Home F
Catullo da Paixão Cearense

Semira Adler Vainsencher

Pesquisadora da Fundação Joaquim Nabuco

Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.

 

No dia 8 de outubro de 1863, em São Luís, Estado do Maranhão, nascia Catullo da Paixão Cearense. Os seus pais eram Maria Celestina Braga da Paixão e Amâncio José da Paixão Cearense, um ourives. Catullo tinha mais dois irmãos: Gil e Gerson. Quando ele tinha dez anos, os seus familiares se mudaram para o sertão do Ceará e, sete anos depois (em 1880), eles foram morar na rua São Clemente, número 37, em Botafogo, no Estado do Rio de Janeiro.

 

catullo


Catullo estudou no Colégio Teles de Meneses onde, entre outras disciplinas, aprendeu profundamente a língua francesa. Chegou a traduzir para o português as obras de diversos poetas de renome internacional e, em 1885, foi residir na casa do senador do Império Silveira Martins, para poder ensinar português aos filhos desse político.

Estudioso que era, o jovem Catullo também fundou um colégio no bairro da Piedade, Estado do Rio, passando a lecionar diversas línguas.

Pelo fato de possuir muita força física, o rapaz conseguiu um trabalho como estivador no cais do porto do Rio. Nas horas vagas, Catullo estudava música e chegou a tocar dois instrumentos: flauta de cinco chaves e violão.

Durante as noites, freqüentava repúblicas de estudantes, tendo como companheiros de boemia e de chorinhos o compositor Calado, o flautista Viriato, o regente e compositor Anacleto de Medeiros, além de Albano, Quincas Laranjeira e o cantor Cadete.

Catullo começou juntando as letras de uma série de músicas e canções e publicando-as através da Livraria do Povo. Posteriormente, passou a publicar, também, os seus trabalhos, a exemplo de O cantor fluminense, Lira dos salões, Novos cantares, Lira brasileira, Canções da madrugada, Trovas e canções e Choros ao violão. Ele era conhecido como "vate sertanejo".

As principais músicas compostas por Catullo foram as seguintes:

Flor amorosa (em parceria com Antônio Callado - 1880)

Luar do sertão (com João Pernambuco - 1914)

Ontem ao luar (com Pedro Alcântara, em 1907, e letra em 1913)

Por um beijo (com Anacleto de Medeiros -1906)

Rasga o coração (com Anacleto de Medeiros -1887)

Talento e formosura (com Edmundo Octávio Ferreira -1904)


Catullo escreveu 15 livros de poesias, dentre os quais se encontram: Meu sertão (em 1918), Sertão em flor (em 1919), Poemas bravios (em 1921), Mata iluminada e Aos pescadores (em 1923), Meu BrasilUm boêmio no céu e Alma do sertão (em 1928), e Poemas escolhidos (em 1944).

Como o poeta também era músico, ele costumava adaptar as suas poesias às canções de compositores famosos como Chiquinha Gonzaga, Anacleto de Medeiros, João Pernambuco, Pedro Alcântara, Antônio Callado, e nas vozes de Cadete, Vicente Celestino, Mário Pinheiro, Eduardo das Neves, entre outros. Neste sentido, os seus trabalhos conseguiam ser divulgados e ele adquiria bastante popularidade e fama.

No dia 10 de maio de 1946, aos 83 anos de idade, o célebre poeta popular, violinista, compositor, teatrólogo e cantor Catullo da Paixão Cearense veio falecer no Rio de Janeiro. O ilustre nordestino, contudo, já tinha se tornado em vida um imortal. Pelo menos através de sua música Luar do sertão, que todos os brasileiros continuam cantando em noites de luar:

 

Oh, que saudade

do luar da minha terra

lá na serra

branquejando folhas secas

pelo chão!

Este luar, cá da cidade

tão escuro,

Não tem aquela saudade

do luar

lá do sertão.

 

Estribilho

Não há

 

oh gente,

oh não,

luar

como esse

do sertão. (bis)

 

Se a lua nasce

por detrás da verde mata,

mais parece

um sol de prata

prateando a solidão!

E a gente pega na viola

que ponteia

e a canção

é a lua cheia

a nos nascer

do coração! ...

                                                                                    

 

Recife,  6  de  abril de 2004.

(Texto atualizado em 10 de outubro de 2007).

 

 

FONTES CONSULTADAS:

 


 

CATULLO da Paixão Cearense (foto). Disponível em: <http://paginas.terra.com.br/educacao/projetovip/catulo1.jpg>. Acesso em: 4 dez. 2003.

 

MEDIA Player (audio). Disponível em: <http://www.geocities.com/aochiadobrasileiro/Cronologia/1914/CabocadiCaxanga.mp3>. Acesso em: 4 dez. 2003.

 

SARAIVA, Gumercindo. Antologia da canção brasileira. São Paulo: Saraiva, 1963.

 

 

 

 

COMO CITAR ESTE TEXTO:

 

 

 

 

Fonte: VAINSENCHER, Semira Adler. Catullo da Paixão Cearense. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/index.php>. Acesso em:dia  mês ano. Ex: 6 ago. 2009.

 
Copyright © 2019 Fundação Joaquim Nabuco. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido pela Fundação Joaquim Nabuco