Home
Joaquim Cardozo

Maria do Carmo Andrade

Bibliotecária da Fundação Joaquim Nabuco

Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.

 

 


Joaquim Maria Moreira Cardozo, engenheiro calculista de muitos palácios públicos de Brasília e um dos maiores poetas da literatura brasileira, nasceu
  no dia 26 de agosto de 1897, na cidade do Recife, filho de José Antônio Cardozo e Elvira Moreira Cardozo.

Estudou no Ginásio Pernambucano. Com os colegas do Ginásio editou o jornal O Arrabaldeórgão lítero-elegante, com sede em Tejipió, onde fez a sua estréia literária, publicando um primeiro conto intitulado “Astronomia alegre”, na edição de 15 de novembro de 1913.

No ano seguinte, iniciou-se como caricaturista e chargista nas edições de domingo do Diario de Pernambuco e do Diário da Tarde, em parceria com Jader de Andrade, que assinava os textos.

 

Entra na Escola de Engenharia em 1915, interrompendo o curso várias vezes. Seu primeiro emprego foi como topógrafo da Comissão Geodésica do Recife. Realizou levantamentos topográficos nos arredores do Recife, sob as ordens do engenheiro Domingos Ferreira.

 

Na Revista do Norte, publica seus primeiros poemas e participa também como ilustrador, tendo criado vinhetas e todo um alfabeto de capitulares (letra maiúscula inicial dos capítulos, em geral, ornamentada), com temas da flora regional. Em 1925, a revista publica o seu poema mais famoso, escrito em 1924:“Recife morto”.

 

Em 1930, Joaquim Cardozo conclui o curso de engenharia na Escola de Engenharia do Recife, tendo trabalhado nesse período como desenhista do Departamento de Engenharia em projetos de irrigação e perfuração de poços tubulares, com o engenheiro alemão Von Tilling, para vários municípios de Pernambuco.

 

Após a morte de Von Tilling, Joaquim Cardozo ainda estudante (1929/1930) foi encarregado do projeto de irrigação de uma das ilhas do rio São Francisco. Em seguida, executa os cálculos das curvas parabólicas verticais da primeira rodoviária com  pavimentação em concreto do Nordeste, contratada pelo Governo do Estado com a firma Dolabela & Portela.

 

A partir de 1931, como engenheiro recém-formado, trabalha na Secretaria Estadual de Viação e Obras Públicas, sobretudo como engenheiro rodoviário. Em 1934, Joaquim Cardozo incorpora-se à equipe do arquiteto Luiz Nunes, especialmente contratado pelo Governo do Estado para organizar, no âmbito da Secretaria de Viação e Obras Públicas, a Diretoria de Arquitetura e Construção, a primeira instituição governamental criada no Brasil com essa finalidade.   

 

Integrou a Direção e o Conselho de redação da Revista Módulo, juntamente com Oscar Niemeyer, Rodrigo M. Franco, Marcos Jaimovich, Rubem Braga, Vinícius de Moraes, José de Souza Reis, Arthur Lúcio Pontual e outros.

 

Foi também professor da Escola de Engenharia e um dos fundadores da Escola de Belas-Artes do Recife. Pioneiro da Arquitetura moderna, renovou a concepção estrutural do concreto armado e os métodos de cálculo, contribuindo para a evolução da Engenharia Civil.

 

Transferiu-se para o Rio de Janeiro em 1940, onde se associou a Oscar Niemeyer, vindo a participar da construção de Brasília e de muitos outros projetos de Niemeyer no exterior.

 

Suas principais obras de Arquitetura com projeto estrutural foram:

 

No Rio de Janeiro: Monumento aos mortos da segunda Guerra Mundial; Estádio Gilberto Cardoso (Maracanãzinho); Residência de Oscar Niemeyer.

 

Em São Paulo: Fábrica de biscoitos Duchen, que obteve o prêmio da Bienal de São Paulo; a chácara Flora do Instituto dos Bancários; o Laboratório de Motores; as Oficinas e o Túnel aerodinâmico do Centro Técnico da Aeronáutica (ITA).

 

Em Brasília: Palácios da Alvorada, do Planalto, do Supremo Tribunal Federal, do Itamarati, do Congresso Nacional e da Justiça; o Ministério do Exército, o Tribunal de Contas da União; a Catedral; o Cine Brasília; a Igreja Nossa Senhora de Fátima e o Museu de Brasília.

 

No Recife, convidado pelo arquiteto Acácio Borsoi, executou os projetos estruturais para os edifícios Bandepe; Bancipe; Miguelangelo; Portinari e Valásques.

 

Joaquim Cardozo conviveu com escritores pernambucanos residentes no Rio de Janeiro, particularmente com Manuel Bandeira, o poeta, e João Cabral de Melo Neto, destacando-se também na poesia moderna brasileira.

 

São as seguintes suas principais obras literárias: Signo estreladoTriviumMundos paralelos, reunidos depois nas Poesias Completas; O coronel de Macambira(bumba-meu-boi); De uma noite de festa; O capataz de Selema; Antônio Conselheiro e Marechal boi-de-carro, peças de cunho folclórico.

 

Cardozo doou sua biblioteca, com aproximadamente 7.500 títulos, à Universidade Federal de Pernambuco. Recebeu muitas homenagens, entre outras, a de sócio benemérito do Instituto de Arquitetura do Brasil (IAB-PE), paraninfo da turma Joaquim Cardozo dos concluintes de Engenharia da Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP) e o título de doutor honoriscausa pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

 

Joaquim Cardozo morreu em Olinda, Pernambuco, no dia 4 de novembro de 1978. Deixou diversos livros inacabados, que foram publicados posteriormente.

 

 

 

Recife, 25 de maio de 2004.

Atualizado em 11 de setembro de 2009.

Atualizado em 21 de agosto de 2017.

 

 

 

 

 

FONTES CONSULTADAS:

 

 

 

 

CRONOLOGIA de Joaquim Cardozo (1897-1978). Notas biográficas reunidas por Geraldo Santana. Suplemento Cultural. Diário Oficial. Estado de Pernambuco. Recife, ano 12, ago. 1997. (Suplemento com o título Engenharia e arte, dedicado ao Centenário de Joaquim Cardozo).

 

ENCICLIPÉDIA Mirador Internacional. São Paulo: Encyclopaedia Britannica do Brasil, 1995.

 

FÉLIX, Moacyr. Nosso adeus a Joaquim Cardozo. In: ENCONTROS com a Civilização Brasileira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978. v. 6, p. 83-95.

 

JOAQUIM CARDOZO [Foto neste texto]. Disponível em: <http://ultimosegundo.ig.com.br/cultura/2012-12-06/niemeyer-e-joaquim-cardozo-uma-parceria-magica-entre-arquiteto-e-engenheiro.html>. Acesso em: 21 ago. 2017. 

 

 

 

 

 

COMO CITAR ESTE TEXTO:

 

 

 

 

Fonte: ANDRADE, Maria do Carmo. Joaquim Cardozo. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/index.php>. Acesso em: dia  mês ano. Ex: 6 ago. 2009.


 
Copyright © 2019 Fundação Joaquim Nabuco. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido pela Fundação Joaquim Nabuco