o pai por causa de uma pitomba

             . O Frei Damião sonhou com o Padre Cícero Romão

             . A herança da minha avó (ou o cavalo para gatão)

             . História de três amigos ou o poder do dinheiro  

             . O homem que enricou porque plantava algodão

             . Homem que foi se enforcar – com medo da carestia

             . Jorge e Luizinha  

             . Josimar e Anita ou o galo de ouro

             . Lampião fazendo o diabo chocar um ovo

             . O lubisomem da Paraíba

             . O matador de onças

             . A mensagem de Jesus ou o Sermão da Montanha

             . A moça que “pisou” Santo Antônio no pilão prá casar com o boiadeiro

             . A moça que virou porca em Rio Tinto

             . Mulher bonita e cheirosa deixa o homam arrepiado

             . Mulher é como café quanto mais quente melhor

             . A mulher que engoliu um par de tamancos com ciúme do marido

             . A mulher que quebrou as “gaias” do marido com uma mão de pilão

             . Não há quem saiba entender o coração da mulher

             . Nascimento,vida e morte de Antonio Silvino

             . Um passeio a São Saruê

             . Peleja de Geraldo Mousinho com Cachimbinho

             . Peleja de José Costa com Ana Rôxinha

             . Peleja de José Costa com José Jeronimo 

             . Peleja de José Costa com a Sabiá do Sertão

             . Peleja de José Costa Leite com Maria Quixabeira 

             . Um pequeno agricultor que se tornou fazendeiro

             . O pobre homem caipora e o Doutor Sabe-Tudo

             . A pobreza morrendo de fome, no golpe da carestia

             . Os quatro conselhos do fazendeiro Adriano

             . Quem gosta da corrução só quer morar em Campina

             . O rapaz que beijou o pai da moça enganado

             . O rapaz que virou bode porque profanou de Frei Damião[sic]

             . A santificação, a oração e a profecia do Padre Cícero Romão

             . Satanás na gafieira

             . O satanaz reclamando a corrução de hoje em dia

             . Sertão, folclore e cordel: a boiada sertaneja  

             . Os sinais do fim do mundo e as três pedras de carvão

             . As travessuras de Pedro Malazarte

             . Vassourinhas e sua tradição

             . A véia debaixo da cama e a perna cabeluda

             . A verdadeira riqueza

             . A vida de João Malazarte

             . A vida de Lampião e Maria Bonita  

             . A Voz de Frei Damião

 

 

 

                                                                                

Recife, 5 de fevereiro de 2007.

Atualizado em 28 de agosto de 2009.

Atualizado em 21 de julho de 2017.

 

 

 

 

 

 

FONTES CONSULTADAS:

 

 

 

 

 

JOSÉ Costa Leite. Disponível em:  <http://www.ablc.com.br/historia/hist_cordelistas.htm>. Acesso em: 23 jan.2007
 
JOSÉ Costa Leite [Foto neste texto]. Disponível em: <http://www.cultura.pe.gov.br/wp-content/uploads/2014/05/DSCF1274-foto-jaqueline-silva.jpg>. Acesso em: 21 jul. 2017. 
 
MARANHÃO, Liêdo. O folheto popular, sua capa e seus ilustradores. Recife: Fundaj, Ed. Massangana, 1981. (Série monografias, 20). 
 
REGISTRO do Patrimônio Vivo tem três novos nomes:  Disponível em: <goo.gl/4LB6HQ>. Acesso em: 23 jan. 2007.
 
TRANSPORTES na zona canavieira: vinte e uma xilogravuras de José Costa Leite. Rio de Janeiro: IAA; Divisão de Administração Serviço de Documentação, 1972.

 

 

 

 

 

 

COMO CITAR ESTE TEXTO:

 

 

 

 

 

Fonte: GASPAR, Lúcia. José Costa Leite. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/>. Acesso em: dia  mês ano. Ex: 6 ago. 2009.

 

Busca "Palavra-chave"

Busca "A a Z"


Copyright © 2019 Fundação Joaquim Nabuco. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido pela Fundação Joaquim Nabuco