Home
Irandhir Santos

Maria do Carmo Andrade
Bibliotecária da Fundação Joaquim Nabuco
Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.


 
Irandhir Gleriston Santos Pinto é um ator pernambucano, profissional dos mais requisitados pelo cinema brasileiro.  Filho mais jovem de seu Marcos e dona Helena, nasceu no dia 22 de agosto de 1978, na cidade de Barreiros, situada no Agreste pernambucano, a 80 km do Recife. Durante sua infância, Irandhir Santos morou em diversas cidades de Pernambuco, pois seu pai, que era gerente de banco, frequentemente era transferido para uma nova agência, mudando sempre de endereço com a família.

Irandhir começou sua carreira artística ainda na infância. Morava então em Limoeiro, cidade da zona da mata pernambucana, quando fez sua primeira apresentação teatral, uma adaptação do Pai-Nosso. Daí em diante não parou mais de atuar. Com o apoio de seus pais, Irandhir mudou-se para o Recife com o objetivo de estudar para o vestibular. Mais tarde, concluiria o curso de Licenciatura em Educação Artística, com habilitação em Artes Cênicas pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

No Recife, entrou para o grupo de teatro Somente, liderado por André Cavendish. Com esse grupo atuou em várias peças, entre elas A Importância de ser Prudente, de Oscar Wilde, em 1999, que ficou um mês em cartaz no Teatro Barreto Junior. Nessa ocasião, conheceu o ator e pesquisador teatral Leidson Ferraz, que um ano depois, o convidou para fazer parte de outros projetos. Viajou pelo Brasil e aprimorou técnicas de interpretação. Todas essas experiências possibilitaram a Irandhir, como estudante de Artes Cênicas da UFPE, ampliar sua visão sobre o teatro contemporâneo e melhorar os seus métodos de trabalho.

Seguiram-se outras experiências no teatro, tais como:

Cenas de uma paixão, sob a direção do próprio Irandhir Santos (2000);
Ai serpente, sob a direção de Roberto Lúcio (2000);
A ver estrelas, sob a direção de João Falcão e Magdalena Alves (2000);
Alheio, sob a direção de Leidson Ferraz (2000);
Flash Clown, sob a direção de Carlos Bartolomeu (2003);
O rapto de Rodolfo, sob a direção de Izabel Concessa (2003);
Quem tem, tem medo!, sob a direção de Júnior Sampaio (2004);

Suas atuações não se limitaram ao teatro. Na televisão, ficou conhecido nacionalmente quando interpretou o personagem Quaderna, o contador de histórias na minissérie baseada na obra de Ariano Suassuna A Pedra do Reino, dirigida por Luiz Fernando Carvalho. O próprio Ariano Suassuna ficou admirado com a interpretação dada pelo ator ao personagem. Com esse trabalho recebeu o Prêmio Contigo de Ator Revelação.

Irandhir Santos começou sua carreira no cinema em 2005, com o filme Cinema, aspirinas e urubus, sob a direção de Marcelo Gomes. Em seguida, foi a vez de Amigos de risco, também em 2005, sob a direção de Daniel Bandeira. Em 2006, no filme Baixio das bestas, dirigido por Cláudio Assis, interpretou o personagem “besta fera” Maninho e conquistou o troféu Candango de Melhor Ator Coadjuvante, no 39° Festival de Brasília daquele ano.

Na sequência, Irandhir trabalhou também em: Décimo Segundo (2007), filme de curta metragem sob a direção de Leonardo Lacca, tendo recebido o Troféu Mucuripe de Melhor Ator, no 18º Cine Ceará; Olhos Azuis (2007), sob a direção de José Joffily, pelo qual recebeu o prêmio de Melhor Ator Coadjuvante, no 12º Festival de Cinema Brasileiro em Paris e de Melhor Ator no 14º Festival de Cinema Brasileiro em Miami (2009); Azul, filme curta metragem sob a direção de Eric Laurence (2008) e O Senhor do Labirinto, também em 2008, sob a direção de Geraldo Motta.

Um grande destaque no cinema, principalmente pela originalidade da narrativa e composição das imagens, foi Viajo porque preciso e Volto porque te amo, de 2008, sob a direção de Marcelo Gomes e Karim Ainouz. Com esse filme,  Irandhir recebeu o Prêmio de Melhor Ator no 12º Festival de Cinema Brasileiro em Paris;  Melhor Ator no Festival de Cinema de Triunfo, Pernambuco; foi ainda indicado como Melhor Ator, no 5º Prêmio Contigo de Cinema Nacional, assim como para a 4ª edição do Prêmio da Revista Quem.

O filme Viajo porque preciso e Volto porque te amo conta a história de um geólogo que viaja e durante os dias percorridos nas estradas, escreve para a amada deixada para trás, contando sobre as pesquisas realizadas, as pessoas e os lugares que conheceu e segue fazendo um relato sobre o processo de autoconhecimento pelo qual ele passou.

O protagonista desta narrativa não aparece na tela, entretanto a leitura dos escritos feita por Irandhir Santos dá (segundo os críticos de cinema) tanta vida e emoção à narrativa que a impressão para quem assiste ao filme, é de conhecer o personagem, mesmo sem nunca tê-lo visto.

Entre outros papéis no cinema, destaca-se sua atuação no filme Tropa de Elite 2, dirigido por José Padilha, dando vida ao personagem Fraga, um rival do Capitão Nascimento na ideologia e na filosofia de vida.



Recife, 10 de junho de 2011.
Atualizado em 14 de agosto de 2017.

 

 

FONTES CONSULTADAS:

 

 


AMORIM, Dora. Irandhir Santos: “É aqui onde vivo aqui me fortaleço”. Continente, Recife, Ano .11, n.54, p.54-57, mar. 2011.

IRANDHIR Santos [Foto neste texto]. Disponível em: <http://www.purepeople.com.br/midia/santo-domingos-montagner-bento-irandh_m1447746>. Acesso em 14 ago. 2017.

IRANDHIR Santos: o artista. Disponível em:<http://irandhirsantos.com.br/>. Acesso em: 18 maio 2011.

 

 


COMO CITAR ESTE TEXTO:

 

 

Fonte: ANDRADE, Maria do Carmo. Irandhir Santos. Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/index.php>. Acesso em: dia mês ano. Ex: 6 ago. 2009.

 

Busca "Palavra-chave"

Busca "A a Z"


Copyright © 2018 Fundação Joaquim Nabuco. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido pela Fundação Joaquim Nabuco