Home A
Pelópidas Silveira

 

Virginia Barbosa

Bibliotecária da

Fundação Joaquim Nabuco

Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.

 

 

          Pelópidas Silveira nasceu na cidade do Recife no dia 15 de abril de 1915, filho de Sizenando Elysio Silveira e Laura de Souza Silveira.

 

         Seus estudos primário e secundário, concluídos em 1930, foram realizados no Colégio Santa Margarida, no Ginásio do Recife, no Colégio Padre Félix e no Ginásio Pernambucano. No ano seguinte, ingressou na Escola de Engenharia e concluiu o curso de engenharia civil em 1935. A escolha desta profissão deve-se, principalmente, a influência do professor Luiz Freire, amigo do pai de Pelópidas. 

 

         

Sua vida profissional teve início quando ainda era estudante, aos dezoito anos, como auxiliar técnico no Porto do Recife. A partir de 1936, foi professor assistente da cadeira de Resistência de Materiais das Escolas de Engenharia e de Belas Artes, e professor titular de Construção Civil, Mecânica de Solos e Resistência de Materiais. Como funcionário público foi diretor da Diretoria de Viação e Obras Públicas do Estado de Pernambuco (1936-1937) e um dos organizadores do Instituto Tecnológico bem como de sua Seção de Solos e Fundações. Em 1955, quando foi eleito prefeito, sua vida profissional foi interrompida.

 

         O início da careira política de Pelópidas aconteceu por intermédio do interventor José Domingues, que o convidou para ser prefeito do Recife, embora não tivesse ligações políticas e não fosse filiado a nenhum partido. Esta gestão teve curta duração: de fevereiro a agosto de 1946. Nesse período, suas ações administrativas foram voltadas para a urbanização: abertura da Avenida Dantas Barreto e do trecho entre a Rua Nova e a Igreja de Nossa Senhora do Carmo; alargamento da Conde da Boa Vista e da Rua Dom Bosco; reforma da praça da Independência, pavimentação de ruas nos subúrbios mais distantes e da estrada que ligava os bairros da Encruzilhada e Beberibe, e alguns trabalhos no Bairro do Recife. Além dessas ações: tabelou o preço do peixe, na Semana Santa; criou feiras livres; instituiu a semana inglesa (semana de trabalho que exclui a tarde do dia de sábado), atendendo a antiga reivindicação dos comerciários; estimulou a construção de casa populares. Dessa forma, logo ganhou a admiração do povo. Com a posse do General Demerval Peixoto para governador de Pernambuco, Pelópidas foi afastado da Prefeitura.

 

         Em 1947, o Partido Comunista Brasileiro (PCB) e a Esquerda Democrática lançaram a candidatura de Pelópidas Silveira para o governo de Pernambuco. Entretanto, apesar de ter vencido no Recife e em mais sete cidades nos municípios da região metropolitana, foi derrotado por Barbosa Lima Sobrinho, do Partido Social Democrata (PSD), que obteve a maioria dos votos no interior do estado de Pernambuco.

 

No período de 1948 a 1954, Pelópidas atuou apenas como engenheiro e participou ativamente da campanha pelo monopólio estatal do petróleo.

 

         Mesmo sem sucesso, a sua candidatura ao governo do Estado abriu caminho para a Prefeitura, na eleição de 1955. Venceu com 81.499 votos e sua administração (1955-1959) seguiu a linha de sua primeira gestão: abertura de grandes vias perimetrais, criação da Companhia de Transportes Urbanos (CTU); assistência às populações da periferia, dos morros e alagados; criação de Audiências Públicas; estímulo à formação de associações de bairro.

 

         O êxito de suas duas gestões como prefeito resultou na indicação para o cargo de vice-governador na chapa do candidato Cid Sampaio, em 1958. Cid ganhou a eleição, mas Pelópidas só tomou posse em 1959, onze meses depois, para não renunciar ao cargo de prefeito e ter que repassá-lo a Vieira de Menezes, seu vice, com quem não mantinha relações de amizade.

 

         Antes de assumir sua última gestão na prefeitura (1963-1964), Pelópidas foi candidato a deputado federal pelo PSB e Secretário de Viação do governo Miguel Arraes. Aliás, a indicação para prefeito da capital de Pernambuco, em 1963, pela aliança PSB/PTB, foi de Arraes. Pelópidas governou a cidade com o mesmo ritmo de trabalho das administrações anteriores. Foi deposto e preso em 2 de abril de 1964, pelo golpe militar que instalou a ditadura no Brasil, e de lá só saiu no dia 15 de dezembro de 1964. Após a prisão, a sua vida política e profissional passou por um período difícil: precisava de trabalho, mas não conseguia. A primeira atividade após a prisão foi na Brasilgás, em 1965: convidado pelo professor Antonio Baltar para avaliação de problemas de fundações dos tanques do Brum, Pelópidas ao longo do tempo reafirmou sua capacidade profissional como engenheiro e acabou sendo funcionário daquela empresa.  

 

         Com os direitos políticos cassados por dez anos, Pelópidas não podia ter nenhuma atuação política. Participou apenas de “alguns entendimentos eleitorais” em 1974, quando Marcos Freire foi candidato a deputado. No ano de 1980, beneficiado pela Anistia, foi reintegrado à Universidade Federal de Pernambuco e aposentou-se no ano seguinte.

 

         Pelópidas Silveira faleceu em 6 de setembro de 2008.

 

 

          Recife, 26 de novembro de 2008.

          (Atualizado em 14 de setembro de 2009).

 

FONTES CONSULTADAS:

 

GUSMÃO FILHO, Jaime de A. (Org.). Pelópidas: o homem e a obra. Recife, Ed. Universitária da UFPE, 2005.

 

MONTENEGRO FILHO, Sérgio. Há 50 anos, Recife elegia o combativo Pelópidas Silveira. Jornal do Commercio, Recife, 10 abr. 2005.

 

PELÓPIDAS Silveira. Disponível em: <http://www.alepe.pe.gov.br/perfil/links/PelopidasSilveira.html>. Acesso em: 25 nov. 2008.

 

PELÓPIDAS Silveira. In: SILVA, Hélio Lins e. Recife, conceitos e evocações. Recife: [s.n.], 1984. p. 120-121.

PELÓPIDAS Silveira (foto neste texto). Disponível em: <http://www.cesarrocha.com.br/?m=20080906>. Acesso em: 12  abr. 2911.

 

 

 

COMO CITAR ESTE TEXTO:

 

Fonte: BARBOSA, Virgínia. Pelópidas SilveiraPesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/

>. Acesso em: dia  mês ano. Ex: 6 ago. 2009.

 

 
Copyright © 2019 Fundação Joaquim Nabuco. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido pela Fundação Joaquim Nabuco