Home P
Praça da República (Recife)

Semira Adler Vainsencher
Pesquisadora da Fundação Joaquim Nabuco
Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.

 

 

A Praça da República está situada no extremo norte da Ilha de Santo Antônio, no Recife, entre as margens do rio Capibaribe, e relativamente próxima à Praça da Independência. No século XVII, tratava-se de um espaço muito apreciado pelo Conde Maurício de Nassau que, nele, em 1642, construiu o Palácio de Friburgo, ou das Torres, onde mantinha um parque zôo-botânico.

No final do século XVIII, o referido Palácio é destruído e, a partir daí, o nome do logradouro muda diversas vezes. Primeiro é chamado de Campo do Palácio Velho; depois, troca-se para Campo do Erário, quando a tesouraria da Capitania de Pernambuco havia ocupado uma antiga dependência do Palácio das Torres. O nome se transforma em seguida em Campo da Honra, com a revolução de 1817. É importante registrar que, em 1821, no período em que o local se chamava Campo da Honra, foram nele enforcados os revolucionáros: Antônio Henrique Rabelo, padre Antônio Pereira de Albuquerque, Amaro Coutinho, Domingos Teotônio Jorge, José de Barros Lima (o Leão Coroado), José Peregrino Xavier de Carvalho e o vigário Tenório.

Com a construção do novo Palácio do Governo, pelo Conde da Boa Vista, a praça é chamada de Largo do Palácio. Em 1859, depois da visita de Dom Pedro II a Pernambuco, o local é denominado Campo das Princesas. E, por fim, com a queda do Império e a conseqüente mudança da forma de governo, o logradouro adquire o nome pelo qual ainda é chamado atualmente: Praça da República.

praça 2Essa praça possui oito estátuas de bronze, dispostas em duas grandes fileiras, que representam divindades clássicas da mitologia greco-romana: Ceres (deusa da fertilidade), Diana (deusa da caça), Flora (deusa das flores), Juno (rainha dos deuses e do Olimpo, protetora das mulheres e do casamento), Minerva (deusa das artes e ciências), Niobe, Vesta e Têmis (deusa da justiça). Os postes de iluminação, por sua vez, são esculturas de ferro, bem trabalhadas, e que apresentam as três Graças, filhas de Vênus: Tália, a verdejante; Agláia, o esplendor; e Eufrosina, a alegria. Alguns anjos se encontram na base desses postes, de onde é possível ler três frases escritas em latim que, traduzidas, dizem o seguinte:

Diante dos homens o longo amor testemunha a união dos dois corações. Diante de Deus, a união dos espíritos.Aqui Catarina depositou o coração do rei, seu marido, desejando poder sepultá-lo no próprio seio.Coração que perdeu a morada, coração que seguiu as coisas do alto. A graça eleva de fato as coisas ao ponto culminante.

Na praça, importantes ruas e avenidas têm início: a rua do Imperador Dom Pedro II, a avenida Dantas Barreto, a rua Frei Vicente Salvador, e a avenida Martins de Barros.

Um relevante conjunto de prédios, monumentos, estátuas e árvores estão presentes no logradouro e/ou à sua volta, como o Palácio do Governo (desde 1967, a residência oficial do Governador do Estado), o Teatro Santa Isabel, o Liceu de Artes e Ofícios, o Palácio da Justiça, a Secretaria da Fazenda, o Arquivo Público Estadual, a estátua (em bronze) de Francisco do Rego Barros (o Conde da Boa Vista), um baobá (árvore proveniente das estepes africanas, de tronco baixo, mas cuja grossura chega a atingir até 9 metros de diâmetro), algumas tamareiras (palmeiras ornamentais, originárias do norte da África, úteis pelos seus frutos e sua madeira), e uma fonte luminosa.

Cabe registrar que Francisco do Rego Barros (Barão, Visconde e, depois, Conde da Boa Vista), foi presidente da província de Pernambuco durante sete anos (1837-1844), e muito modernizou o Recife. Tendo estudado na Europa, e empreendendo novos métodos de trabalho, ele trouxe da França uma equipe de engenheiros e técnicos, e solicitou-lhes que construíssem estradas de rodagem e pontes, abrissem canais, realizassem aterros, e construíssem na cidade, inclusive, um novo Palácio do Governo e o Teatro Santa Isabel. Por essa razão, na Praça da República encontra-se uma estátua de um dos integrantes daquela equipe, o engenheiro francês Louis Léger Vauthier, fruto do trabalho do escultor pernambucano Abelardo da Hora, com um pequeno texto registrado em seu pedestal:

Louis Léger Vauthier amou o Recife, cidade a que serviu devotadamente de 1841 a 1848 com a sua ciência, com a sua inteligência e com o seu humanismo. O Recife lhe é grato. Gilberto Freyre. 7-10-1974. Administração Augusto Lucena.

A Praça da República, sem dúvida alguma, representa hoje o mais belo e bem cuidado logradouro público, assim como o principal centro cívico, cultural e administrativo da cidade do Recife.

 

Recife, 17 de julho de 2003.
(Texto atualizado em 28 de julho de 2009).


 

FONTES CONSULTADAS:

 


FRANCA, Rubem. Monumentos do Recife: estátuas e bustos, igrejas e prédios, lápides, placas e inscrições históricas do Recife. Recife: Secretaria de Educação e Cultura, 1977.

ROCHA, Tadeu. Roteiros do Recife: Olinda e Guararapes. 3. ed. Recife: [s.n.], 1967. 1o. Prêmio "Cidade do Recife" no triênio 1956-1959.

 

 

COMO CITAR ESTE TEXTO:

 


Fonte: VAINSENCHER, Semira Adler. Praça da República (Recife). Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em:http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/>. Acesso em: dia  mês ano. Ex: 6 ago. 2009.


 
Copyright © 2017 Fundação Joaquim Nabuco. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido pela Fundação Joaquim Nabuco