Home B
Brincadeiras de Roda

Lúcia Gaspar

Bibliotecária da Fundação Joaquim Nabuco

Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.

 

 
Veja também a Atividade Pedagógica Brincadeiras de Roda!

 

As cantigas e brincadeiras de roda são manifestações folclóricas onde as crianças se dão as mãos, formam uma roda e cantam melodias que podem ou não ser acompanhadas de coreografia.

Antigamente, eram muito comuns no cotidiano infantil da criança brasileira. Hoje, no entanto, é uma manifestação que está sendo esquecida, pois as crianças estão mais interessadas em outros tipos de música e brincadeiras.

As cantigas de rodas, tanto brasileiras quanto estrangeiras, são basicamente folclóricas. Possuem letras, melodias e ritmos simples e lúdicos, envolvendo brincadeiras, danças e trava-línguas. As músicas utilizam, normalmente, um compasso binário.

Alguns acreditam que são originárias de modificações feitas em músicas de autores populares ou criadas anonimamente pelo povo. Por serem repassadas, de geração em geração, através do que se chama transmissão oral, é comum existirem diferenças regionais nas letras de algumas delas.

As brincadeiras de roda ajudam a sociabilizar e desinibir as crianças, uma vez que exigem o olhar frente a frente, o toque corporal, a exposição, pois em muitas delas cada um deve se apresentar no centro da roda. Auxiliam no desenvolvimento da expressão corporal, senso rítmico e organização coletiva. São também um dos elementos importantes para a integração e o lazer infantil.

Uma das cantigas de roda mais conhecidas e cantadas em todo o Brasil era a Ciranda, Cirandinha:

Ciranda, cirandinha

Vamos todos cirandar.

Vamos dar a meia volta,

Volta e meia vamos dar.

 

O anel que tu me deste

Era vidro e se quebrou.

O amor que tu me tinhas

Era pouco e se acabou.

 

(Cavalheiro troca o par)

Este par não é o meu.

Este par está trocado.

O meu está de azul,

Este está de encarnado.

 

Com o intuito de divulgar cantigas e brincadeiras de roda conhecidas no Nordeste, transcreve-se abaixo as letras e as coreografias (quando for o caso) de algumas delas.

 

 

Atirei o pau no gato

 

Atirei a o pau no gato, t-o-tó

Mas o gato-t-o-tó

Não morreu, reu, reu

Dona Chica, ca, ca

Adimirou-se, se

Do miau, do miau que o gato deu

Miau!!

 

 

No final da música, todos os componentes do grupo se acocoram e gritam Miau!!

 

 

Fui à Espanha

 

Fui à Espanha

Buscar o meu chapéu,

Azul e branco,

Da cor daquele céu.

 

Olha a palma, palma, palma.

Olha pé, pé, pé.

Olha roda, roda, roda.

Caranguejo peixe é.

 

Caranguejo não é peixe.

Caranguejo peixe é.

Caranguejo só é peixe

Na enchente da maré.

 

Samba, crioula,

Que veio da Bahia,

Pega a criança

E joga na bacia.

 

A bacia é de ouro

Areada com sabão

E depois de areada

Enxugada com um roupão.

 


            O roupão é de seda,

Camisinha de filó.

Cada um pegue seu par

Para dar bênção a vovó.

 

A bênção, vovó !

A bênção, vovó!

 

 

Os participantes dramatizam a cantiga na roda: fazem com as mãos a forma de um chapéu, apontam para o céu, batem palmas, batem o pé, rodopiam e interpretam a música coreograficamente. No final, cada pessoa pega um par e corre para tomar a benção de quem ficar só ou a outra pessoa que estiver por perto, no caso de todos os participantes da roda conseguirem um par.

 

 

Pai Francisco

 

 

Pai Francisco entrou na roda

Tocando seu violão

Banlanlão, banbão

Balanlão, banbão

 

Vem de lá seu delegado

Que Pai Francisco

Entrou na prisão

 

Quando ele vem

Se requebrando

Parece um boneco

Se desmanchando

 

 

Os participantes acompanham a música imitando um tocador de violão e se requebrando.

 

 

Pirulito que bate, bate

 

 

Pirulito que bate, bate

Pirulito que já bateu

Quem gosta de mim é ela

Quem gosta dela sou eu

 

 

 

Eu entrei na roda

 

 

Eu entrei na roda

Eu não sei como se dança

Eu não sei a contradança

Eu não sei dançar


Recife, 24 de novembro de 2006.
(Atualizado em 21 de agosto de 2009).
Ilustrações de Rosinha e Montenegro, respectivamente.

 

 

 

 

 

FONTES CONSULTADAS:

 

ARTES populares: cantigas de roda. Disponível em: <http://www.edukbr.com.br/artemanhas/cantigasderoda.asp>. Acesso em: 9 nov. 2006.

 

CANTIGA de roda. Disponível em: < http://pt.wikipedia.org/wiki/Cantiga_de_roda>. Acesso em: 9 nov. 2006.

 

CANTIGAS de roda. Disponível em: <http://www.clicfilhos.com.br/site/display_materia.jsp?titulo=Cantigas+de+roda+e+can%E7%F5es+de+ninar>. Acesso em: 9 nov. 2006.

 

PEDREIRA, Esther. Folclore musicado da Bahia. Salvador: Governo do Estado da Bahia, 1978.

 

 

COMO CITAR ESTE TEXTO:

 

Fonte: GASPAR, Lúcia. Brincadeiras de roda. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar>. Acesso em: dia  mês ano. Ex: 6 ago. 2009.

 
Copyright © 2017 Fundação Joaquim Nabuco. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido pela Fundação Joaquim Nabuco