Home
Biblioteca Pública de Pernambuco

Semira Adler Vainsencher
Pesquisadora da Fundação Joaquim Nabuco
Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.

 

A Biblioteca Pública de Pernambuco foi criada durante a administração do Conde da Boa Vista, em 1841, mas só teve a sua inauguração, na sala de desenho do Liceu Pernambucano, no dia 5 de maio de 1852.

A biblioteca passou por várias mudanças, desde então. Ela foi instalada no Colégio das Artes (na rua do Hospício), depois mudou-se para o convento do Carmo, em Olinda, e veio depois para um prédio situado na praça da República.

Em 1930, a biblioteca foi transferida para o prédio de número 371 da rua do Imperador, onde, desde 1731, funcionava a Cadeia Nova, a segunda cadeia do Recife, e que, posteriormente, abrigou a sede do Senado da Câmara - o Fórum de Pernambuco.

Cabe registrar, a título de informação, que, na segunda cadeia do Recife, estiveram presos grandes patriotas brasileiros de 1817 e 1824, como o frade carmelita Joaquim do Amor Divino Caneca, conhecido como Frei Caneca. De lá, o frade foi levado pelas ruas do Recife, a pé, com destino ao Forte das Cinco Pontas, onde foi executado a tiros de arcabuz.

Em março de 1975, por não conseguir mais comportar os seus 70.000 volumes, a Biblioteca Pública mudaria novamente. Da rua do Imperador, dessa vez, ela veio para um novo prédio situado no parque 13 de Maio, no bairro de Santo Amaro, local onde se encontra até o presente. No lugar da antiga biblioteca, instalou-se o Arquivo Público Estadual.

Desde 1975, a Biblioteca Pública passou a se chamar Biblioteca Estadual Presidente Castelo Branco. Hoje, o seu acervo conta com cerca de 100.000 livros, 15.000 folhetos, 430 mapas e 1.450 volumes de jornais, mas tem capacidade para abrigar 250.000 volumes.

Em se tratando de jornais, é possível se encontrar o Diario de Pernambuco desde o dia 15 de janeiro de 1828; o Jornal do Commercio, com exemplares anteriores à Revolução de 1930; e os primeiros exemplares dos jornais do Estado mais antigos surgidos em 1821, como Aurora PernambucanaSegarrega, e Relator Verdadeiro.

No que se refere à seção de manuscritos, o acervo contém cartas e ordens régias, sesmarias, ofícios do Governo, patentes e atos de Câmaras Municipais desde a segunda metade do século XVII (época da Capitania ou Província). E, presentes na seção de raridades, existem livros raros, em suas edições originais, concernentes à História do Brasil colonial e à Geografia.

A Biblioteca possui seções de Coleções Especiais (periódicos, manuscritos, iconografia, obras raras), Referência, Atividades em Grupos, Extensão, Audiovisuais e Música, Biblioteca Circulante e Biblioteca Infantil.

Pela Biblioteca Estadual Presidente Castelo Branco passaram renomados pesquisadores e estudiosos, a exemplo de Gilberto FreyrePereira da Costa,José Antônio Gonsalves de MelloAlfredo de CarvalhoPaulo Cavalcanti, entre outros expoentes da cultura brasileira.

Recife, 7 de abril de 2004.

(Texto atualizado em 25 de setembro de 2007).

 

FONTES CONSULTADAS:

 

FRANCA, Rubem. Monumentos do Recife. Recife: Secretaria de Educação e Cultura, 1977.

 

ROCHA, Tadeu. Roteiros do Recife. Recife: Mousinho, 1959.

 

COMO CITAR ESTE TEXTO:

 

Fonte: VAINSENCHER, Semira Adler. ABiblioteca Pública de Pernambuco. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar>. Acesso em:dia  mês ano. Ex: 6 ago. 2009.

 

Busca "Palavra-chave"

Busca "A a Z"


Copyright © 2019 Fundação Joaquim Nabuco. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido pela Fundação Joaquim Nabuco