Home
Mercado Ver-o-Peso, Belém, Pará

Virgínia Barbosa
Bibliotecária da Fundação Joaquim Nabuco
Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.

       

        No século XVII, onde hoje funciona o Mercado Ver-o-Peso, numa área que era formada pelo igarapé do Piri, os portugueses instalaram um posto de fiscalização e tributos dos gêneros trazidos para a sede das capitanias (Belém-PA). Este posto foi denominado Casa de Haver o Peso, que também tinha como atividade o controle do peso dos produtos comercializados. No início do século XIX, o igarapé Piri foi aterrado e, na sua foz, foi construída a doca do Ver-o-Peso.

         Embora a cidade estivesse abalada pela revolta popular denominada Cabanagem (1835-1840), a Casa de Haver o Peso funcionou até meados do ano de 1839. Em outubro deste mesmo ano, a repartição foi extinta e a Casa foi arrendada e destinada à venda de peixe fresco.

        Em 1847, com o término do contrato de arrendamento, a Casa foi demolida e iniciada a construção dos Mercados de Peixe e de Carne, este último também conhecido como Mercado Municipal ou Mercado Bolonha, uma vez que sua edificação foi feita pelo engenheiro Francisco Bolonha.

        No Ciclo da Borracha, entre o final do século XIX e começo do século XX, a cidade de Belém teve grande importância comercial, principalmente para o cenário internacional. Neste período, também se pode registrar mudanças urbanísticas. Importantes edificações foram erguidas, entre as quais, o Palácio Lauro Sodré, o Teatro da Paz, o Palácio Antônio Lemos e o Mercado Ver-o-Peso.

       A construção do Mercado de Ferro, como inicialmente era conhecido o Mercado Ver-o-Peso, foi autorizada pela lei municipal nº 173, de 30 de dezembro de 1897 e sua edificação, com o projeto de Henrique La Rocque, teve início no ano de 1899. Toda a estrutura de ferro do Mercado foi trazida da Europa seguindo a tendência francesa de art nouveau da belle époque.

        Internamente, o mercado era destinado à venda de peixes, frutos, aves, farinha e, externamente, era circundado por compartimentos para comercializar outros muitos produtos e serviços. Pode-se dizer que, com a inauguração do Mercado e conseqüente mercantilização, a cidade de Belém-PA começou a se desenvolver.

         Foi no século XX que a área onde está construído o Mercado Ver o Peso – Centro Histórico de Belém – denominada Complexo do Ver-o-Peso, tomou o formato atual com seus mercados e praça. Essa área possui mais de 26 mil metros quadrados e é formada pelo Mercado de Ferro ou de Peixe, o Mercado Municipal de Carne, a Praça do Pescador, a Praça do Relógio, a Praça dos Velames, pelo Palacete de Bolonha, além de duas mil barracas e casa comerciais populares.

        Embora seja reconhecido como patrimônio histórico e uma síntese da história arquitetônica da cidade de Belém, o Mercado viveu períodos de grandes reformas intercalados com o abandono. A primeira, no ano de 1985, teve como objetivo firmar uma das torres que, em 1981, apresentava uma inclinação causada, provavelmente, pela inconsistência do terreno. Seguiram-se a de 1989 e a de 1999. Esta última recuperou não só o Mercado Ver-o-Peso, mas todo o complexo.

         O Mercado do Ver-o-Peso é conhecido como o maior mercado e feira ao ar livre da América Latina. Ali é vendido de tudo, desde peixes, carnes, frutas e legumes até artigos regionais, ervas medicinais, plantas ornamentais e raízes aromáticas. Os produtos do rio e da floresta são vendidos nas barracas e no pátio junto ao mercado de peixe e são levados pelos barcos que chegam às docas.

        Em 1977, todo o conjunto arquitetônico e paisagístico do Ver-o-Peso foi tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

        Considerado um dos pontos turísticos da cidade de Belém, o Mercado Ver-o-Peso, em 2008,  ganhou o título, em concurso, de uma das Sete Maravilhas Brasileiras.  O concurso foi promovido pelo HSBC e revista Caras, na internet, onde mais de meio milhão de pessoas votaram.

Recife, 25 de junho de 2010.

FONTES CONSULTADAS:

ÁLBUM de Belém, Pará. [Belém]: F. A. Fidanza, 1902.

COTIDIANO de Belém está retratado no Ver-o-Peso. Disponível em: 
<http://www.amazonia.org.br/noticias/noticia.cfm?id=93645>. Acesso em: 15 jun. 2010.

DIAS, Caio Smolarck; DIAS, Solange Irene Smolarck. Belém do Pará: história, urbanismo e identidade. Disponível em:   <http://www.fag.edu.br/professores/solange/PRODUCAO%
20CIENTIFICA/5%BA%20ECCI/BEL%C9M%20DO%20PAR%C1%20-%20Caio.pdf
>. Acesso em: 15 jun. 2010.

MERCADO Ver-o-Peso. Disponível em: <http://cidadesdobrasil.com.br/CGI-cn/news.egi?
arecod=5&c1=09910510009710010109
>. Acesso em: 15 jun. 2010.

MERCADO Ver-o-Peso. Disponível em: <http://www.informam.ufpa.br/portal/cale
idoscopio/mercadop.htm
>. Acesso em: 15 jun. 2010.

MERCADO Ver-o-Peso. Disponível em: <http://www.pontosbr.com/
detalhes.php?cod=236
>. Acesso em: 15 jun. 2010.

MERCADO Ver-o-Peso. Disponível em: <http://www.amazonia.org.br/guia/detalhes.cfm?id=
115360&tipo=9&cat_id=98&subcat_id=530
>. Acesso em: 15 jun. 2010.

VER-O-PESO: conjunto arquitetônico e paisagístico (Belém, PA). Disponível em: <http://www.iphan.gov.br>. Acesso em: 15 jun. 2010.

COMO CITAR ESTE TEXTO:

BARBOSA, Virgínia. Mercado Ver-o-Peso. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/>. Acesso em: dia  mês ano. Ex: 6 ago. 2009.

 
Copyright © 2018 Fundação Joaquim Nabuco. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido pela Fundação Joaquim Nabuco