Home
Lenine

Maria do Carmo Andrade
Bibliotecária da Fundação Joaquim Nabuco
Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.



Lenine, Oswaldo Lenine Macedo Pimentel, cantor, compositor, arranjador, músico e produtor, nasceu no dia 2 de fevereiro de 1959, no Recife, filho de Geraldo Pimentel e Dayse Macedo Pimentel.

Ouvir música aos domingos fazia parte do seu cotidiano desde criança. Em família, ouvia-se todo tipo de música: canções napolitanas, música alemã, música folclórica russa, Glenn Miller, Tchaikovsky, Chopin, Gil Evans e, posteriormente, Hermeto Pascoal e os tropicalistas.

Aos dezessete anos de idade, Lenine montou uma loja de discos wave, em sociedade com um amigo, muito mais pela possibilidade de acesso aos discos importados do que por qualquer outro motivo. Foi também nessa época que ele despertou para a música brasileira. Integrou o grupo musical Flor de Cactus, com o qual gravou um compacto (disco pequeno gravado em 33 1/3 ou 45 r.p.m., contendo uma ou duas composições de cada lado, utilizado geralmente para um cantor e/ou música nova). Mais tarde, Lenine deixaria a Faculdade de Engenharia Química para seguir carreira musical.

Em 1978, Lenine foi para o Rio de Janeiro onde acabou fixando residência. Lá se inscreveu no Festival de MPB promovido pela Shell, em 1981, com a música de sua autoria Prova de Fogo, reforçando seu interesse pela carreira musical.

Casado com Anna Barroso, produtora de TV, Lenine ficava em casa cuidando dos filhos (João, Bruno e Bernardo) enquanto Anna saía para trabalhar. Ele sempre valorizou a família e gostava muito de cuidar dos filhos e, embora tenha pensado em largar a carreira e arranjar um emprego fixo, aproveitou o momento para paralelamente compor músicas, dirigir musicais, fazer trilhas sonoras e outras atividades artísticas.

Lenine compôs trilhas sonoras para telenovelas como As Filhas da Mãe, O Clone, Caminho das Índias, Viver a Vida e outras; foi roterista do programa Os Trapalhões; trabalhou com os diretores Guel Arraes e Jorge Furtado; dirigiu o musical CaramuruA Invenção do Brasil (2000), que acabou virando um longa-metragem; participou ainda da direção do musical Cambaio, de João Falcão e Adriana Falcão, baseado em canções de Chico Buarque e Edu Lobo.

Em 1983, em parceria com Lula Queiroga, lançou o álbum Baque Solto. Só nove anos depois, em 1992, formando dupla com o percussionista Marcos Suzano, lançou seu segundo álbum Olho de Peixe. O disco fez muito sucesso e foi bastante elogiado pela crítica. No Recife, foi adotado pela geração manguebeat, que estava em plena efervescência naquele momento, sendo muito tocado nos bares da moda de então.

Em 1997, lançou seu primeiro disco solo, O Dia em Que Faremos Contato, considerado um marco da música popular brasileira por unir acústica, tecnologia eletrônica, raízes regionais e linguagem pop internacional, para dar novos rumos à MPB. Com esse disco, ganhou dois prêmios Sharp, nas categorias Revelação e Melhor Canção, com A Ponte, música composta em parceria com Lula Queiroga.

Lenine se apresentou na Cité de La Musique, em Paris (1999), o que impulsionou bastante sua carreira na Europa. No mesmo ano, lançou o CD Na Pressão e foi agraciado com o prêmio da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) como Melhor Álbum de Música Popular, revelando a diversidade brasileira ao misturar maracatu, xote, samba, rap, coco, xaxado e trip hop (música eletrônica lenta). Lenine se colocava (ou era colocado?) como um cronista sonoro do Brasil no fim da década/século/milênio, radiografando o cotidiano da Nação.

Desde então, tem feito shows em dezenas de países. Em três anos, Lenine se apresentou para mais de 800 mil pessoas no exterior.

Em 2001, esteve em quatorze cidades da França, onde seu público é mais significativo e o disco Na Pressão vendeu mais de 30 mil cópias, sendo sempre apontado como um dos nomes mais representativos da música brasileira.

Lançado simultaneamente em dez países, Falange Cambial, álbum de 2002, contou com participações especiais de diversos artistas brasileiros e estrangeiros de variadas vertentes musicais. O álbum recebeu o Grammy Latino na categoria  Melhor Álbum Pop Contemporâneo Brasileiro.

Em 2004, participou do evento Carte Blanche, em Paris, e fez o lançamento do CD e DVD Lenine Incité, na Cité de La Musique, na capital francesa. Em 2005, o álbum ganhou dois Grammy Latino como Melhor CD de Música Contemporânea Brasileira e Melhor Canção, com Ninguém Faz Idéia, em parceria com Ivan Santos.

O álbum Lenine Acústico MTV, lançado em 2006, ganhou no ano seguinte o Grammy Latino na categoria Melhor CD Pop Contemporâneo Brasileiro.

Em 2008, ele lança o álbum Labiata, ganhando outro Grammy Latino, na categoria Melhor Música Brasileira, em 2009, com a música Martelo Bigorna, uma das composições integrantes do Labiata e, em 2010, lança Lenine.doc.Trilhas.

Sua obra tem hoje cerca de quinhentas músicas, incluindo sambas-enredo campeões do carnaval carioca. As composições de Lenine já foram gravadas por diversos cantores nacionais de sucesso, como Elba Ramalho, Fernanda Abreu, O Rapa, Milton Nascimento, Maria Bethânia, Maria Rita e muitos outros. Entre suas produções, pode-se destacar Segundo, de Maria Rita; De uns Tempos pra Cá, de Chico César; o CD Lonji, do cantor cabo-verdiano Tcheka; a trilha sonora do espetáculo Breu, do Grupo Corpo, e o CD Ponto Enredo, de Pedro Luís e Parede.

(Atualizado em 26 de setembro de 2016).


FONTES CONSULTADAS:

TELES, José. Eu sou Leão do Norte. In: ______. A música em Pernambuco. Recife: Assembléia Legislativa do Estado de Pernambuco, [2003-2006].  p. 113-115.

LENINE. Foto nesse texto. Disponível em: <http://www.lenine.com.br/fotos/>. Acesso em: 26 set. 2016.

LENINE. Site Oficial. Disponível em: <http://www.lenine.com.br>. Acesso em: 26 jan. 2011.

COMO CITAR ESTE TEXTO:

ANDRADE, Maria do Carmo. Lenine. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/>. Acesso em: dia  mês ano. Ex: 6 ago. 2009.

 

Busca "Palavra-chave"

Busca "A a Z"


Copyright © 2019 Fundação Joaquim Nabuco. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido pela Fundação Joaquim Nabuco