Home C
Casa da Cultura, Recife
Lúcia Gaspar

Bibliotecária da Fundação Joaquim Nabuco

Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.

 

 

 

 

Em 1848, o governo da Província de Pernambuco resolveu construir uma nova cadeia para a cidade do Recife e encarregou o engenheiro Mamede Alves Ferreira (1820-1862) de elaborar o projeto. Mamede também é o autor dos projetos do Ginásio Pernambucano e do Hospital Pedro II, no Recife.

 O projeto da nova Casa de Detenção do Recife ficou pronto em 1850 e foi concebido segundo o modelo de penitenciária mais moderno existente na época, que tinha como princípio básico dispor as celas dos detentos de uma maneira que elas pudessem ser vigiadas a partir de um único compartimento central de controle.

O prédio, com 8.400 metros quadrados de área construída e 6.000 metros quadrados de pátio externo, terminou de ser construído, em 1867, e custou 800 mil contos de réis ao governo de Pernambuco. O edifício, em forma de cruz é composto por quatro raios, Norte, Sul, Leste e Oeste, cada um com três pavimentos, que confluem para um saguão central coberto por uma cúpula metálica.

Em 15 de março de 1973, a Casa de Detenção do Recife foi fechada pelo então governador Eraldo Gueiros Leite, sendo os detentos transferidos para outros presídios do Estado, especialmente para a Penitenciária Agrícola de Itamaracá.

A idéia de transformar a antiga Casa de Detenç ão, prédio tombado pela Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe), na Casa da Cultura foi do artista plástico Francisco Brennand, na época em que exerceu o Chefia da Casa Civil, no primeiro governo de Miguel Arraes, entre outubro de 1963 até às vésperas do golpe militar de 1964. Ele queria criar em Pernambuco uma instituição similar aos centros de educação nas áreas de literatura, teatro, música e artes plásticas, que estavam sendo criadas na França pelo escritor André Malraux.

O projeto para restauração do antigo complexo neoclássico foi elaborado pela arquiteta ítalo-brasileira Lina Bo Bardi, juntamente com Jorge Martins Junior. A restauração e o aparelhamento ficaram sob a responsabilidade da Fundarpe.

Em agosto de 1975, enquanto estava sendo feito o trabalho de restauração do prédio foi realizado no local, sob o patrocínio da Rede Globo e Fundarpe, o II Salão de Arte Global de Pernambuco.

A inauguração da Casa da Cultura aconteceu no dia 14 de abril de 1976. Hoje, o local é um centro de cultura regional e ponto turístico obrigatório da cidade. Suas antigas celas são ocupadas por lojas de artesanato, livraria e lanchonetes. É um espaço para shows e representações folclóricas regionais e abriga também o Museu do Frevo.

Conservando as suas característica originais, a Casa da Cultura foi tombada como monumento histórico de Pernambuco, através do Decreto 6.687, de 3 de setembro de 1980.

                           

 

Recife,  21 de julho de 2003.

   (Atualizado em 25 de agosto de 2009). 

 

FONTES CONSULTADAS:

 

CARRAZONE, Erica. Brennand e a Casa da Cultura. Suplemento Cultural D.O PE, Recife, ano 10, p. 9, jan. 1997.

 

FRANCA, Rubem. Monumentos do Recife. Recife: Secretaria de Educação e Cultura de Pernambuco, 1977. p. 112.

 

SOUSA, Alberto. O classicismo arquitetônico no Recife imperial. João Pessoa: UFPB, Editora Universitária; Salvador: Fundação João Fernandes da Cunha, 2000. p. 86-98.

 

 

FONTES CONSULTADAS:

 

ACADEMIA Brasileira de Letras: os acadêmicos. Disponível em: <http://www.academia.org.br/>. Acesso em: 25 nov. 2004.

 

BLOCH, Israel; ABREU, Alzira Alves de (Coord.). Dicionário histórico-biográfico brasileiro: 1930-1983. Rio de janeiro: Forense Universitária; FGV/CPDOC; Finep, 1984. v. 2.

 

 

COMO CITAR ESTE TEXTO:

 

Fonte: GASPAR, Lúcia. Casa da Cultura (Recife, PE). Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/>. Acesso em: dia  mês ano. Ex: 6 ago. 2009.

 
Copyright © 2018 Fundação Joaquim Nabuco. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido pela Fundação Joaquim Nabuco