Home
Frei Caneca

Elizabeth Dobbin

Servidora da Fundação Joaquim Nabuco

Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.

 

 


Frei Joaquim do Amor Divino Caneca nasceu no Recife, no dia 20 de agosto de 1779, recebendo o nome de Joaquim da Silva Rabelo. Filho do português Domingos da Silva Rabelo e Francisca Maria Alexandrina de Siqueira, que moravam em Fora de Portas, próximo do demolido Arco do Bom Jesus. Seu pai era tanoeiro – fabricava vasilhames de flandres, daí o apelido de Caneca.

 

Em 1796, aos 17 anos, tomou o hábito carmelita e aos 22, com licença do Núncio Apostólico de Lisboa ordenou-se padre passando a chamar-se Joaquim do Amor Divino, acrescentando o apelido Caneca, em homenagem a seu pai.

 

Foi um dos grandes pensadores literários no momento da Independência brasileira. Vivia em Pernambuco quando da inquietação em torno da separação com Portugal e lugar onde a agitação era maior do que no resto do país. Muito combativo, lutava contra o despotismo (o poder absoluto e autoritário) e as relações de dependência que caracterizavam a situação colonial.

 

Foi professor de retórica e geometria e depois de filosofia racional e moral, em Pernambuco e Alagoas.

 

Em 1817, Frei Caneca iniciou sua ação política com a Revolução Republicana em Pernambuco. Com o fracasso do movimento foi preso e enviado para Salvador, sendo libertado em 1821 pelo movimento constitucionalista de Portugal, regressando então a Pernambuco.

 

Escreveu, em 1822, “Dissertação sobre o que se deve entender por pátria do cidadão e deveres deste para com a mesma pátria” e, em 1823, “O caçador atirando à arara pernambucana” e as “Cartas de Pítia a Damão”.

 

Redige e publica, também em 1823, o Typhis Pernambucano, jornal de sua propriedade, do qual foi fundador e principal editor. O jornal era semanal e autofinanciado e um veículo usado por Frei Caneca para criticar a situação política do seu tempo e atingir as massas, esclarecendo-as sobre a  defesa dos seus direitos.

 

Em 1824, tornou-se um dos conselheiros da junta de Manuel de Carvalho Paes de Andrade, opinando contra o reconhecimento de Francisco Paes Barreto como presidente de Pernambuco, a favor da invasão de Alagoas e contra o juramento da Constituição outorgada por D. Pedro I.

 

Neste mesmo ano, as províncias do Norte se opõem ao poder imperial formando a Confederação do Equador. Frei Caneca foi um dos seus chefes, e após o seu fracasso, retirou-se para o interior, na companhia de parte das tropas, ocasião em que escreveu o “Intinerário”.

 

Ainda em 1824, foi preso no Ceará e submetido a julgamento pela Comissão Militar, sendo condenado à morte por enforcamento.

 

A 13 de janeiro de 1825, foi executado no Forte das Cinco Pontas, no Recife. Porém, na ocasião da execução não houve carrasco que se prestasse a enforcá-lo, sendo então fuzilado, ocasião em que demonstrou grande serenidade e coragem.

 

Foi enterrado no Convento do Carmo, no Recife e sua morte foi considerada heróica, cercada de uma auréola de legenda mística pelo povo do Nordeste.

 

 

Recife, 6 de maio de 2004.

Atualizado em 18 de agosto de 2009.
Atualizado em 11 de agosto de 2017.

 

 

 

 

FONTES CONSULTADAS:

 

 

 

 

DICIONÁRIO Enciclopédico Brasileiro Ilustrado. 6.ed.Porto Alegre: Globo, 1958.

 

FREI CANECA [Foto neste texto]. Disponível em: <https://poetatalis.files.wordpress.com/2015/01/caneca-2.jpg>. Acesso em: 11 ago. 2017.

 

MELLO, Evaldo Cabral de. Frei Joaquim do Amor Divino Caneca. São Paulo: Editora 34, 2001.

 

PEREIRA, Nilo. Frei Caneca e o “Typhis Pernambucano”. In: ____. Tempo mágico. Recife: UFPE. Ed. Universitária, 1975. p.25-35.

 

 

 

 

COMO CITAR ESTE TEXTO:

 

 

 

 

Fonte: DOBBIN, Elizabeth. Frei Caneca. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: < http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/index.php>. Acesso em: dia  mês ano. Ex: 6 ago. 2009.

 

 

 

 

 

 
Copyright © 2019 Fundação Joaquim Nabuco. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido pela Fundação Joaquim Nabuco