Home B
Beberibe (Bairro, Recife)

Semira Adler Vainsencher
Pesquisadora da Fundação Joaquim Nabuco
Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.


Na língua indígena tupi, a sílaba "ja" aparecia no começo de certas palavras. Com o passar do tempo, foi desaparecendo, como jamandakuru, que virou mandakaru; e com a palavra jabebyra, no topônimo Jabebyrype, que se transformou em Bebyrype e, depois, em Beberibe. Contudo, há certa polêmica quanto ao significado dessa palavra. Alguns consideram que é "vela bipe", ou seja, lugar onde cresce a cana; outros afirmam que o nome vem do tupiIabebier-y, que significa rio das raias, dos peixes chatos; e outros ressaltam que o nome vem de bebé e ribe, que significa voar em bando, referindo-se aos pássaros que se reuniam nas margens daquele rio. Como pode ser observado, o termo passou por várias transformações, mas, há alguns séculos, o nome utilizado tem sido o de Beberibe.

 

O rio Beberibe nasce no município Camaragibe, a partir da confluência dos rios Pacas e Araçá, e possui 23,7 km de extensão. Sua bacia hidrográfica mede 81 km2 e envolve uma parte dos seguintes municípios: Recife (65%), Olinda (21%) e Camaragibe (14%). Devido ao déficit no saneamento básico de Olinda e Recife, assim como da ocupação urbana das encostas das margens, o rio é considerado um dos mais poluídos do Estado. Em todo o seu percurso, porém, ele recebe as águas dos afluentes: Pimenteiras, Secca, Marmajudo, Dois Unidos, Água Fria, Assador de Varas ou Chã de Piabas, Beringué ou Roncador, Quimbuca, Tapa d’Água ou Coelhas, Lava-Tripas, e o Beberibe-mirim ou Morno. Hoje, dentre seus principais afluentes, estão o Canal da Malária, o Córrego do Euclides e o Canal Vasco da Gama.

 

O rio Beberibe passa ao norte da cidade do Recife, misturando-se às águas do rio Capibaribe, que vêm do sul. Aquele rio nasce de um pequeno olho d’água, situado entre os municípios de São Lourenço e Olinda, nas matas dos antigos engenhos Timbó e Massiape, em um lugar chamado Cabeça de Cavalo. Dali recebe as águas de outros riachos e vertentes.

 

O vale do Beberibe é bastante estreito, passando por terrenos baixos e pantanosos, desde a sua nascente até a povoação do mesmo nome. Por isso, seus terrenos laterais - formados por barro ferruginoso e massapé - são inundados, tão logo ocorra uma cheia.

 

No início da colonização, o rio Beberibe banhava as propriedades Ferraz, Pimenteiras, Passarinho, Beringué, Quimbuca, entre outras, passava pelo município de Olinda, banhava o Cumbe, as povoações de Beberibe, do Porto da Madeira, do Coqueiro, do Sítio dos Craveiros, do Fundão, do Salgueiro e do Peixinho, prosseguia ao longo do istmo de Olinda, entre os bairros de Santo Amaro das Salinas e de São Frei Pedro Gonçalves, correndo ao encontro do Capibaribe, no extremo meridional da ilha de Santo Antônio. No presente, mais de 500 mil pessoas moram em áreas banhadas pela Bacia do Beberibe.

 

No local onde se encontram os rios Beberibe e Capibaribe, próximo ao final da Rua da Aurora, pode ser visto um casarão que foi construído por Mamede Ferreira. Esses dois grandes rios passam, hoje, sob as pontes Buarque de Macedo e Sete de Setembro, atual Maurício de Nassau, e vão desaguar no oceano Atlântico. Inaugurada no dia 30 de julho de 1966, e passando sobre o rio Beberibe, a ponte de Limoeiro une o Forte do Brum ao bairro de Santo Amaro.

 

Uma das localidades mais antigas do Recife, que remonta à metade do século XVI, possui também o nome de Beberibe porque é banhada por esse rio. Naquela época, prosperava em Pernambuco a cultura da cana-de-açúcar. Registra a história que Diogo Gonçalves, auditor da Capitania, quando se uniu a Isabel Fróis – uma importante dama que era protegida pela rainha Catarina, esposa de D. João III, e que veio de Portugal em 1535 - recebeu como dote de casamento uma extensa propriedade abrangendo áreas dos atuais bairros de Casa Forte, da Várzea e de Beberibe.

 

O auditor da Capitania tratou logo de organizar o seu feudo. Como sede da propriedade, escolheu as terras de Casa Forte, na margem direita do rio Beberibe, construiu um grande engenho, uma casa de vivenda, uma fábrica e uma capelinha; e, na Várzea, levantou outro engenho, ao qual deu o nome Santo Antônio da Várzea.

 

Essas terras passaram para Leonardo Fróis, herdeiro do casal, e depois foram vendidas a um colono: Antônio de Sá. Em 1637, ele teve a propriedade confiscada pelos holandeses que venderam-na a Duarte Saraiva, com o nome de Engenho Eenkalchoven, pelo preço de dez mil florins.

 

Os pintores flamengos, integrantes da comitiva do conde Maurício de Nassau, conseguiram registrar a beleza da localidade; e essas pinturas foram oferecidas ao rei Luís XV, da França, contendo uma inscrição onde o rio Beberibe foi citado como Bibaribe.

 

La riviére se nomme Bibaribe; de delá c’est un moulin à sucre avec la demeure du seigneur, et plus haut la chapelle.

 

Quando os holandeses foram expulsos de Pernambuco, os herdeiros de Antônio de Sá reivindicaram seus direitos de posse e as autoridades portuguesas os concederam: as terras passaram, então, às mãos de José de Sá e Albuquerque. Não se preocupando mais com a indústria açucareira, segundo consta em documentos antigos, José transformou a propriedade na Fazenda Beberibe, passando a explorar as madeiras de suas matas e a fabricar carvão vegetal. Cabe ressaltar que as madeiras eram transportadas através de balsas, que desciam o rio Beberibe, indo até a cidade de Olinda onde, em suas vizinhanças, era produzido o carvão.

 

Sendo repassada de herdeiro para herdeiro, foram desaparecendo os aspectos do antigo feudo açucareiro. Em meados do século XVIII, a propriedade começou a ser negociada através de lotes isolados de terras, que continuaram a explorar a indústria de carvão vegetal, desapareceram os engenhos e a capelinha, e surgiu um povoado que, basicamente, cultivava lavouras de feijão, alguns tubérculos e fabricava farinha de mandioca.

 

Em 1767, concluiu-se a construção de um templo religioso, sob a invocação de Nossa Senhora da Conceição do Beberibe. Na capela-mor (ainda existente), o mestre Simão dos Santos Pereira entalhou, em 1780, uma de suas belas obras.

 

No princípio do século XIX, abriu-se uma estrada ligando a Encruzilhada de Belém a Beberibe. Meio século depois (em 1865), praticamente, surgiram linhas da estrada de ferro, ligando Recife e Olinda. Os bondes elétricos, porém, só foram disponibilizados em 1922.

 

No tocante aos dados históricos, na localidade de Beberibe, os liberais pernambucanos levantaram suas armas contra o capitão-general Luís do Rego Barreto, e instalaram o quartel-general do Movimento. Em outubro de 1821, foi assinada a famosa "Convenção do Beberibe", nas matas das redondezas, pondo um fim à gestão do último governador português.

 

Também em Beberibe, em novembro de 1848, ocorreu um grande combate entre os integrantes da Revolução Praieira e as forças de Tosta. Apesar de sua importância, só no dia 2 de maio de 1879, a localidade foi elevada à categoria de Freguesia e desmembrada da Sé de Olinda.

 

Os atuais bairros de Água Fria, Fundão e Cajueiro nasceram de Beberibe e, no presente, este último tem uma divisão administrativa bipartida entre os municípios de Olinda e Recife. No período de 1816 à 1817, sobre aquela localidade, um cronista registrou:

 

Deixando o Recife passa-se pelo povoado de Beberibe, situado sobre o rio do mesmo nome, ornado de lindas casas de campo; e que ali se lava quase a maior parte da roupa do Recife, onde há falta de água doce.

 

Em pleno século XXI, o problema só se agravou: as águas do rio Beberibe se encontram extremamente poluídas, sendo impróprias, inclusive, para a lavagem de roupa; e, por incrível que possa parecer, quase duzentos anos após a passagem daquele cronista, continua faltando água doce nos municípios do Recife e Olinda e na maioria dos municípios do Estado de Pernambuco.

 

 

 

Recife, 24 de julho de 2003.

(Texto atualizado em 11 de junho de 2008).

 


 

FONTES CONSULTADAS:

 


CAVALCANTI, Carlos Bezerra. O Recife e seus bairros. Recife: Câmara Municipal do Recife, 1998.

 

COMPESA, Secretaria de Recursos Hídricos. Seminário discute revitalização do Beberibe. Disponível em: <http://www.compesa.com.br/index.php?option=content&task=view&id=451&Itemid=1>. Acesso em 11 jun. 2008.

 

FRANCA, Rubem. Monumentos do Recife: estátuas e bustos, igrejas e prédios, lápides, placas e inscrições históricas do Recife. Recife: Secretaria de Educação e Cultura, 1977.

 

GALVÃO, Sebastião de Vasconcellos. Diccionario chorografico, histórico e estatístico de Pernambuco. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1908. 4v.

 

GUERRA, Flávio. Velhas igrejas e subúrbios históricos. Recife: Fundação Guararapes, 1970.


 

 

 

COMO CITAR ESTE TEXTO:

 


Fonte: VAINSENCHER, Semira Adler. Beberibe (rio e bairro, Recife). Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar>. Acesso em: dia  mês ano. Ex: 6 ago. 2009.

 

 

 

 

 

 

 
Copyright © 2018 Fundação Joaquim Nabuco. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido pela Fundação Joaquim Nabuco