Erro
  • DB function failed with error number 1142
    CREATE command denied to user 'pe_user'@'localhost' for table 'jos_vvisitcounter' SQL=CREATE TABLE IF NOT EXISTS jos_vvisitcounter ( id int(11) unsigned NOT NULL AUTO_INCREMENT, tm int NOT NULL, ip varchar(16) NOT NULL DEFAULT '0.0.0.0', PRIMARY KEY (`id`) ) ENGINE=MyISAM AUTO_INCREMENT=1;
  • DB function failed with error number 145
    Table '.\pesquisaescolar\jos_vvisitcounter' is marked as crashed and should be repaired SQL=INSERT INTO jos_vvisitcounter (id, tm, ip) VALUES ('', '1660756402', '35.168.110.128')
  • DB function failed with error number 145
    Table '.\pesquisaescolar\jos_vvisitcounter' is marked as crashed and should be repaired SQL=SELECT MAX(id) FROM jos_vvisitcounter
  • DB function failed with error number 145
    Table '.\pesquisaescolar\jos_vvisitcounter' is marked as crashed and should be repaired SQL=SELECT COUNT(*) FROM jos_vvisitcounter WHERE tm >= '1660705200'
Home
Índios Truká
Seg, 05 de Abril de 2010 12:31

Lúcia Gaspar

Bibliotecária da Fundação Joaquim Nabuco

Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.

 

Os remanescentes dos Truká, cerca de 826 índios, vivem a 18 quilômetrosda cidade de Cabrobó, numa área de 1.650 hectares, na região do rio São Francisco, em Pernambuco.

 

A agricultura é seu principal meio de subsistência. Cultivam, principalmente, o arroz e a cebola. Na falta de chuvas as lavouras são irrigadas. Além do cultivo da terra, a única fonte de renda se limita a biscates na cidade de Ibimirim.

 

A pesca no rio São Francisco, que se constituía numa importante fonte de alimentos, tornou-se limitada após a construção da barragem de Sobradinho, mas ainda é uma atividade importante como meio de subsistência da comunidade.

 

Os Truká, para não perderem totalmente sua identidade étnica e cultural usaram a miscigenação com o negro e tiveram que abdicar e esconder os rituais da tribo.

 

Como uma tradição dos antepassados, continuam dançando o toré num terreiro marcado por uma cruz, onde apenas o cacique ostenta trajes mais elaborados, feitos da fibra de caroá. Os demais participantes usam sobre as roupas usuais, um pequeno saiote feitos da mesma fibra e na cabeça um enfeite de penas. Para acompanhar os cânticos utilizam como os Pankararu e os Kambiwá, maracás feitos de cabaças.

 

Assim com as outras comunidades indígenas de Pernambuco, a presença da Igreja Católica, através dos missionários, foi decisiva na vida dos Truká.

 

A língua de origem da etnia não existe mais.

 

 

Recife, 19 de agosto de 2003.

(Atualizado em 28 de agosto de 2009).

 

 

FONTES CONSULTADAS:

 

AS COMUNIDADES indígenas de Pernambuco. Recife: Instituto de Desenvolvimento de Pernambuco-Condepe, 1981.

 

SÁ, Marilena Araújo de. "Yaathe" é a resistência dos Fulni-ô. Revista do Conselho Estadual de Cultura, Recife, Ed. especial, p.48-54, 2002.

 

 

 

COMO CITAR ESTE TEXTO:

 

Fonte: GASPAR, Lúcia. Índios Truká. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/>. Acesso em: dia  mês ano. Ex: 6 ago. 2009. 

 

Copyright © 2022 Fundação Joaquim Nabuco. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido pela Fundação Joaquim Nabuco