Home
Montez Magno

Lúcia Gaspar
Bibliotecária da Fundação Joaquim Nabuco
Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.  

[...] Montez é o tipo do artista que encarna a ideia da palavra invenção. Ele sempre está criando. Você vai à casa dele e tem algo sendo feito ali.[...] Ele é aquela frase do Fernando Pessoa, “eu sou muitos”. Ele mesmo se diz camaleônico. [...] (Clarissa Diniz, Montez Magno, 201).

O pintor, escultor, escritor, ilustrador e poeta Montez Magno de Oliveira nasceu no dia 27 de julho de 1934, no município de Timbaúba, Pernambuco, filho do poeta e jornalista Balthazar José de Oliveira e da professora Sebastiana Veras de Oliveira. A família mudou-se para o Recife, ainda no ano de 1934.

No período de 1940 a 1942, Montez Magno estudou no Grupo Escolar João Barbalho, tradicional educandário recifense e, posteriormente, nos colégios Marista e Salesiano do Recife. 

Em 1943, foi com a família residir em Afogados da Ingazeira, cidade pernambucana no sertão do Pajeú, onde seu pai exerceu o cargo de prefeito, voltando a morar na capital em 1945. 

Começou a escrever poesia em 1950 e, em 1954, frequentou na Escola de Belas Artes de Pernambuco o curso livre de paisagem e desenho artístico, ministrado pelo pintor Mário Nunes, um dos fundadores da Escola e famoso pintor de paisagens pernambucanas, fatos importantes da história do Recife e seus arredores.

Entre os anos de 1954 a 1956, dedicou-se a estudar técnicas de pintura e desenho. Seus primeiros quadros abstratos são de 1956.

Mudou-se para a vizinha cidade de Olinda, em 1957, inaugurando um atelier na Rua de São Bento, n. 358, época em que conheceu Aloísio Magalhães e passou a frequentar seu atelier, onde funcionava o Gráfico Amador, uma oficina experimental de artes gráficas formada por escritores e artistas plásticos, criada em 1954.

Nesse mesmo ano, realiza sua primeira exposição individual, na galeria do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB)- Seção Pernambuco, no Recife.

Em 1958, convidou os artistas Anchises Azevedo e Adão Pinheiro para trabalhar no seu atelier, ocupando os outros pavimentos disponíveis.

No ano seguinte, participou pela primeira vez da V Bienal de São Paulo e de  outras exposições, no sul do Brasil.

Dois anos depois, viajou para o Rio de Janeiro onde permaneceu por oito meses. Retornou ao Recife no final do ano, quando transferiu seu atelier de Olinda para o Recife, passando a trabalhar sozinho.

Em 1962, mudou-se para São Paulo, onde participou de diversas mostras coletivas e exposições individuais. Em 1963, trabalhou na Fundação Álvares Penteado, em espaço cedido pela instituição, época em que estudou litografia com o desenhista e gravador Darel Valença.

Nesse mesmo ano, recebeu uma bolsa de estudos do Instituto de Cultura Hispânica de Madrid, na Espanha, viajando para aquela cidade no final do ano. Durante o período em que esteve em Madrid produziu várias pinturas a óleo e guaches sobre cartão e foi aluno do professor de História da Arte, José Almagro.

Saindo da Espanha, realizou uma viagem de estudos pela Europa visitando a Itália, a França e a Grécia. Retornou ao Brasil em 1965, morando dois meses em São Paulo, algum tempo em Olinda, transferindo-se depois para o Rio de Janeiro, onde permaneceu até 1969.

Assume a disciplina de escultura, na Universidade Federal da Paraíba (UFPB), no campus de João Pessoa, em 1970, onde também criou e dirigiu o Curso de Criatividade Artística (1971-1972).

Da década de 1970 até hoje, realizou diversas viagens nacionais e internacionais, expondo sua obra em mostras coletivas ou individuais, visitando exposições e museus em várias cidades do Brasil e do exterior, participando de júris de Salões de Artes Plásticas, escrevendo ensaios e poesias, publicados em mais de dez livros, dezenas de artigos de periódicos, catálogos e folders de exposições.

Para comemorar seus 55 anos de produção artística, foi inaugurada em maio de 2011, no Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães (Mamam), no Recife, a exposição retrospectiva Montez Magno: 55 anos de arte, reunindo um conjunto de 150 trabalhos entre desenhos, pinturas, gravuras, poesias visuais, objetos e fotomontagens, livros, instalações, performances, projetos de arte ambiental, música aleatória e ilustrações. As obras selecionadas buscam registrar os instantes mais importantes da sua longa trajetória, procurando abranger todas as décadas da sua produção artística.

Estão relacionadas a seguir, as participações do artista em mostras coletivas e exposições individuais, nacionais e internacionais, de 1957 a 2011:


Exposições Coletivas
:

• 1958 XVIII Salão de Pintura do Estado de Pernambuco, Recife; Quatro pintores do Recife, Timbaúba, PE; Primeira Panorâmica de Artes Plásticas do Cabanga Iate Clube, Recife.
• 1959 VIII Salão Nacional de Arte Moderna, Rio de Janeiro; V Bienal Internacional de São Paulo, São Paulo, SP; Galeria da Folha, São Paulo, SP; Galeria do Instituto Brasil Estados Unidos (IBEU), Rio de Janeiro.
• 1961 IX Salão de Arte, Moderna, Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro; Galeria Gead, Rio de Janeiro.
• 1962 IX Salão Paulista de Arte Moderna, Galeria Prestes Maia, São Paulo, SP; XI Salão Nacional de Arte Moderna, São Paulo,  SP; Galeria do Instituto Brasil Estados Unidos (IBEU), Rio de Janeiro; Salão do Trabalho, Galeria da Folha, São Paulo, SP.
• 1963 XII Salão Paulista de Arte Moderna, São Paulo, SP; 1ª Exposição do Jovem Desenho Nacional, no Museu de Arte Contemporânea da USP, São Paulo, SP.
• 1965 XIV Salão Nacional de Arte Moderna, MAM, Rio de Janeiro; I Salão ESSO de Artistas Jovens, MAM, Rio de Janeiro.
• 1966 Seventeen Latin American Painters from the VIII São Paulo Bienal, MAM, Rio de Janeiro e itinerâncias; XV Salão Nacional de Arte Moderna, MAM, Rio de Janeiro; I Bienal Nacional de Artes Plásticas da Bahia, Salvador;
• 1967 São Paulo SP - IX Bienal Internacional de São Paulo, São Paulo, SP (Prêmio Itamataty de Aquisição); XVI Salão Nacional de Arte Moderna, MAM, Rio de Janeiro; IV Salão de Brasília, Brasília, D.F.
• 1968 II Salão ESSO de Pinturas e XVII Salão Nacional de Arte Moderna,MAM, Rio de Janeiro; 1ª Feira de Arte do Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro.
• 1969 Salão dos Transportes, MAM, Rio de Janeiro.
• 1971 I Salão da Eletrobrás, Rio de Janeiro; Panorama de Arte Atual Brasileira, MAM, São Paulo, SP.
• 1972 Panorama de Arte Atual Brasileira, MAM, São Paulo, SP; Múltiplos Nacionais e Internacionais, Múltipla Galeria, São Pauo, SP; Arte/Brasil/Hoje/50 anos depois, Galeria da Collectio, São Paulo, SP.
• 1974 I Salão Global do Nordeste, Olinda,PE (recebe o Primeiro Prêmio de Pintura)
• 1977 Poéticas Visuais, Museu de Arte Contemporânea da USP, São Paulo, SP.
• 1982 I Exposição de Arte Latina, Galeria Lula Cardoso Ayres, Recife; Feira Internacional de Mostras de Bilbao –ARTEDER’82, Espanha.
• 1985 VII Bienal Internacional de Arte de Valparaíso, Chile; O Popular como Matriz, MAC/USP, São Paulo, SP.
• 1986 22 Artistas Contemporâneos, Centro Cultural Ítalo-Brasileiro Dante Alighieri, Recife; Pernambucanos em Brasília, Galeria de Arte da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos, Brasília, D.F.
• 1989 III Bienal de Havana, Cuba
• 1994 Batalha dos Guararapes: um Olhar Contemporâneo, no Museu do Estado de Pernambuco, Recife; Recife: Raízes e Resultados, no Prédio da Alfândega, Porto, Portugal; Contemporâneos no Acervo do Masp: Décadas 80/90, Masp, São Paulo.
• 1996 V Bienal de Poesia Visual e Experimental da Cidade do México, México, DF; 15 Artistas Brasileiros, Museu de Arte Moderna de São Paulo, São Paulo; XXIII Bienal Internacional de Artes de São Paulo, São Paulo.
• 1997 Mostra Internacional de Poesia Visual, Melbourne, Austrália.
• 1998 Artistas Pernambucanos, Fundação Júlio Resende, Porto, Portugal.
• 2000 Tudo que Move o Tempo, Ária Galeria de Arte, Jaboatão dos Guararapes, PE.


Exposições  Individuais
:

• 1957 primeira exposição individual, Galeria do Instituto de Arquitetos do Brasil, Recife;
• 1958 Galeria Lemac, Recife;
• 1960 Museu de Arte Moderna da Bahia (MAM), Salvador;  Teatro Santa Isabel, Recife.
• 1961 Galeria Rozenblit, Recife.
• 1963 Galeria Casa do Artista Plástico e Galeria Seta, São Paulo, SP.;
• 1964 Galeria La Caja de Ahorros de Astúrias (Oviedo e Gijon), Espanha; Casa do Brasil, Madrid, Espanha; Centro Informativo de la Construccion, Barcelona, Espanha.
• 1965 Galeria Goeldi, Rio de Janeiro, RJ e Galeria Atrium, São Paulo, SP.
• 1966 Galeria Ônix, Recife.
• 1967 Galeria Cantu, Rio de Janeiro.
• 1968 Galeria Instituto Brasil Estados Unidos (IBEU), Rio de Janeiro.
• 1969 Galeria Casa Holanda, Recife.
• 1970 Petite Galerie, Rio de Janeiro; Museu de Arte Contemporânea de Pernambuco, Olinda, PE; Reitoria da Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa.
• 1972 Galeria Degrau, Recife.
• 1973 Petite Galerie, Rio de Janeiro.
• 1974 Galeria Ponto de Arte, Rio de Janeiro; Galeria Três Galeras, Olinda, PE.
• 1975 Rádio e Televisão Sueca, Estocolmo (série Outdour in Outdoor).
• 1979 Primeiro e Segundo Ciclos da Série Barracas do Nordeste, no Museu de Arte Sacra, Olinda, PE.
• 1981 Galeria Vila Rica, Recife, PE.
• 1985 Terceiro Ciclo da Série Barracas do Nordeste, Centro de Convenções de Pernambuco, Olinda, PE.
• 1988 Galeria de Arte Centro Empresarial do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.
• 1989 Galeria de Arte Guilherme Eustáchio, Recife.
• 2000 Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães (Mamam), Recife.
• 2002 Pinturas de Montez Magno, Galeria Rodrigues, Recife.
• 2006 Série Thânatos, Museu do Estado de Pernambuco, Recife.
• 2010 Série Thânatos, 2007-2008, Centro Cultural Benfica, Recife;
• 2011 Montez Magno, 55 anos de arte, Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães, Recife.


Recife, 29 de julho de 2011.
Atualizado em 12 de julho de 2017.

 



FONTES CONSULTADAS
:

 

 

DINIZ, Clarissa (Org); HERKENHOFF, Paulo; MONTEIRO, Luiz Carlos. Montez Magno. Recife: Paés, 2010. 

MONTEZ Magno. Disponível em: <http://www.rodriguesgaleria.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=67:montez-magno&catid=23:artistas&Itemid=62>. Acesso: 27 jul. 2011.

MONTEZ Magno [Foto neste texto]. Disponível em: <http://especiais.jconline.ne10.uol.com.br/pernambuco-modernista/montez.php>. Acesso em: 12 jul. 2017.

MONTEZ Magno comemora 55 anos de produção artística com exposição no Mamam. 16.05.2011. Disponível em: <
http://www.nacaocultural.pe.gov.br/montez-magno-comemora-55-anos-de-producao-artistica-com-exposicao-no-mamam>. Acesso em: 27 jul. 2011.

MONTEZ Magno: experimentação e atuação política. Continente, Recife, ano 11, n. 125, p. 68-71, maio 2011. 

 

 

COMO CITAR ESTE TEXTO:

 

 

Fonte: GASPAR, Lúcia. Montez MagnoPesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/index.php>. Acesso em: dia mês ano. Ex: 6 ago. 2009. 

 

Busca "Palavra-chave"

Busca "A a Z"


Copyright © 2019 Fundação Joaquim Nabuco. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido pela Fundação Joaquim Nabuco